A Filosofia no fogo cruzado de direita e esquerda

Keywords: Left. Right. Authoral philosophy. Institutional philosophy. Engagement. Ontology.

Abstract

In this paper, I try to show that it is a contingency that the current project of institutional philosophy has been defended by leftist intellectuals. The left/right dualism does not coincide with the dualism of authorial philosophy/institutional philosophy. I try to point to the ontology of left/right dualism, to show how this dichotomy is guided by the emotional load of the contents, more than by these contents themselves. This conflict has no solution because the opponents need it and are constantly feeding it. If we are interested in authorial philosophy, we would have to try to free philosophy from this endless left/right conflict, being able to recognize good philosophy even in the political field that we reject. However, the article ends with a feeling of hopelessness that such a pluralist project is possible at a time of intense polarizationslike the present one.

References

ARMIJOS, G. De como fazer filosofia sem ser grego, estar morto ou ser gênio. Goiânia: EdUFG, 2004a.
ARMIJOS, G. Alheio olhar. Goiânia: EdUFG, 2004b.
ARONSON, R. Camus-Sartre. O polêmico fim de uma amizade no pós-guerra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.
CABRERA, J. “Por qué no agrado a los rebeldes”. Philósophos. Goiânia, v. 6, 2001. p. 115-128.
CABRERA, J. Diário de um filósofo no Brasil. 2. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2013.
CABRERA, J. “Europeu não significa universal, brasileiro não significa nacional”. Nabuco, n. 2, 2015. p. 14-47.
CABRERA, J. “Comment peut-on être un philosophe français au Brésil?”. Cahiers critiques de philosophie, Paris VIII, vol. 16, 2016. Disponível em: http://www.editions-hermann.fr/4945-cahiers-critiques-de-philosophie-n16.html.
CABRERA, J. “Introdução a uma abordagem negativa da argumentação”. Signo, v. 42, 2017. p. 147-168.
CABRERA, J. Mal-estar e moralidade. Brasília: Editora da UnB, 2018.
CABRERA, J. Introduction to a Negative Approach to Argumentation. Towards a new ethic for philosophical debate. Cambridge Scholars Publishing, 2019.
CARVALHO, O. de. Lógica da mistificação, ou: o chicote da Tiazinha. 1999.
CARVALHO, O. de. “Leitura do texto ‘A filosofia e a visão comum do mundo’, de Oswaldo Porchat Pereira”. Seminário de Filosofia. Rio de Janeiro, 06 de junho de 2001.
CARVALHO, O. de. O Imbecil Coletivo I. São Paulo: É Realizações, 2006.
CARVALHO, O. de. O futuro do pensamento brasileiro. São Paulo: É Realizações, 2007.
CARVALHO, O. de. A filosofia e seu inverso, e outros ensaios. Campinas: Vide Editorial, 2012.
CARVALHO, O. de. O dever de insultar. Campinas: Vide Editorial, 2016.
CARVALHO, O. de. O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota. 34. ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2018.
CARVALHO, M. et alia. Comment peut-on être philosophe...au Brésil? Disponível em: http://www.ruedescartes.org/numero_revue/2012-4philosopher-au-bresil-aujourd-hui/.
DE SOUZA, J. C. A Filosofia entre nós. Ijuí: Editora Unijui, 2006.
FAUSTO, R. Caminhos da esquerda. Elementos para uma reconstrução. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
FLUSSER, V. Fenomenologia do brasileiro. Rio de Janeiro: Eduerj, 1998.
GOMEZ, R. Crítica da razão tupiniquim. 13. ed. Criar, 2001.
HEIDEGGER, M. Introdução à filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2009.
LOPARIC, Z. Heidegger réu. Um ensaio sobre a periculosidade da filosofia. Campinas: Papirus, 1990.
MARGUTTI, P. História da filosofia no Brasil. 1a Parte. O período colonial (1500 – 1822). São Paulo: Loyola, 2013.
ORTEGA Y GASSET, J. A rebelião das massas. Campinas: Vide Editorial, 2016.
ORTEGA Y GASSET, J. O que é filosofia? Campinas: Vide Editorial, 2016.
PAIM, A. Liberdade acadêmica e opção totalitária. Um debate memorável. São Paulo: Artenova, 1979.
PÉREZ, D. “Quão obscurantista é o emplasto filosófico de Olavo de Carvalho?”. Le Monde Diplomatique, fevereiro 2019.
PIRIE, M. Como vencer todas as argumentações. São Paulo: Loyola, 2008.
PONTIN, F. “As paixões reprimidas de uma massa, o academicismo e a emergência da extrema direita. Entrevista especial com Fabrício Pontin”. Revista do Instituto Humanitas – Unisinos, dezembro, 2018.
SARTRE, J.-P. Esboço para uma teoria das emoções. São Paulo: L & PM Pockets, 2006.
SARTRE, J.-P. O Ser e o Nada. Ensaio de Ontologia Fenomenológica. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.
SARTRE, J.-P. Crítica de la Razón Dialéctica. 2. ed. Buenos Aires: Editorial Losada, 1970.
SCHOPENHAUER, A. Parerga y Paralipómena. Madrid: Valdemar, 2009.
Published
2020-12-11