AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA DRAGAGEM SOBRE ASSOCIAÇÃO FITOPLANCTÔNICA DO PORTO DE ARATU, BAÍA DE TODOS OS SANTOS, BAHIA

  • Aline Nogueira Ferreira Universidade Federal da Bahia
  • Magda Beretta Universidade Federal da Bahia
  • Paulo de Oliveira Mafalda Júnior Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: composição fitoplanctônica, fator oceanográfico, índice ecológico, porto de aratu

Resumo

Na área de influência da dragagem de aprofundamento do Porto de Aratu, na Baía de Todos os Santos, o padrão da estrutura da associação fitoplanctônica (composição, riqueza, abundância relativa, freqüência de ocorrência e densidade), estrutura oceanográfica (temperatura e salinidade), nutricional (fósforo e nitrogênio), qualidade da massa de água (pH e oxigênio dissolvido) e metais pesados (cobre, cromo, cádmio, ferro, níquel, manganês e zinco), foram empregados visando uma interpretação comparativa dos efeitos desta dragagem, cujos resultados serão utilizados para avaliar a recuperação ambiental do ecossistema pelágico. Foram realizadas duas campanhas: fevereiro (final do período seco) e setembro (final do período chuvoso), maré vazante e enchente. Identificadas 50 espécies, antes do processo de dragagem e 40 espécies durante a dragagem, sendo as Bacillariophyta representantes com maior abundância relativa e riqueza em relação aos demais grupos de microalgas. Este estudo indicou diminuição da riqueza específica e elevação da densidade na fase de dragagem. A composição da associação fitoplanctônica refletiu variabilidade temporal observada nas características oceanográficas da massa de água provocada pelo gradiente pluviométrico e na qualidade da água provavelmente em função da atividade de dragagem, havendo uma clara separação entre a fase de Dragagem (período seco) e de Pré-dragagem (período chuvoso).

Biografia do Autor

Aline Nogueira Ferreira, Universidade Federal da Bahia
Mestranda em Geoquímica do Petróleo e Meio Ambiente, Instituto de Geociências
Magda Beretta, Universidade Federal da Bahia
Professora da Escola Politécnica. Departamento de Engenharia Ambiental
Paulo de Oliveira Mafalda Júnior, Universidade Federal da Bahia
Professor do Instituto de Biologia
Publicado
2012-06-01
Seção
Artigos originais