A PESCA ARTESANAL COM ESPINHEL DE FUNDO NA PLATAFORMA CONTINENTAL AMAZÔNICA

  • Jeanderson da Silva Viana Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rosália Furtado Cutrim Souza Universidade Federal Rural da Amazônia

Resumo

O espinhel é uma arte de pesca passiva que proporciona pouco impacto sobre o fundo oceânico. A pesca com espinhel de fundo na costa amazônica foi caracterizada, no que diz respeito à embarcação utilizada, faina, esforço de pesca e as espécies capturadas. As coletas de dados foram realizadas in loco na embarcação de espinhel da frota artesanal de Bragança-PA, durante 15 lances, distribuídos em três áreas de pesca. A embarcação é considerada de pequeno porte, possui equipamentos necessários para navegação e estruturas específicas para o desenvolvimento das tarefas a bordo. As iscas são obtidas por meio de permuta com embarcações de médio porte. Durante o lançamento e recolhimento de espinhel, 2.600 anzóis são iscados em média por lance. As capturas realizadas na plataforma.continental amazônica possuem alta diversidade de peixes, tendo os bagres e os tubarões apresentando os maiores índices de abundância. Mais da metade dos tubarões capturados com espinhel de fundo eram adultos, sugerindo um alto poder de seletividade desse apetrecho e indicando uma potencialidade de uma pesca mais sustentável.

Palavras-chave: pescadores, anzol, isca, bagres, tubarões, pesca sustentável.

Biografia do Autor

Jeanderson da Silva Viana, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestrando em Aquicultura na Pós - graduação em Aquicultura (PPG-AQUI), Centro de Ciências Agrárias (CCA), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

 

Rosália Furtado Cutrim Souza, Universidade Federal Rural da Amazônia

Professora adjunta IV e Doutoranda em Ciência Animal (UFPA) , Instituto Socioambiental e dos Recursos Hídricos (ISARH), Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)

Referências

Alencar, C. A. G., Santana, J. V. M., & Oliveira, G. G. Descrição da pesca de tubarões com espinhel de fundo na região norte do Brasil, durante 1996 e 1997. Arquivos de Ciências do Mar, v. 34, n. 1-2, p. 143-149, 2001.

Ávila-da-Silva, A. O.; Bastos, G. C. C. & Tutui, S. L. S. A atividade pesqueira do Estado de São Paulo: Análise das capturas do biênio 1998- 1999 com espinhel-de-fundo. B. Inst. Pesca, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 33-38, 2001.

Bjordal, A. & Løkkeborg, S. Longlining. Fishing News Books, 156p., Oxford, 1996.

Brasil. Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009. Dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca. Diário Oficial da União, Brasília, DF, v. 1, 30 jun. 2009. Seção II, p.5.

Carvalho-Filho, A. Peixes: Costa Brasileira. Edição Marca D’água, São Paulo, 320p. 1999.

Compagno, L. J. V. Sharks of the world. An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date, Part 2, Carcharhiniformes. FAO sp. cat., v.4, n. 2, p. 251-655, 1984.

Cunha, I. B. S.; Sawaya, A. C. H. F. I.; Caetano, F. M.; Shimizu, M. T.; Marcucci, M. C.; Drezza, F. T.; Povia, I. G. S. & Carvalho, P. O. Factors that influence the yield and composition of Brazilian propolis extracts. J. Braz. Chem. Soc. 2004, vol. 15, n. 6, p. 964-970, 2004.

Fao - Food and Agriculture Organization of the United Nations. Monitoring on fish stock abundance: The use of catch and effort data. FAO Fisheries Technical Paper, Rome, 101p., 1976.

Fao - Food and Agriculture Organization of the United Nations. Guia Prático do Pescador. EDITAMAR, Edições Marítimas. Lisboa,195 p., 1990.

Furtado, L. G. Pesqueiros reais e pontos de pesca: Traços da territorialidade haliêutica ou pesqueira amazônica. B. do Mus. Paraense Emílio Goeldi, v. 18, n. 1, 24p., 2002.

Haimovici, M.; Ávila-da-Silva; A. O.; Tutuí, S. L. L.; Bastos, G. C. C; Santos, R. A. & Fischer, l. G. Prospecção pesqueira de espécies demersais com espinhel-de-fundo na região Sudeste-Sul do Brasil., Série Relatórios REVIZEE-Score Sul Inst. Ocean., p. 11-78, 2004.

Holden, M. J. Problems in the rational exploitation of elasmobranch populations and some suggested solutions, in Harden-Jones, F. R. (eds.), Sea Fisheries Research, John Wiley and Sons, p. 117- 137, New York, 1974.

Isaac, V. J. I.; Roberto, V.; Espírito Santo, S. & José, l. N. A. estatística pesqueira no litoral do Pará: resultados divergentes. Panam J. Aquat. Sci., v. 3, n. 3, p. 205-213, 2008.

Lima, V. A. V. Embarcações e artes de pesca utilizadas nos municípios de Calçoene e Oiapoque, no Estado do Amapá, Brasil. Monografia, Curso de Engenharia de Pesca, Universidade do Estado do Amapá, 51p., Amapá, 2011.

Lira, M. G. Pesca de atuns e afins no Oceano Atlântico: interações oceanográficas, implicações socioeconômicas e tecnológicas. Dissertação de Mestrado (Programa Regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 80p., Natal, 2016.

Medeiros, R. S & Santos, J. O. Relatório anual da pesca no Estado do Amapá. Estatpesca 2006 e parcial de 2007, Macapá, p. 3 – 44, 2007.

Mendes, F. L. S.; Barthem, R. B.; Hábitos alimentares de bagres marinhos (siluriformes: ariidae) do estuário amazônico. Amazônia: Ci. & Desenv., v. 5, n. 10, 2010.

Morais, L. C. Biologia de elasmobrânquios da costa Norte do Brasil. Monografia (Graduação em Oceanografia), Universidade Federal do Pará, 57p., Belém, 2004.

Monteiro, S.M.; El-Robrini, M.; Alves, I. C. C. Dinâmica sazonal de nutrientes em estuário amazônico. Mercator, v. 14, n. 1, p. 151-162, 2015.

Mytilineou, C.; Smith, C. J.; Anastasopoulou, A.; Papadopoulou, K. N.; Christidis, G.; Bekas, P. & Dokos, J. New cold-water coral occurrences in the Eastern Ionian Sea: Results from experimental long line fishing. Deep Sea Res. Part II: Top. Stud. in Ocean., v. 99, n. 1, p. 146-157, 2014.

Nogueira, M. M. A pesca artesanal e as tartarugas marinhas no litoral paraibano: aspectos etnozoológicos e conservacionistas. Dissertação de Mestrado (Programa Regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal da Paraíba, 74p., 2015.

Oliveira, D. M., & Frédou, F. L. Caracterização e dinâmica espaço-temporal da atividade pesqueira na Baía de Marajó–Estuário Amazônico. Arquivos de Ciências do Mar, v. 44, n. 3., p. 40-53, 2011.

Palma, J. J. C. Geomorfologia da plataforma continental Norte brasileira. Série Projeto Remac, v.7, n. 1, p. 25-51, 1979.

Peres, M. B. & Haimovic, M. A pesca dirigida ao cherne – poveiro Polyprion americans no sul do Brasil. Atlântico, v. 20, n. 1, p. 141-161, 1998.

Silva, A. C.; Araújo, M. & Bourles, B. Variação sazonal da estrutura de massas de água na plataforma continental do Amazonas e área oceânica adjacente. Rev. Bras. Geof. São Paulo, v. 23, n. 2, p. 145-157, 2005.

Siqueira, G. W., Pereira, S. F. P. & Aprile, F. M. Determinação dos elementos-traço (Zn, Co e Ni) em sedimentos da Plataforma Continental Amazônica sob influência da descarga do rio Amazonas. Acta Amaz., v. 36, n. 1.: 321 – 326, 2006.

Sparre, P. & Venema, S. C. Introduction to tropical fish stock assessment. FAO Fish. Tec. Pap., Rome, v. 1, p.1-376, 1992.

Tutuí, S. L. S. Comentários sobre a variação do coeficiente de capturabilidade em pescarias de espinhel de anzóis, Bol. do Inst. de Pesca, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 203–210, 2000.

Publicado
2019-10-23
Seção
Artigos originais