TUBARÕES E RAIAS COMO CAPTURA INCIDENTAL NA PESCA ARTESANAL DO LITORAL DO PARANÁ: CONDIÇÃO REPRODUTIVA E VARIAÇÕES SAZONAIS EM COMPOSIÇÃO E ABUNDÂNCIA

  • Paulo de Tarso da Cunha Chaves Universidade Federal do Paraná
  • Maurício Pinto de Almeida
  • Matheus Platner

Resumo

Monitoraram-se os desembarques de elasmobrânquios no litoral do Paraná nos anos 2009 e 2010. Descrevem-se atributos de frota e petrechos empregados. As espécies foram caracterizadas quanto ao tamanho dos indivíduos e à condição reprodutiva. Acessaram-se 4.941 indivíduos, 51% tubarões e 49% raias. Foram desembarcados inteiros 82% dos indivíduos, 3,68 t de tubarões e 2,35 t de raias. Identificaram-se 14 espécies de tubarões, peso médio de 1,46 kg (0,067-16,0 kg; DP = 3,83), predominando em número Rhizoprionodon lalandii e Sphyrna zygaena. Os tubarões foram mais capturados na primavera/verão, com maior frequência de neonatos ou imaturos. Registraram-se 12 espécies de raias, peso médio de 0,971 kg (0,394-10,0 kg; DP = 2,80), predominando em número Zapteryx brevirostris e Pseudobatos percellens. As raias foram mais capturadas no outono, em pescarias dirigidas a camarões e pequenos teleósteos, com maior frequência de imaturas ou maduras. Onze das 26 espécies são classificadas como vulneráveis, em perigo ou criticamente ameaçadas. Para fins de conservação, recomendam-se ações educativas pró-descarte de: animais vivos – neonatos em geral, Narcine brasiliensis no arrasto camaroeiro, e jovens e adultos de espécies com captura proibida; e priorização à proteção de Carcharias taurus, P. percellens acompanhante da pesca de linguado, e jovens de Squatina sp., cujos adultos são alvo em redes de emalhe.

Palavras-chave: reprodução, neonatos, arrasto, captura incidental, Rhizoprionodon lalandii, Sphyrna zygaena, Zapteryx brevirostris.

Biografia do Autor

Paulo de Tarso da Cunha Chaves, Universidade Federal do Paraná

Oceanólogo, doutorado em Oceanografia Biológica, docente da Universidade Federal do Paraná.

Maurício Pinto de Almeida
Doutor em Zoologia pela UFPA.
Matheus Platner
Estudante de Biologia da UFPR.

Referências

Aguiar, A.A. Proposta de uma nova chave de identificação para os Myliobatiformes sensu Compagno, 1999 (Chondrichthyes: Elasmobranchii: Myliobatiformes) do Brasil. Monografia de Bacharelado, Ciências Biológicas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 56 p., Rio de Janeiro, 1999.

Barausse, V.; Curkovic A.; Finotto L.; Riginellan E.; Visentin, E. & Mazzoldi, C. The role of fisheries and the environment in driving the decline of elasmobranchs in the northern Adriatic Sea. ICES J. Mar. Sci., v. 71, n. 7, p. 1593-1603. 2014.

Baum J.K. & Myers, R.A. Shifting baselines and the decline of pelagic sharks in the Gulf of Mexico. Department of Biology, Dalhousie University, Ecology Letters 7, p. 135-145, 2004.

Bornatowski, H. & Abilhoa, V. Tubarões e raias capturados pela pesca artesanal no Paraná: Guia de Identificação. Hori Cadernos Técnicos, 124p., Curitiba, 2012.

Bornatowski, H.; Abilhoa, V. & Charvet-Almeida, P. Elasmobranchs of the Paraná Coast, southern Brazil, south-western Atlantic. Mar Biodivers Rec, v. 2, doi.org/10.1017/S1755267209990868, 2009.

Camhi, M.; Fowler, S.; Musick, J.; Bräutigam & Fordjam, S. Sharks and Their relatives: ecology and conservation. Occasional Paper of the IUCN Species Survival Commission, n. 20, Oxford, p. 1-39, 1998.

Casey, J.M. & Myers, R.A. Near extinction of a large, widely distributed fish. Science, v.281, p.690-691, 1998.

Castro, J.L. Sharks of the North American Waters. Texas A & M University Press, 180 p., 1983.

Compagno, L.J.V. FAO species catalogue, Vol.4, sharks of the world. An annotated and illustrated catalogue of shark species know to date. Part 2, Carcharhiniformes. FAO Fish. Synop. 125(4/2): p. 251:655, Roma, 1984.

Compagno, L.J.V. Checklist of living Chondrichthyes, p. 503-548, in Hamlett, W.C. (ed.), Reproductive biology and phylogeny of chondrichthyes: sharks, batoids and chimaeras. Enfield, Science Publishers, Inc., 2005.

Costa, L. & Chaves, P.T.C. Elasmobrânquios capturados pela pesca artesanal na costa sul do Paraná e norte de Santa Catarina, Brasil. Biota Neotrop v. 6, n. 3, bn02706032006, 2006.

Dias Neto, J. Proposta de plano de gestão para o uso sustentável de elasmobrânquios sobre-explotados ou ameaçados de sobre-explotação no Brasil. MMA, 154 p., Brasília, 2011.

Figueiredo, J.L. Manual de Peixes Marinhos do Sudeste do Brasil. Vol. 1, Introdução. Cações, raias e quimeras, Universidade de São Paulo, 104 p., São Paulo, 1977.

Gadig, O.B. Tubarões da costa brasileira. Tese de doutorado, Ciências Biológicas – Zoologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 291p., Rio Claro, 2001.

Hoenig, J.M. & Gruber, S.H. Life-history patterns in the elasmobranches: implications for fisheries management, p.1-16, in Pratt, H.L.; Gruber, S.H. & Taniuchi, T. (eds.), Elasmobranch as living resources: advances in biology, ecology and systematics, and the status of fisheries. NOAA Tecnichal Report NMFS 90, 1990.

Hubbs, C.L. & ISHIYAMA, R. Methods for the taxonomic studies and description of skates (Rajidae). Copeia, v. 1968, n. 3, p. 483-491, 1968.

Lessa, R.; Santana, F.M.; Rincon, G.; Gadig, O.B.F. & El-Deir, A.C.A. Biodiversidade de Elasmobrânquios no Brasil, p. 303-307, in: Biodiversidade Brasileira, MMA, 404p. Brasília, 2002.

Lessa R.; Batista V.S. & Santana F.M. Close to extinction? The collapse of the endemic daggernose shark (Isogomphodon oxyrhynchus) off Brazil. Global Ecology and Conservation, v.7, p.70-81, 2016.

Lorenzi, L. & Borzone, C.A. Variabilidade da infauna adjacente a estruturas rochosas na plataforma rasa do litoral do Paraná, Brasil. Zoologia, Curitiba, v.26, n.4, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-46702009000400016

Luiz O.J. & Edwards, A.J. Extinctionof a shark population in the Archipelago of Saint Paul’s Rocks (equatorial Atlantic) inferred from the historical record, Biol. Cons., v. 144, n. 12, p. 2873-2881, 2011.

Martins, A.P.B.; Feitosa, L.M.; Lessa, R.P.; Almeida, Z.S.; Heupel, M.; Silva, W.M.; Tchaicka, L. & Nunes, J.L.S. Analysis of the supply chain and conservation status of sharks (Elasmobranchii: Superorder Selachimorpha) based on fisher knowledge. PLoS ONE, v.13, n.3, p.1-15, 2018.

Musick, J. A. & Bonfil, R. Elasmobranch Fisheries Managmente Techniques. IUCN, APEC and VIMS, 370 p., Singapore, 2004.

Nunes, J.L.S.; Almeida, Z.S. & Piorski, N.M. Raias capturadas pela pesca artesanal em águas rasas do Maranhão - Brasil. Arq. Ciên. Mar, Fortaleza, v. 38, p.49-54, 2005.

Robert, M.C. & Chaves, P.T.C. 2006. Dinâmica da atividade pesqueira artesanal em duas comunidades da região litorânea limítrofe Santa Catarina-Paraná, Brasil. Bol Inst Pesca, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 15-23, 2006.

Shepherd, J.G. The Availability and Information of Fisheries Data, p. 95-109, in May, R.M. (ed.), Exploitation of Marine Communities, Springer-Verlag, 366p, Berlin, 1984.

Publicado
2020-03-11
Seção
Artigos originais