DESEMPENHO DOS DIFERENTES MÉTODOS DE AMOSTRAGEM NA CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA ASSOCIADA AO MANGUEZAL DA PRAIA DE ARPOEIRAS EM ACARAÚ, CEARÁ

  • José Ivan Fonteles de Vasconcelos Filho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - campus Acaraú
  • Rafaela Camargo Maia Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - campus Acaraú
  • Rodrigo Salles Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - campus Paracuru

Resumo

Os manguezais são importantes não apenas devido à sua biodiversidade, mas também por sua importância econômica, uma vez que as comunidades que vivem em seu entorno dependem direta e indiretamente da exploração de seus recursos naturais, entre eles os peixes. Nesse contexto, o objetivo do presente trabalho foi caracterizar a ictiofauna do manguezal da praia de Arpoeiras, em Acaraú, CE, bem como testar os métodos mais adequados para amostragem nesse ambiente. Foram utilizadas diferentes artes de pesca, como anzóis, tarrafas e armadilhas (manzuá). Um total de 256 indivíduos foram capturados durante o período de amostragem, distribuídos em 12 espécies, 10 famílias, 5 ordens e 1 classe, com alta dominância para as espécies Lutjanus alexandrei (24,6%), Lutjanus jocu (24,2%), Eucinostomus argenteus (25,7%) e Diapterus auratus (8,9%). A tarrafa foi o equipamento de pesca mais eficiente devido à sua baixa seletividade em comparação com outras artes de pesca utilizadas. Análises referentes ao estágio de maturação, peso (g) e tamanho (cm) dos espécimes coletados mostraram que todos os animais eram sexualmente imaturos. Esses dados confirmam que manguezais são áreas de berçários para peixes, inclusive para espécies de interesse econômico, sendo necessárias medidas para sua conservação.
Palavras-chave: caracterização, ictiofauna, manguezal.

Referências

Alves, R.R.N. & Nishida, A.K. A ecdise do caranguejo-uçá, Ucides cordatus L. (Decapoda, Brachyura) na visão dos caranguejeiros. Interciência, Caracas, v. 27, n. 3, 2001. Disponível em: <https://bit.ly/2ykn4Sh>. Acesso em: 18 fev. 2018.

Araújo, M.E.; Teixeira, J.M. & Oliveira, A.M.E. Ictiofauna marinha do estado do Ceará, Brasil: III. Actinopterygii de estuários. Arquivos de Ciências do Mar, v. 33, n. 1-2, p. 139-142, 2000.

Barletta, M. et al. The role of salinity in structuring the fish assemblages in a tropical estuary. Journal of fish biology, Hoboken, v. 66, n. 1, 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2CJlRrv>. Acesso em: 18 jan. 2018.

Basilio, T.H. et al. Ictiofauna do estuário do rio Curu, Ceará, Brasil. Arquivos de Ciências do Mar, v. 42, n. 2, p. 81-88, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2RS7Cog>. Acesso em: 5 fev. 2019.

Benzeev, R., Hutchinson, N., & Friess, D.A. Quantifying fisheries ecosystem services of mangroves and tropical artificial urban shorelines. Hydrobiologia, v. 803, p. 225-237, 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2thn6HA>. Acesso em: 12 fev. 2019.

Brehmer, P. et al. Does coastal lagoon habitat quality affect fish growth rate and their recruitment? Insights from fishing and acoustic surveys. Estuarine, Coastal and Shelf Science, Rio de Janeiro, v. 126, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2yDvWl1>. Acesso em: 13 mar. 2018.

Carvalho-Neta, R.N.F. & Castro, A.C.L. Diversidade das assembleias de peixes estuarinos da Ilha dos Caranguejos, Maranhão. Arquivos de Ciências do Mar, v. 41, n. 1, p. 48-57, 2008. Disponível em: <https://bit.ly/2SP5xwO>. Acesso em: 9 fev. 2019.

Catella, A.C. Aspectos ecológicos e culturais da pescaria de anzol. Embrapa Pantanal-Artigo de divulgação na mídia (INFOTECA-E), Corumbá, n. 108, p. 1-4, 2007. Disponível em: <https://bit.ly/2KibpqY>. Acesso em: 6 fev. 2019.

Cattani, A.P. et al. Avaliação de dispositivos para redução da ictiofauna acompanhante na pesca de arrasto dirigida ao camarão sete-barbas. Boletim do Instituto de Pesca, v. 38, n. 4, p. 333-348, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2RXaL5a>. Acesso em: 7 fev. 2019.

Chaves, P.T. & Vendel, A.L. Análise comparativa da alimentação de peixes (Teleostei) entre ambientes de marisma e de manguezal num estuário do sul do Brasil (Baía de Guaratuba, Paraná). Revista brasileira de Zoologia, Curitiba, v. 25, n. 1, 2008. Disponível em: ˂https://bit.ly/2CKVykK˃. Acesso em: 22 fev. 2018.

Chaves, P.T.C. & Serenato, A. Diversidade de dietas na assembléia de linguados (Teleostei, Pleuronectiformes) do manguezal da Baía de Guaratuba, Paraná, Brasil. Revista brasileira de oceanografia, São Paulo, v.46, n. 1, 1998. Disponível em: ˂https://bit.ly/2OsXSTu˃. Acesso em: 24 mar. 2018.

Duarte, C.; DEUS, C.P. & Py-Daniel, L.R. Comparação da eficiência de dois apetrechos de coleta de peixes em praias no baixo rio Purus, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, v. 43, n. 3, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2E9BNT4>. Acesso em: 7 fev. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/2GEqt37>. Acesso em: 4 fev. 2019.

Duke, N. C. Mangrove Floristics and Biogeography Revisited: Further Deductions

Fonseca, A.F. & Souza, R.A.L. Caracterização ecológica de algumas espécies da fauna acompanhante do camarão capturado com puçá de arrasto na zona estuarina do Rio Taperaçu. Tropical Journal of Fisheries and Aquatic Sciences, Bragança-PA, v. 6, n. 1, p. 33-47, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2TRE9M8>. Acesso em: 7 fev. 2019.

Fonteles-Filho, A.A. Oceanografia, biologia e dinâmica populacional de recursos pesqueiros. Universidade Federal do Ceará, 236 p., Fortaleza, 2011.

FUNCEME. Calendário das chuvas no estado do Ceará. Ceará, 2017. Disponível em: ˂https://bit.ly/2pVr3A8˃. Acesso em: 19 fev. 2018.

Giglio, V.J. & Freitas, M.O. Caracterização da pesca artesanal com rede de camboa na Reserva Extrativista do Cassurubá, Bahia. Biotemas, Florianópolis, v. 26, n. 2, 2013. Disponível em: ˂https://bit.ly/2AbD7CZ˃. Acesso em: 12 fev. 2018.

Grande, H. et al. Diversity of settlement‐stage reef fishes captured by light‐trap in a tropical south‐west Atlantic Ocean coastal reef system. Journal of fish biology, 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2tjHFTw>. Acesso em: 8 fev. 2019.

Hamley, J.l.M. Review of gillnet selectivity. Journal Fish Research Board Canadá, Toronto, v. 32, n. 11, 1975. Disponível em: <https://bit.ly/2MX9h9W>. Acesso em: 26 fev. 2018.

IBGE. Censo Demográfico 2010 – Características Gerais da População. Resultados da Amostra. IBGE, 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2DmtAul>. Acesso em: 15 jan. 2019.

Ignácio, J. M. & Spach, H.L. Variação entre o dia e a noite nas características da ictiofauna do infralitoral raso do Maciel, Baía de Paranaguá, Paraná. Revista brasileira de Zoociências, v. 11, n. 1, p. 25-37, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2thsElo>. Acesso em: 7 fev. 2019.

Lee, S.Y. et al. Ecological role and services of tropical mangrove ecosystems: a reassessment. Global Ecology and Biogeography,Australian, v. 23, p. 726-743, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2SuaagD>. Acesso em: 4 fev. 2019.

Lira, A.K.F. & Teixeira, S.F. Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco. Iheringia, Sér. Zool, v. 98, n. 4, p. 475-480, 2008. Disponível em: <https://bit.ly/2GEo3S8>. Acesso em: 7 fev. 2019.

Maia, R.C. Manguezais do Ceará. Imprima, 55 p., Recife, 2016.

Manson, F.J. et al. An evaluation of the evidence for linkages between mangroves and fisheries: a synthesis of the literature and identification of research directions. Oceanography and marine biology, Londres, v. 43, 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2In9cJ8>. Acesso em: 20 jan. 2018.

Masih-Neto et al. Biodiversidade da ictiofauna nos currais de pesca no litoral de Acaraú, Ceará, Brasil. Arquivos de Ciências do Mar, Fortaleza, v. 50, n. 2, 2017. Disponível em: ˂https://bit.ly/2OsYI2A˃. Acesso em: 27 mai. 2018.

Mattos, P.P. et al. Etnoconhecimento e percepção dos povos pesqueiros da Reserva Ponta do Tubarão acerca do ecossistema manguezal. Revista Brasileira de Biociências, v. 10, n. 4, p. 481, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2N58eVL>. Acesso em: 4 fev. 2019.

Moraes, L.E. et al. Ictiofauna demersal da plataforma continental interna ao largo de Ilhéus, Bahia, Brasil. Biota Neotropica, v. 9, n. 4, p. 163, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2SMawym>. Acesso em: 4 fev. 2019.

Moraes, R.L.G.D., 2012. Pesca, parasitismo e dieta alimentar da baúna Lutjanus alexandrei Moura & Lindeman, 2007 nos ambientes costeiros do litoral sul de Pernambuco. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco. 1p., Recife, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2DmwBv1>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Neves, L.M. et al. Uso do manguezal de Guaratiba, Baía de Sepetiba, Rio de Janeiro, pelo peixe-rei Atherinella brasiliensis (Quoy & Gaimard) (Atheriniformes, Atherinopsidae). Revista brasileira de Zoologia, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, 2006. Disponível em: <https://bit.ly/2MnSDPE>. Acesso em: 24 jan. 2018.

Oliveira-Silva, J.T.; Peso-Aguiar, M.C. & Lopes, P.R.D. Ictiofauna das praias de Cabuçu e Berlinque: uma contribuição ao conhecimento das comunidades de peixes na Baía de Todos os Santos-Bahia-Brasil. Biotemas, v. 21, n. 4, p. 105-115, 2008. Disponível em: <https://bit.ly/2SJLW16>. Acesso em: 8 fev. 2019.

Osório, F.M.; Godinho, W.O. & Lotufo, T.M.C. (2011). Ictiofauna associada às raízes de mangue do estuário do Rio Pacoti-CE, Brasil. Biota Neotropica, Campinas, v. 11, n. 1, 2011. Disponível em: ˂https://bit.ly/2QOSCGs˃. Acesso em: 21 fev. 2018.

Paiva, A.C.G., 2009. Ecologia de peixes estuarinos-recifais e caracterização ambiental dos estuários de Pernambuco. 2009. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, 107 p., Recife, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2S2KXIO>. Acesso em: 17 jan. 2019.

Paiva, A.C.G.; Chaves, P.T.C. & Araújo, M.E. Estrutura e organização trófica da ictiofauna de águas rasas em um estuário tropical. Revista brasileira de Zoologia, v. 25, n. 4, p. 647-661, 2008. Disponível em: <https://bit.ly/2Gqjk74>. Acesso em: 5 fev. 2019.

Pereira, J.A. & Pessanha, A.L.M. Ecologia trófica de Diapterus auratus Ranzani, 1840 (perciformes: gerreidae), em um estuário tropical semiárido do nordeste brasileiro, in Anais do II Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido, Paraíba, 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2Do3KpY>. Acesso em: 15 jan. 2019.

Pichler, H.A. et al. Influência do artefato de pesca na caracterização da ictiofauna em planícies de maré. Cadernos da Escola de Saúde, v. 1, n. 1, 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2Suitsw>. Acesso em: 4 fev. 2019.

Pinheiro, M.S.S. & Goitein, R. Estrutura de uma população e aspectos biológicos de Mugil curema valenciennes, 1836 (Pisces, Mugilidae), em um manguezal da Raposa, Brasil. Revista de Ciências da Saúde, São Luiz, v. 16, n. 2, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2KnCXOM>. Acesso em: 27 jan. 2018.

Pinheiro, W.M. & Farias, A.C.S. composição específica, bioecologia e ecomorfologia da ictiofauna marinha oriunda da pesca de pequena escala. Bol. Inst. Pesca, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 181-194, 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2E8mJoI>. Acesso em: 9 fev. 2019.

Portella, G.G.D. & Medeiros, R.P. Modificações estruturais nas redes de arrasto de camarão: percepção dos pescadores e implicações para a gestão em uma área marinha protegida. Bol. Inst. Pesca, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 1-16, 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2WTuBls>. Acesso em: 8 fev. 2019.

Possamai, B.; Rosa, L. & Corrêa, M.F.M. Seletividade de armadilhas e atrativos na captura de pequenos peixes e crustáceos em ambientes estuarinos. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, v. 18, n. 2, p. 11-17, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2N8xSck>. Acesso em: 7 fev. 2019.

Rezende, C.E. et al. An economic valuation of mangrove restoration in Brazil. Ecological Economics, v. 120, p. 296–302, 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2SPXFeC>. Acesso em: 3 fev. 2019.

Ribeiro, O.M. & Zuanon, J. Comparação da eficiência de dois métodos de coleta de peixes em igarapés de terra firme da Amazônia Central. Acta Amazonica, v. 36, n. 3, p. 389-394, 2006. Disponível em: <https://bit.ly/2RGMDsc>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Rocha, S.S. Diferença entre dois métodos de coleta utilizados na captura de crustáceos decápodes em um rio da Estação Ecológica Juréia-Itatins, São Paulo. Iheringia, Sér. Zool, v. 100, n. 2, p. 116-122, 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2SH6Td9>. Acesso em: 6 fev. 2019.

Sanches, E.G. & Sebastiani, E.F. Atratores e tempo de submersão na pesca artesanal com armadilhas. Biotemas, V. 22, n. 4, p. 199-206, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2SyFJ90>. Acesso em: 11 fev. 2019.

Santos, C. et al. A ictiofauna em duas planícies de maré do setor euhalino da Baía de Paranaguá, PR. Instituto de Pesca, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 40-60, 2002. Disponível em: <https://bit.ly/2Id4hzo>. Acesso em: 7 fev. 2019.

Santos, N.M. & Lana, P. Present and past uses of mangrove wood in the subtropical Bay of Paranaguá (Paraná, Brazil). Ocean & Coastal Management, Amsterdam, v. 148, 2017. Disponível em: ˂https://bit.ly/2tZE90D˃. Acesso em: 21 mar. 2018.

Sheridan, P. & Hays, C. Are mangroves nursery habitat for transient fishes and decapods? Wetlands, Madison, v. 23, n. 2, 2003. Disponível em: <https://bit.ly/2tyJnAp>. Acesso em: 25 fev. 2018.

Silva-Júnior, M.G. et al. Caracterização da ictiofauna em três canais de maré do estuário do Rio Paciência, ilha de São Luís, Estado do Maranhão. Arquivos de Ciências do Mar, v. 46, n. 1, p. 5-21, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2GGEqxn>. Acesso em: 5 fev. 2019.

Souza, C.A. et al. 2018. Biodiversidade e conservação dos manguezais: importância bioecológica e econômica, p. 16-56. In: Pinheiro, M.A.A. & Talamoni, A.C.B. (Org.). Educação Ambiental sobre Manguezais. Unesp, 165 p., São Vicente, 2018.

Teixeira, T.P. et al. Diversidade das assembléias de peixes nas quatro unidades geográficas do rio Paraíba do Sul. Iheringia. Série Zoologia, Porto Alegre, v. 95, n. 4, 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2OpgLql>. Acesso em: 8 mai. 2018.

Thiers, P.R.L; Meireles, A.J.A. & Santos, J.O. Manguezais na costa oeste cearense - preservação permeada de meias verdades. Editora Imprensa Universitária, Fortaleza, p. 126, 2016.

Tomlinson, P.B. The botany of mangroves. 2. Ed., 418 p., University Press Cambridge, 2016.

Torres, C.M. et al. Caracterização da pesca de tainhas no município de porto de Pedras. Revista Brasileira de Engenharia de Pesca, v. 2, n. 3, p. 6-17, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2TOi2pw>. Acesso em: 8 fev. 2019.

Tran, L.X. & Fischer, A. Spatiotemporal changes and fragmentation of mangroves and its effects on fish diversity in Ca Mau Province (Vietnam). Journal of Coastal Conservation, v. 21, p. 355-368, 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2GGp8c2>. Acesso em: 2 fev. 2019.

Vazzoler, A.E.A.M. Biologia da reprodução de peixes teleósteos: teoria e prática. Eduem, 191 p., São Paulo, 1996.

Xavier, J.H.A. et al. Fish assemblage of the Mamanguape Environmental Protection Area, NE Brazil: abundance, composition and microhabitat availability along the mangrove-reef gradient. Neotropical Ichthyology, v. 10, n. 1, p. 109-122, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2USNWkY>. Acesso em: 6 fev. 2019.

Publicado
2019-10-23
Seção
Artigos originais