IMPLICAÇÕES ETNOCONSERVACIONISTAS QUANTO AO MANEJO INFORMAL DO MARISCO Anomalocardia flexuosa (LINNAEUS, 1767) POR MARISQUEIRAS

  • Ivo Raposo Gonçalves Cidreira-Neto Universidade Federal de Pernambuco
  • Gilberto Gonçalves Rodrigues Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

A mariscagem pode ser compreendida como a pesca artesanal de moluscos, onde o seu manejo pode ser realizado de forma manual ou com o auxílio de apetrechos de pesca, sendo.o principal para a região Nordeste a exploração e comercialização do marisco (Anomalocardia flexuosa). O objetivo deste trabalho foi analisar a prática do manejo informal do marisco, coletado manualmente por marisqueiras no litoral nordeste do Brasil. O local de estudo foi a.Reserva Extrativista Acaú-Goiana, situada entre os estados de Pernambuco e Paraíba. A pesquisa foi realizada durante os anos de 2017 e 2018, constando com imersões e visitas aleatórias.nas comunidades de Acaú e Carne de Vaca, usando como base a observação participante. A partir da separação em tamanhos miúdos e graúdos, adotados pelas marisqueiras,.foram realizadas medições para a altura, comprimento e largura das conchas. Ao todo foram.acompanhadas a catação e separação dos mariscos por 11 marisqueiras, totalizando 1.793 mariscos, sendo 685 miúdos (desprezados) e 1.108 graúdos. O tamanho de intersecção entre.catar ou rejeitar o marisco ocorre com os tamanhos de 18 a 20 mm para o comprimento total, o que é sustentável do ponto de vista biológico. Essa ação resulta na diminuição do processo de sobrepesca, pois os mariscos catados já estão sexualmente adultos, ou seja, já passaram pelo processo de reprodução, e os desprezados podem se reproduzir.
Palavras-chave: unidade de conservação, comunidade pesqueira, conservação, pesca artesanal.

Biografia do Autor

Ivo Raposo Gonçalves Cidreira-Neto, Universidade Federal de Pernambuco
Graduado em Ciências Biológicas com ênfase em Ciências Ambientas (UFPE). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA -  UFPE). Doutorando e,m Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA - UFPE).
Gilberto Gonçalves Rodrigues, Universidade Federal de Pernambuco
Professor do Departamento de Zoologia - UFPE

Referências

BANDEIRA, F. O.; CAMARGO, M.; RAMOS, J. A. A.; ESTUPINAN, R.; SANTOS, A. P. S. Parâmetros biométricos de Anomalocardia flexuosa (Linnaeus, 1767) – Bivalvia – Veneridae no estuário do Rio Paraíba – PB. Gaia Scientia, v.11, n.2, p.242-249, 2017.

BARBOSA, J. A. A.; AGUIAR, J. O. Etnoconservação e história ambiental para um novo modelo conservacionista do século XXI. Novos Cadernos NAEA, v.21, n.1, p.243-255, 2018.

BARREIRA, C. A. R.; ARAÚJO, M. L. R. Ciclo reprodutivo de Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) (Mollusca, Bivalvia, Veneridae) na praia do canto da barra, Fortim, Ceará, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, v.31, n.1, p.9-20, 2005.

BERKES, F. Sacred ecology: traditional ecological knowledge and management systems. Taylor & Francis, 1999.

BEZERRIL, G. Trabalho no mangue: os saberes e a busca por valorização das marisqueiras de Fortim – Ceará. Cadernos do LEME, v.4, n.1, p.5-33, 2012.

CAETANO, H. S. Da ocupação do território: práticas e interações entre marisqueiras no ambiente pesqueiro. Revista de Gestão e Sustentabilidade Ambiental, v.3, n.2, p.204-222, 2015.

CIDREIRA-NETO, I. R. G.; NASCIMENTO, D. M.; MORAES, P. X.; RODRIGUES, G. G. Análise biométrica de Anomalocardia flexuosa em Área de Proteção Ambiental. Journal Environmental Analysis and Progress, v.3, n.2, p.191-199, 2018.

DIAS, T. L. P.; ROSA, R. S.; DAMASCENO, L. C. P. Aspectos socioeconômicos, percepção ambiental e perspectivas das mulheres marisqueiras da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Ponta do Tubarão (Rio Grande do Norte, Brasil). Gaia Scientia, v.1, n.1, p.25-35, 2007.

DIEGUES, A. C. S. Pescadores, Camponeses e Trabalhadores do Mar. São Paulo: Ática, 1983.

DIEGUES, A. C. Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. 2000.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. Editora Atlas: 2008.

LIMA, M.E.A.; SELVA, V.S.F.; RODRIGUES, G.G. Gestão participativa nas reservas extrativistas: a atuação do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade. Revista Brasileira de Geografia Física, v.9, n.4, p.1072-1087, 2016.

LOPÉZ-ROCHA, J.A.; MELO, F.J.F.R.; GASTÉLUM-NAVA, E.; LARIOS-CASTRO, E.; ROMO-PIÑERA, A. Morphometric relationship, growth parameters, and natural mortality as estimated primary inputs for fishery management in newfishing areas for bivalve molluscs (BIVALVIA: VENERIDAE). Journal os Shellfish Research, v.37, n.3, p.591-600, 2018.

NASCIMENTO, C.H.V.; CIDREIRA-NETO, I.R.G.; SILVA, R.P.; ASSIS, J.E.; GUSMÃO, N.B.; RODRIGUES, G.G. Caracterização morfométrica e microbiota endógena de populações do marisco Anomalocardia flexuasa Linnaeus, 1767 (Bivalvia: Veneridae). Journal Environmental Analysis and Progress, v.3, n.3, p.275-286, 2018.

NISHIDA, A. K.; NORDI, N.; ALVES, R. R. N. Abordagem etnoecológica da coleta de moluscos no litoral paraibano. Tropical Oceanography, v.32, n.1, p.53-68, 2004.

PALHETA, M. K. S.; CANETE, V. R.; CARDOSO, D. M. Mulher e mercado: participação e conhecimentos femininos na inserção de novas espécies de pescado no mercado e na dieta alimentar dos pescadores da RESEX Mãe Grande em Curuçá (PA). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v.11, n.3, p.601-619, 2016.

PEREIRA, B. E.; DIEGUES, A. C. Conhecimento de populações tradicionais como possibilidade de conservação da natureza: uma reflexão sobre a perspectiva da etnoconservação. Revista de Desenvolvimento e Meio Ambiente, n.22, p.37-50, 2010.

SILVA, M. S. F.; ALMEIDA, G. L. O uso do potencial fitogeográfico pelas comunidades tradicionais em Indiaroba-SE. REGNE, v.2, 2016.

SILVA, J.S.; MARTINS, I.X. A pesca de moluscos em ambientes intermareais no oeste do Estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Arquivos de Ciência do Mar, v.50, n.2, p.110-118, 2017.

SOUTO, F. J. B.; MARTINS, V. S. Conhecimentos etnoecológicos na mariscagem de moluscos bivalves no manguezal do distrito de Acupe, Santo Amaro – BA. Biotemas, v.22, n.4, p.207-208, 2009.

Publicado
2019-10-23
Seção
Artigos originais