HISTOLOGICAL AND HISTOCHEMICAL STUDY OF THE ANDROGENIC GLAND OF TWO MANGROVE CRABS, Ucides cordatus (CRUSTACEA: OCYPODIDAE) AND Goniopsis cruentata (CRUSTACEA: GRAPSIDAE), FROM THE CEARÁ RIVER ESTUARY, BRAZIL

  • Marcos de Miranda Leão Leite Instituto de Ciências do Mar (LABOMAR), Universidade Federal do Ceará
  • Tatiane Martins Garcia Instituto de Ciências do Mar (LABOMAR), Universidade Federal do Ceará
  • José Roberto Feitosa Silva Instituto de Ciências do Mar (LABOMAR), Universidade Federal do Ceará. Departamento de Biologia, Universidade Federal do Ceará. Laboratório de Histologia Animal
Palavras-chave: glândula androgênica, Ucides cordatus, Goniopsis cruentata, diferenciação sexual.

Resumo

A glândula androgênica tem sido mostrada como controladora da diferenciação sexual nos decápodes, deter minando a diferenciação das características primárias, secundárias e comportamentais dos machos. O objetivo deste trabalho foi realizar uma descrição histológica e histoquímica da glândula androgênica de Ucides cordatus e Goniopsis cruentata. Quarenta indivíduos de cada espécie foram coletados no estuário de Rio Ceará. Fragmentos do vaso deferente foram fi xados em mistura de Bouin por um período de 24 horas e submetidos à rotina histológica padrão. A glândula androgênica dos caranguejos estudados foi visualizada, microscopicamente, ladeando o vaso deferente, iniciando na região onde este órgão penetra na musculatura do esqueleto endofragmal. Esta glândula apresenta-se como um cordão sinuoso de células de formato irregular apoiado numa espessa camada muscular circular estriada não estando restrita à região subterminal. De modo geral, a morfologia da glândula androgênica dos caranguejos Ucides cordatus e Goniopsis cruentata é semelhante, seguindo o padrão descrito para outras espécies de Decapoda.
Publicado
2009-12-01
Seção
Artigos originais