CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE MARCUSE SOBRE AS NOVAS FORMAS DE CONTROLE E DOMINAÇÃO NAS SOCIEDADES CAPITALISTAS

  • Paulo Sérgio Gomes Soares
  • Rafael Silva Oliveira
Palavras-chave: Teoria Crítica, Racionalidade Tecnológica, Controle Social, Capitalismo, Cultura do Consumo

Resumo

A luta pela permanência e estabilidade do capital está sendo travada na esfera cultural pela exploração da subjetividade dos indivíduos e daquilo que os faz ser o que são: a consciência. A partir da análise da Teoria Crítica da Sociedade do filósofo Herbert Marcuse, o artigo apresenta um debate que gira em torno das formas de controle social emergentes nas sociedades capitalistas, que estão voltadas para dominar os indivíduos pela satisfação das necessidades superimpostas e, contraditoriamente, movimentar as engrenagens do sistema. Investiga-se em que medida a técnica e a tecnologia contribuem para instituir as novas formas de controle social a partir do conceito de racionalidade tecnológica. O objetivo é apontar as contradições da razão em meio ao ambiente tecnológico, envolvendo a relação entre indivíduo e sociedade a partir da introjeção da cultura do consumo para a administração total da vida. A luta pela existência frente ao aparato de produção e consumo que impõe um padrão de vida crescente sofre a pressão do mundo administrado por forças estranhas ao controle dos indivíduos, comprometendo a sua emancipação por eliminar a crítica e impedir o livre desenvolvimento de suas faculdades. O debate mostra que as sociedades capitalistas reprimem, precondicionam e introjetam as falsas necessidades, minando as possibilidades reais de transformação qualitativa da sociedade.

Referências

CHAUI, M. Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro. Organizador André Rocha. Belo Horizonte/MG: Autêntica; São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.
FREITAG, B. A Teoria Crítica: ontem e hoje. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.
FREUD, S. O futuro de uma ilusão; O mal-estar na civilização e outros trabalhos (1927 – 1931). Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
KELLNER, D. Introdução. Tecnologia, guerra e fascismo: Marcuse nos anos 40. In: KELLNER, D. (editor). Tecnologia, guerra e fascismo: coletânea de artigos de Herbert Marcuse. São Paulo: UNESP, 1999.
______. On Marcuse: critique, liberation, and reschooling in the radical pedagogy of Herbert Marcuse. Sobre Marcuse: crítica, libertação e reeducação na pedagogia radical de Herbert Marcuse. In.: Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia [online]. Vol.11, n°. 1, 2011, p. 23-55. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v11n1/v11n1a03.pdf. Acessado em 10/10/2018
KONDER, L. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 2006.
______. Marcuse, revolucionário. In.: Physis: Rev. saúde coletiva. 8(1). Rio de Janeiro, 1998, p. 15-28.
MAAR, W. L. Marcuse: em busca de uma ética materialista. In: MARCUSE, H. Cultura e Sociedade. Vol. I. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.
MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.
______. Eros e Civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. 6. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
______. Filosofia e Teoria Crítica. In: MARCUSE, H. Cultura e Sociedade. Vol. I. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.
______. Algumas implicações sociais da tecnologia moderna. In: KELLNER, D. (editor). Tecnologia, guerra e fascismo: coletânea de artigos de Herbert Marcuse. São Paulo: UNESP, 1999.
MUSSE. R. As raízes marxistas da Escola de Frankfurt. Conferência proferida em 14 de julho de 1997, na abertura do Curso de Extensão sobre a Escola de Frankfurt para o Curso de Direito, na Faculdade de Direito da UFPR. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com. Acessado em 11/01/16.
Publicado
2019-07-17
Seção
Dossiê O Pensamento de Herbert Marcuse