TECNOIMAGENS DA EDUCAÇÃO SEGUNDO VILÉM FLUSSER

  • Rodrigo Duarte
Palavras-chave: Pós-história, Aparelhos, Programas, Arte como embriaguez, Imagem técnica

Resumo

As reflexões de Vilém Flusser sobre a técnica apontam para o seu conceito de pós-história, o qual denota uma situação de predomínio das “tecnoimagens”, em oposição à pré-história, na qual imperam as imagens convencionais, e à história, em que a escrita é o principal código fundante na sociedade. Na pós-história impera um modelo de comunicação de massa, no qual os discursos são “anfiteatrais” e atuam no sentido de “programar” as pessoas para que se tornem “funcionários” a serviço de “aparelhos”, que agem automaticamente em total desconsideração das necessidades propriamente humanas. As tecnoimagens desempenham um papel preponderante nesse processo de programação das pessoas e podem ser exemplificadas por todas as superfícies bidimensionais como fotos, filmes, vídeos etc. As saídas para essa situação de jugo do ser humano se encontram, para Flusser, tanto na “arte enquanto embriaguez” quanto num modelo de educação que transcenda tanto a modalidade “industrial”, tendencialmente superada pelo advento da informática, quanto a própria educação que nela se baseia, mas de modo unilateral.

Referências

DUARTE, Rodrigo. Pós-história de Vilém Flusser: gênese-anatomia-desdobramentos. São Paulo, Annablume, 2012.
FLUSSER, Vilém. Briefe an Alex Bloch. Göttingen: European Photography, 2000.
_________. Fenomenologia do brasileiro: Em busca de um novo homem. Rio de Janeiro: Eduerj, 1998a.
_________. Filosofia da caixa Preta: Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: RelumeDumará, 2002.
_________. Kommnunikologie. Frankfurt amMain: FischerVerlag, 1998b.
_________. Medienkultur. Frankfurt am Main: Fischer Verlag, 1997.
_________. O universo das imagens técnicas: Elogio da superficialidade. São Paulo, Annablume, 2008.
_________. Pós-história: Vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: livraria Duas Cidades, 1983.
_________. Pós-história e educação, [Online]. Flusser Brasil, s.d.. Disponibilidade em: http://www.flusserbrasil.com/aula74.pdf acesso em: 12/05/2020.
HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução: João Paulo Monteiro; revisão de tradução: Newton Cunha. 9a edição: revista e atualizada. São Paulo: Perspectiva, 2019.
Publicado
2020-07-02
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação