O ENSINO DE FILOSOFIA EM OUTROS TERRITÓRIOS DO PENSAMENTO: CONEXÕES POSSÍVEIS

  • Mônica Sampaio da Silva
  • José Renato de Araújo Sousa
Palavras-chave: criação conceitual, geofilosofia, território, ensino de filosofia

Resumo

Ao pensar a filosofia como criação de conceitos, a partir dos processos geofilosóficos de territorialização, desterritorialização e reterritorialização, o ensino de filosofia pautado nessa perspectiva propõe um olhar crítico e aberto a possibilidades de conexões da filosofia e seu ensino com outros territórios do pensamento, visando à construção constante da prática docente como processo inerente à individuação, ao estilo de cada professor, que se constrói a partir de sua formação, perspectiva filosófica e experiências vivenciadas em sala de aula. Nesse sentido, propõe-se a pensar, partindo da perspectiva de Gilles Deleuze e Félix Guattari (2010), a seguinte problemática: É possível criar conexões entre o ensino de filosofia, enquanto território existencial, com outros territórios do pensamento? Partindo desses pensadores e de alguns de seus comentadores, tem-se o objetivo de investigar a existência da possibilidade de conexões entre a prática do professor de filosofia com outros territórios do pensamento. A metodologia adotada é de uma pesquisa bibliográfica, calcada na leitura de pensadores tais como Deleuze e Guattari (2010), Cerletti (2009), Machado (1990), entre outros. A partir do contexto vivido com a chegada da pandemia do coronavírus – Covid-19, deparamo-nos com a necessidade de reorganizar o convívio social. Nesse contexto, também se encontra o professor, que precisou reinventar sua prática docente para ceder lugar a uma nova maneira de trabalhar filosofia com os estudantes. Assim sendo, neste estudo demonstramos ser possível criar conexões entre o ensino de filosofia e outros territórios do pensamento, sendo essa uma possibilidade para que o professor possa dar novos rumos à sua práxis em sala de aula.

Referências

CERLETTI, A. O ensino de filosofia como problema filosófico. Tradução de Ingrid Müller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. (Ensino de Filosofia).

DELEUZE, G. Conversações (1972-1990). Tradução de Peter Pál Pelbart. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2013. 240p. (Coleção TRANS)

______. Crítica e Clínica. Tradução de Peter Páll Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1997.

______. Diferença e Repetição. Tradução de Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectivas/Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

______. Proust e os signos. 2. ed. Tradução de Antônio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 1995. Vol. 1.

______. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1996. Vol. 3

______. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1ª Edição - 1997. Vol. 4

______. O que é a Filosofia? 3. ed. Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 2010.

L’ABÉCÉDAIRE DE GILLES DELEUZE – versão legendada em português pela TV Escola - MEC, na série Ensino Fundamental. Entrevista publicada por Claire Parnet e Pierre-André Boutang em 1994.

MACHADO, R. Deleuze e a filosofia. Universidade Federal do Acre em 02-09-2014. Palestra. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_ttmrtL0RBA. Acesso em: 18 dez. 2019.

______. Deleuze e a filosofia. Rio de Janeiro: Graal, 1990.
Publicado
2021-02-17
Seção
Dossiê Ensino de Filosofia