COM HANNAH ARENDT PARA O ENSINO MÉDIO: REFLEXÕES SOBRE O TOTALITARISMO

  • Rodolfo Rodrigues Medeiros
  • Galileu Galilei Medeiros de Souza
Palavras-chave: Totalitarismo, Hannah Arendt, Ensino de Filosofia no Ensino Médio

Resumo

O presente artigo é parte de uma pesquisa desenvolvida junto ao Programa de Mestrado Profissional em Filosofia – PROF-FILO, Núcleo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN/Campus Caicó. A produção exposta almeja descrever algumas das atividades, estratégias e temáticas que integraram as experiências didáticas desenvolvidas com estudantes do Ensino Médio (EM), tendo como fundamento a investigação filosófica de Hannah Arendt a respeito do totalitarismo alemão – presente, principalmente, nas obras Eichmann em Jerusalém e Origens do Totalitarismo –, compendiadas em um texto construído por meio de revisão bibliográfica. As atividades de aplicação e discussão do produto textual ocorreram por meio de preleções e seminários, e o exame dessas experiências e das falas dos discentes (durante os seminários) foi realizado por meio da análise fenomenológica. O propósito é que a descrição apresentada oferte a docentes de filosofia do EM o contato com escritos e recursos que possam auxiliá-los na abordagem do tema mencionado, configurando-se como uma proposta de ação didática direcionada ao EM. O problema central que atravessa esta proposta expressa-se no seguinte questionamento: o acompanhamento da filosofia política de Hannah Arendt, relacionada aos fatores que concorreram com a ascensão e o desenvolvimento do totalitarismo alemão, poderia servir para discentes do EM como instrumento de precaução contra ideologias totalitárias? A apreciação das elocuções proferidas pelos discentes fornece um indicativo da eficácia da proposta.

Referências

A LISTA DE SCHINDLER. Direção Steven Spielberg. Produção Branko Lustig, Gerald R. Molen, Irving Glovin, Kathleen Kennedy, Lew Rywin, Robert Raymond, Steven Spielberg. Estados Unidos: Universal Pictures, 1993. 1 DVD.

ADLER, Mortimer. Como falar, como ouvir. São Paulo: É Realizações, 2014.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e holocausto. Trad. Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

GRUNWALD-SPIER, Agnes. Os outros Schindlers: as dramáticas histórias dos heróis anônimos que decidiram arriscar suas vidas para salvar os judeus do holocausto. Trad. Mario Molina. São Paulo: Cultrix, 2011.

HITLER, Adolf. Minha Luta. [S. l.: s. n.], 1925. 640 p. Disponível em: https://ia800702.us.archive.org/23/items/meinkampf_minha_luta/por.pdf. Acesso em: 9 jul. 2019.

MILGRAM, Stanley. Obediência à autoridade: uma visão experimental. Trad. Luiz Orlando Coutinho Lemos. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora S/A, 1983.

O EXPERIMENTO DE MILGRAM. Direção Michael Almereyda. Produção Danny A. Abeckaser, Fabio Golombek, Isen Robbins, Uri Singer. Estados Unidos: Magnolia Pictures, 2015. 1 DVD.

O SENHOR DAS ARMAS. Direção Andrew Niccol. Produção Andrew Niccol, Chris Roberts, Nicolas Cage, Andreas Grosch, Andreas Schmid. Estados Unidos: Lions Gate Films, 2005. 1 DVD.

POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos. Vol. II. São Paulo: EDUSP, 1974.

SIVIERO, Iltomar. Política e filosofia no pensamento de Hannah Arendt: aproximações críticas desde a memória dos acontecimentos políticos. Tese (Doutorado em Filosofia) –Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2016.

VOEGELIN, Eric. Hitler e os alemães. Trad. Elpídio Mário Dantas Fonseca. São Paulo: É Realizações, 2007.
Publicado
2021-02-17
Seção
Dossiê Ensino de Filosofia