MATERNIDADE POLÍTICA: TRAJETÓRIAS DE VIDA, EDUCAÇÃO E LUTAS POR DIREITOS

  • Gustava Bezerril Cavalcante
  • Eduardo Ferreira Chagas
  • Francisca Geny Lustosa
Palavras-chave: Maternidade, Mulher, Educação, Paralisia Cerebral

Resumo

O presente artigo trata da trajetória de quatro mulheres e mães que têm filhos com paralisia cerebral, salvo uma, que ela própria tem PC[1]. Suas vidas, valores, aprendizagens e experiências mudaram significativamente quando os filhos nasceram. Enfrentando grandes desafios diários e valorizando todas as conquistas, elas tiveram que lutar para garantir direitos, respeito e oportunidades. O desejo de acessar a escola as levou ao encontro de ideias, estratégias de resistência, experiências comuns e a descoberta de força. A Educação foi, inicialmente, o fator agregador e impulsionador que as motivou. A inexistência ou insuficiência da atuação do poder público, a ignorância, os preconceitos, a violência e os estigmas, constituíram-se as principais barreiras presentes nas vidas dessas mulheres e de suas filhas e filhos. A pesquisa, aqui apresentada, tem o objetivo de trazer narrativas que revelam sentimentos, resistência, interesses e desejos. As quatro mulheres e mães participantes da pesquisa, foram entrevistadas no período da pandemia de 2020, de maneira remota e através de videochamada. Para embasar as discussões e articulações teóricas, foram utilizados dentre outros, os/as autores/as: Guacira Louro (2019) refletindo sobre o corpo e identidade; David Le Breton (2013) para pensar o corpo sob uma perspectiva antropológica; Andrew Solomon (2013) com a percepção da relação pais, filhos e a identidade; Elisabeth Badinter (1985) e a reflexão sobre maternidade e amor materno; Maria Tereza Mantoan (2003) e a educação inclusiva; Naomi Wolf (2020) trazendo as construções históricas sobre beleza.

Referências

AMARAL, L.A. Conhecendo a deficiência (em companhia de Hercules). São Paulo: Robia, 1995.

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BARRETO, E. O corpo rebelado: autonomia, cuidado e deficiência física. 1ª ed. Curitiba, Appris, 2016.

CHAGAS, E. F. A Vontade é Livre? Natureza e Ética em Ludwig Feuerbach. Revista Dialectus , v. 3, p. 1, 2015.

DELEUZE, G. Lógica do Sentido. (4ª ed.). São Paulo: Perspectiva, 2000.

ESTÉS, C.P. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Tradução Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

GOFFMAN, E. Estigma. Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução: Marcia Bandeira de Mello Leite Nunes. Rio de Janeiro: Editora Guanabara S.A, 1988.

LE BRETON, D. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2013.

LOURO, G.L. (Org.) O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

________. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

LUSTOSA, F.G. Inclusão, o olhar que ensina: o movimento da mudança e a transformação das práticas pedagógicas no contexto de uma pesquisa-ação colaborativa. Fortaleza: UFC, 2009, 295 f. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

_________. Mães da Inclusão: trajetórias de amor e luta na defesa dos direitos dos filhos. IN: CAVALCANTE, M.J.M; HOLANDA, P.H.C; QUEIROZ, Z.F.(Org.). Histórias de mulheres: amor, violência e educação. 1ed. Fortaleza: Edições UFC, 2015, v1, p. 177-195.

MANTOAN, M. T. E. O direito de ser, sendo diferente, na escola. Revista CEJ, Brasília, n. 26, p. 36-44, 2004.

_______ . Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003. (Coleção cotidiano escolar).

________. O direito a diferença nas escolas. Pátio – Revista Pedagógica, Porto Alegre, v. 8, n. 32, p. 12-15, 2004.

_________. Igualdade e diferenças na escola como andar no fio da navalha. Educação (PUC/RS), Porto Alegre / RS, v. XXIX, n. 1 (58), p. 55-64, 2006.

SILVA, T.T DA.(Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SOLOMON, A. Longe da árvore: pais, filhos e a busca da identidade. Tradução - Donaldson M. Garschagen. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

TERRASSI, E. Família do deficiente: aspectos comuns e específicos contidos no relato de mães de crianças portadoras de diferentes deficiências. 1993. 98 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos - SP ,1993.

WOLF, N. O mito da beleza: como as imagens da beleza são usadas contra as mulheres. Tradução - Waldéa Barcellos – 11ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.
Publicado
2021-03-01
Seção
Artigos Fluxo Contínuo