ADORNO E A CRÍTICA À ONTOLOGIA FUNDAMENTAL DE MARTIN HEIDEGGER

Palavras-chave: Ontologia, Theodor Adorno, Teoria Crítica

Resumo

É propósito deste artigo confrontar criticamente o modo de pensar adorniano expresso na primeira parte da Dialética Negativa, e a ontologia fundamental de Martin Heidegger. Para tanto, iniciamos apresentando o sentido do pensar em Heidegger, que busca, não a explicação das causas, mas as significações do ser. Em seguida discorremos sobre as matrizes fundamentais do pensamento de Theodor Adorno, enquanto desdobramento da tradição marxista, a fim de salientar a fonte principal da posição hegeliano-marxista de Adorno e da escola de Frankfurt. Na sequência, demarcamos a influência do jovem Lukacs para os passos adornianos em prol de uma teoria crítica. Em seguida, apresentamos a filosofia adorniana como crítica às filosofias existentes, especialmente em seu confronto com os conceitos heideggerianos de ser, de existência e de historicidade. O método utilizado foi o hermenêutico das referências: Adorno (1975; 2009; 2003); Heidegger (2002) e comentadores: Lichtheim (1970); Perlini (1975); Rusconi (1968); Stein (1973) e Rocha (2020).

Referências

ADORNO, T. W. Dialectica Negativa. Taurus Ed. Madrid, 1975.

_____. Dialética Negativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

_____. “Para que, ainda, a filosofia?”. Trad. de Newton Ramos de Oliveira. “Wozu noch Philosophie”. Gesammelte Schriften – Band 10 (“Kulturkritik und Gesellschaft: Eingriffe, Stichworte). Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1996.

_____. Mínima Morália. São Paulo: Ed. Ática, 1993.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Partes I e II. Petrópolis: Vozes, 2002.

LICHTHEIM, George. As ideias de Lukacs. Cultrix, São Paulo, 1970.

PERLINI, Tito. La escuela de Francfort. Monte Avila, Caracas, 1975.

ROCHA, Cleidson de Jesus. Ensaio “Sobre Sujeito e Objeto” de Theodor Adorno como trânsito à sua Teoria Crítica. AUFKLÄRUNG, João Pessoa, v.7, n.3, Set/Dez.,2020, p.157-168.

RUSCONI, G. Enrico. La teoria critica dela societá, Il Mulino, 1968.

STEIN, Ernildo. A questão do Método na filosofa. São Paulo. Duas cidades, 1973.
Publicado
2022-08-20
Seção
Artigos Fluxo Contínuo