Forja e ficção

  • Rodrigo Alves Ribeiro
Palavras-chave: Recife, Gilberto Freyre, Literatura, Seminovela, Ficção

Resumo

Dona Sinhá e o Filho Padre, com primeira edição de 1964, é objeto de análise deste artigo. Trata-se da primeira seminovela do escritor pernambucano Gilberto Freyre [1900-1987]. Apresentar, descrever e interpretar as especificidades do Dona Sinhá e o Filho Padre são aqui objetivos centrais. A forja da narrativa, intercalada à trama ficcional e à autocrítica literária, associa-se à estética do prazer do texto no modo Gilberto Freyre de fazer literatura. Para tanto, o escritor aborda “tópicas narrativas”, a exemplo da sexualidade e do patriarcado açucarocrático, fundantes à composição da contextura da seminovela que toma por empréstimo o Recife de fins do século XIX e inícios do XX.

Publicado
2019-08-14
Como Citar
Ribeiro, R. A. (2019). Forja e ficção. Em Perspectiva, 5(1), 346-370. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/emperspectiva/article/view/41682
Seção
Dossiê Temático