Entre o lembrar e o esquecer

a ditadura civil-militar brasileira a partir da trilogia da tortura de Heloneida Studart

  • Ioneide Maria Piffano Brion de Souza
Palavras-chave: Memória, Literatura, Regimes Autoritários

Resumo

A literatura teve um papel importante entre as artes de resistência tanto no diagnóstico da violência e da experiência social sob o autoritarismo, quanto no exame das contradições e impasses dos intelectuais de esquerda que se opunham ao regime. Este artigo objetiva refletir sobre a relação entre história e literatura. A escolha da temática do artigo se deu não porque a literatura imitou a realidade nos livros, mas porque, em muitos casos, só a reflexão propiciada pela ficção, pela imaginação ou pela memória poderia dar conta de compreender uma realidade política, cultural e social tão multifacetada e complexa. Assim, busca-se compreender de que maneira a narrativa literária, quando colocada em diálogo com pesquisas acadêmicas recentes, contribuem para uma compreensão desse período da história brasileira. Exemplificamos essa ideia com uma breve análise da Trilogia da Tortura de Heloneida Studart.

Publicado
2019-08-14
Como Citar
Souza, I. M. P. B. de. (2019). Entre o lembrar e o esquecer. Em Perspectiva, 5(1), 173-191. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/emperspectiva/article/view/41884
Seção
Dossiê Temático