A literatura como forma de representação histórica

o caso do escritor norte-americano Howard Fast

  • Rafael Belló Klein
Palavras-chave: Literatura, História dos Estados Unidos, Representação Histórica

Resumo

O presente artigo tem como objetivo fazer uma breve análise de duas obras literárias do escritor norte-americano Howard Fast, à luz dos desenvolvimentos teóricos do chamado narrativismo, particularmente dos aportes de Hayden White, e de suas consequências para o estudo da literatura. De fato, além do reconhecimento dos aspectos ficcionais da escrita historiográfica, White também chama atenção para a validade da literatura enquanto representação do passado. Considerando a obra de Fast a partir deste viés, examinarei os romances históricos The Last Frontier e Freedom Road, que abordam, respectivamente, um episódio das Guerras Indígenas no Oeste americano e o período da Reconstrução no Sul. Procurarei demonstrar como estas obras possuíam uma sólida base de pesquisa bibliográfica e documental acerca das épocas históricas em questão, na medida em que Fast – autor comprometido com os valores americanistas de liberdade e democracia e, ao mesmo tempo, com o movimento comunista e os pressupostos do materialismo marxista – procurava contar uma história verdadeira, que corrigisse as concepções distorcidas pelo racismo e conservadorismo presentes na sociedade americana. Neste sentido, ao considerarmos a literatura como uma forma legítima de representação histórica, podemos estar atentos aos modos como sentidos sobre o passado circulam, difundem-se e modificam-se em determinada sociedade.

Publicado
2019-08-15
Como Citar
Klein, R. B. (2019). A literatura como forma de representação histórica. Em Perspectiva, 5(1), 302-325. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/emperspectiva/article/view/41893
Seção
Dossiê Temático