LENDAS, CRENDICES E ABUSÕES: ALEGORIA E HISTÓRIA EM O CARA DE FOGO, DE JAYME GRIZ

Resumo

Este artigo visa a analisar o conto “O fantasma negro do bueiro da usina Cucaú”, do livro O Cara de Fogo, do escritor pernambucano Jayme Griz, norteado pelos vínculos mantidos entre literatura e história. Com os condicionantes teóricos antevistos nas obras Origem do drama trágico alemão, de Walter Benjamin, e Introdução à literatura fantástica, de Tzvetan Todorov, procurou-se vislumbrar a alegoria como categoria analítica, que, em diálogo com componentes sócio-históricos, propiciou a interpretação da narrativa. O método dialético, no qual as inferências permitidas pelo texto dialogam com o contexto, permitiu uma apreciação do relato sob uma ótica na qual se entrecruzam ética e estética, literatura e sociedade. Na conclusão do artigo sugere-se que, mesmo quando a leitura do conto fantástico se vincula à realidade, desta feita assediada pelas marcas do mito e do folclore, não fica dissipada a hesitação mantida por personagem e, eventualmente, o leitor, diante dos acontecimentos sobrenaturais.

Biografia do Autor

João Batista Pereira, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
PROFESSOR ADJUNTO DO DEPARTAMENTO DE LETRAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
Ivson Bruno Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

BOLSISTA PIBIC – CAPES, DO DEPARTAMENTO DE LETRAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

Referências

ALBUQUERQUE, W.; FRAGA FILHO, W. Uma história do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

ANDRADE, M. C. Espaço e tempo na agroindústria canavieira de Pernambuco. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 43, set/dez, 2001.

BENJAMIN, W. Origem do Drama Trágico Alemão. Lisboa: Assírio & Alvim, 1984.

______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1992.

______. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2013.

BESSIÈRE, I. O relato fantástico: forma mista do caso e da adivinha. Revista FronteiraZ, São Paulo, n. 9, dez., 2012.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. 5 ed. São Paulo: Globo, 2008.

FROTA, B. O tempo das botijas. 2011. Disponível em: https://tokdehistoria.com.br/2011/12/26/o-tempo-das-botijas/. Acesso em: 01 jun. 2017.

FUNARI, P. P.; CARVALHO, A. V. Palmares, ontem e hoje. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

GRIZ, J. Rio Una. Edições Diário da Manhã: Recife, 1951.

_______. Acauã. Arquivo Público do Estado: Recife, 1959.

_______. O Cara de Fogo. Museu do Açúcar: Recife, 1969.

MARANHÃO, Z. E. Meio Fio. Recife: Diário de Pernambuco, 1 de junho de 1969.

MORAIS, P. Prefácio. In: O cara de fogo (Contos). Recife: Gráfica Companhia Editora de Pernambuco / Museu do Açúcar, 1969.

RODRIGUES, J. M. Jayme Griz e estórias de assombração. Recife: Jornal do Comércio, 15 de junho de 1969.

SOUTO MAIOR, M. O cara de fogo. Recife: Diário de Pernambuco, 21 de março de 1969.

TODOROV, T. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1975.

Publicado
2018-04-06
Seção
Estudos Literários