BUDA NA COR DE ROSA: VESTÍGIOS DE UM PRÍNCIPE INDIANO EM TRÊS OBRAS DE JOÃO GUIMARÃES ROSA

  • Bruno Mazolini de Barros Mestre e doutorando em Teoria da Literatura na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS

Resumo

Os percursos da fortuna crítica acerca da obra de João Guimarães Rosa abarcam temas dos mais variados, que vão da linguística à sociologia, da narratologia ao estudo dos símbolos. O presente artigo aborda a presença de referências budistas na obra do autor mineiro, uma questão ainda pouco trabalhada na literatura brasileira de modo geral. No caso de Guimarães Rosa especificamente, este texto trata especialmente de alguns poemas Magma (1936), de um dos quatro prefácios de Tutaméia (1967), “Aletria e Hermenêutica”, e da narrativa “Cipango”, de Ave, Palavra (1970). A investigação parte tanto de elementos orientais presentes na obra João Guimarães Rosa quanto de indicações sobre o tema na própria fortuna crítica do autor mineiro. O desenvolvimento desse tópico dá-se considerando o que Francis Utéza explicita sobre a elaboração de questões metafísicas-religiosas em textos rosianos, na forma como elas coexistem com componentes regionalistas. Por meio desses três textos citados acima, observa-se que, na literatura brasileira, figuram temas e personagens que podem estar deslocados de sua origem, mas que, na arte de Guimarães Rosa, fazem parte do Brasil.

Biografia do Autor

Bruno Mazolini de Barros, Mestre e doutorando em Teoria da Literatura na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS
Doutorando em Teoria da Literatura, bolsista CNPq. Participante do grupo de pesquisas Cartografias narrativas: redes e enredos de subjetividade, PUCRS, no qual se estuda romances portugueses publicados a partir do ano 2000.

Referências

ALMEIDA, G. Poesia: parecer da comissão julgadora. In: ROSA, João Guimarães. Magma. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997. p. 6-7.

ANJOS, A. Eu e outras poesias. Porto Alegre: LP&M, 2010.

BARTHES, R. Aula: aula inaugural da cadeira de semiologia literária do Colégio de França, pronunciada dia 7 de janeiro de 1977. São Paulo: Cultrix, 2007.

BIZZARRI, E. João Guimarães Rosa: Correspondência com seu tradutor italiano. São Paulo: Nova Fronteira, 2003.

CAMPBELL, J. As máscaras de Deus. v. 2. São Paulo: Palas Athena, 1994.

CASTRO, A. C. D. M. O trem do sertão: as primeiras estórias e a sabedoria chinesa. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 1999. 305 p. Disponível em: Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000200013&fd=y>. Acesso em: 26 maio 2017.

GALVÃO, W. N. As formas do falso: um estudo sobre a ambiguidade no Grande Sertão: Veredas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 143-179.

KHYENTSE, J. O que faz você ser budista? São Paulo: Pensamento, 2008.

LORENZ, G. Diálogo com Guimarães Rosa. In: COUTINHO, E. F. (Org.). Guimarães Rosa. Coleção Fortuna Crítica. v. 6. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/INL, 1983. p. 62-97.

MARTINS, H. Rosa/Platão/Zen. In: DUARTE, L. P. et al. (Org.). Veredas de Rosa. Vol. 1. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2000. p. 266-271.

MATTIS-NAGYEL, E. The Power of an Open Question: the Buddha`s Path to Freedom. Boston: Shambhala, 2010.

PALAZZO, C. L. A cultura material na Rota da Seda: fontes para a pesquisa em história medieval. AEDOS - Revista do Corpo Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFRGS, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 464-470, 2009. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/9873/5739>. Acesso em: 26 maio 2016.

ROSA, J. G. Magma. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

______. Ave, palavra. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001a.

______. Tutaméia (Terceiras estórias). 8. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001b.

ROSA, V. G. João Guimarães Rosa, meu pai. In: CHIAPPINI, L.; VEJMELKA, M. Espaços e caminhos de Guimarães Rosa: dimensões regionais e universalidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. p. 309-323.

SPERBER, S. F. Caos e cosmos: leituras de Guimarães Rosa. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1976.

TAKEI, N.; KAWAL, M.; MORI, N.. Sluggish Economics Affect Health of Japanese ‘Business Warriors’. In: HOWARD, Louise (Ed.). Correspondence. In: British Journal of Psychiatry, n. 176, p. 492-498, 2000. Disponível em: <http://bjp.rcpsych.org/content/176/5/494.2>. Acesso em: 26 maio 2017.

TRANJAN, C. (Ed.). China. 2 ed. São Paulo: PubliFolha, 2008.

UTÉZA, F. JGR: metafísica do grande sertão. São Paulo: EdUSP, 1994.

______. O sertão oriental-ocidental de João Guimarães Rosa. In: CHIAPPINI, L.; VEJMELKA, M. Espaços e caminhos de Guimarães Rosa: dimensões regionais e universalidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. p. 207-221.

VÉLEZ ESCALLÓN, B. O. O Páramo é do tamanho do mundo: Guimarães Rosa, Bogotá, Iauratê. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Literatura, Florianópolis, 2014. 599 p. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/129644>. Acesso em: 26 maio 2017.

WILLIAMS, C.; BEAKLES, M.; BEWER, T.; BRODY, C.; BUSH, A.; PRESSER, B. Thailand: Lonely Planet. 13 ed. Lonely Planet Publications: Melbourne, 2009.

Publicado
2018-11-03
Seção
Estudos Literários