A ESCRITURA QUEER DE JOÃO GILBERTO NOLL INVADE O MERCADO EDITORIAL BRASILEIRO

  • Mayana Rocha Soares UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
  • Márcia Rios da Silva Universidade do Estado da Bahia

Resumo

Este artigo tem por finalidade discutir a noção de escritura queer em Canoas e marolas (1999), Sou eu! (2009) e Anjo das ondas (2010), produções literárias do escritor gaúcho João Gilberto Noll que mais atendem às estratégias de comercialização e ampliação de público, largamente empregadas por diferentes casas editoriais. Tendo conquistado reconhecimento e prestígio junto a uma comunidade de leitores cultos e a instâncias legitimadoras da chamada literatura canônica, Noll publicou romances que alcançaram uma expressiva aceitação por parte de um público maior, sem que isso tenha abalado o seu capital simbólico acumulado ao longo da carreira literária. Neste trabalho, parte-se da compreensão de que o escritor produziu um conjunto de textos, quer sejam denominados eruditos, quer sejam considerados comerciais, que pode ser lido a partir da noção de escritura queer, ou escritura da diferença, elaborada por Helder Maia (2014), a qual põe em questionamento, tornando-se dissidente, o regime político heteronormativo dos corpos, na recusa às normalizações de sexualidade e gênero.

Biografia do Autor

Mayana Rocha Soares, UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
Doutoranda em Literatura e Cultura (PPGLITCULT/UFBA). Mestra em Estudo de Linguagens (PPGEL/UNEB). Graduada em Letras e Ciências Sociais (UNIJORGE E UFBA, respectivamente). Atualmente, é professora substituta do Instituto de Humanidades da Universidade Federal da Bahia.
Márcia Rios da Silva, Universidade do Estado da Bahia
Doutorado em Letras e Lingüística pela Universidade Federal da Bahia, Brasil(2002)
Professor Pleno da Universidade do Estado da Bahia , Brasil

Referências

BARTHES, R. Novos ensaios críticos. O grau zero da escritura. São Paulo: Cultrix, 1972.

______. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BOURDIEU, P. Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015a.

______. Quadros de guerra. Quando uma vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015b.

______. Relatar a si mesmo. Crítica da violência ética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015c.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: USP, 2008.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. vol. 2. Rio de janeiro: Editora 34, 1995.

______. Kafka. Por uma literatura menor. Autêntica, 2014.

ECO, U. O texto, o prazer e o consumo. In: ECO, U. Sobre os espelhos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

EDITORA OBJETIVA. Canoas e Marolas (Preguiça). 1999. Disponível em: <http://www.objetiva.com.br/livro_ficha.php?id=90>. Acesso em: 25 mar. 2016.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2002.

______. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. A ordem do discurso. Rio de Janeiro: Loyola, 2009.

HANSEN, João Adolfo. Barroco, neobarroco e outras ruínas. Destiempos, n. 14, año 3, mar./abr. p.169-215. México, 2008.

HEINICH, Nathalie. A sociologia da arte. Bauru: EDUSC, 2006.

JANOTTI JR., Jeder. Cultura Pop: entre o popular e a distinção. In: CARNEIRO, Simone P. de Sá; FERRARAZ, Rogério. Cultura pop. Brasília: Compós, 2015.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Estudos feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, jun./dez. 2001.

MAIA. Helder T. Cordeiro. Constelações queer ou por uma escritura da diferença. In: COLLING, Leandro; THURLER, Djalma (Org.). Estudos e políticas do CUS. Grupo de pesquisa Cultura e Sexualidade. Salvador: Edufba, 2013.

______. Devir darkroom e a literatura hispano-americana. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

MARTIN-BARBERO, Jesús. América Latina e os anos recentes; o estudo da recepção em comunicação social. In: SOUSA, Mauro Wilton (org.). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995.

MISKOLCI, R. O desejo da nação. Masculinidade e branquitude no Brasil de fins do século XIX. São Paulo: Annablume, 2012.

NEUBERN, F. A arquitetura da criação. Um estudo de Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll. 2011. 82f. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) – Universidade de Araraquara, São Paulo, 2011.

NOLL, João Gilberto. Anjo das ondas. São Paulo: Scipione, 2010.

______. Canoas e marolas. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999. Coleção Plenos Pecados.

______. Mínimos, múltiplos e comuns. São Paulo: Francis, 2003.

______. Sou eu! São Paulo: Scipione, 2009.

PELEGRINI, Tânia. A imagem e a letra. Aspectos da ficção brasileira contemporânea. São Paulo: FAPESP, 1999.

SALIH, S. Judith Butler e a teoria queer. Tradução de Guacira Louro. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SCHOLLAMMER, K. E. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SILVA, A. de P. Modos de narrar a narrativa homoerótica na história literária brasileira. Caderno Seminal Digital, a. 20, n. 21, jan./jun. 2014.

Publicado
2018-11-03
Seção
Estudos Literários