A epístola como espaço da memória e da escrita de si: uma análise do romance De mim já nem se lembra, de Luiz Ruffato

  • Isabel Camila Alves da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Vilani Maria de Pádua Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE)

Resumo

Este artigo visa discutir o romance epistolar como espaço de viabilização da construção da memória e do eu a partir da escrita de si. Para a execução de tal proposta, analisaremos a obra De mim já nem se lembra (2016), do escritor Luiz Ruffato, romance que aborda o deslocamento do operário José Célio para trabalhar em São Paulo, na década de 70, e a correspondência com sua família no interior de Minas Gerais. Na obra, percebemos a atualidade da epístola para a construção da linguagem íntima e fragmentada, bem como espaço democrático que dá voz a um personagem pobre. Como fundamentação teórica para esse estudo, utilizaremos, principalmente, as definições de romance epistolar apresentadas por Marisa Lajolo (2002) e Cláudia Valentim (2006), e de memória presente na obra de Walter Benjamin (1994, 1997) e Ecléa Bosi (2013). Assim, observaremos como a escrita de si acontece na estrutura de romance epistolar, possibilitando ao leitor elaborar personagens a partir dos fragmentos de uma geografia íntima traçada pelo protagonista.

 

Palavras-chave

Romance epistolar. Escrita de si. Memória Luiz Ruffato.

Biografia do Autor

Isabel Camila Alves da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
Formada em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com especializaçao em Literatura Brasileira pela Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE). Atualmente aluna do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, na área de concentração Literatura Comparada, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Vilani Maria de Pádua, Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE)
Possui doutorado em Letras (Teoria Literária e Literatura Comparada) pela Universidade de São Paulo (2010) e mestrado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2004).Graduação em Letras Bacharelado e Licenciatura pela Universidade de São Paulo (2004), graduação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (1985). Atualmente é professora de literatura brasileira e portuguesa na Faculdade Frassinetti do Recife, Fafire. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: modernismo, modernidade, tradição, cultura popular.

Referências

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

_____. Obras escolhidas. 3 vol. São Paulo: Brasiliense, 1997.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2013.

DALCASTAGNÈ, R. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, 2005. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/2123. Acesso em 19.06.2018.

KOHLRAUSCH, Regina. Gênero epistolar: a carta na literatura, a literatura na carta, rede de sociabilidade, escrita de si…Letrônica: Revista digital do Programa de Pós-graduação da PUCRS. Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 148-155, janeiro - junho de 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/letronica/article/view/21361/13422. Acesso em 14.04.2018.

LAJOLO, Marisa. Romance epistolar: o voyeurismo e a sedução do leitor. In Matraga (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. ano 9, n.14, 2002, p. 61-75.

RUFFATO, Luiz. De mim já nem se lembra. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

VALENTIM, Claudia Atanazio. O romance epistolar na literatura portuguesa da segunda metade do século XX. 2006. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

Publicado
2019-07-30