O contraponto existencial entre Leonardo Sciascia e suas personagens Candido e Calogero

  • Anne Caroline de Morais Santos Universidade Veiga de Almeida (UVA) e Faculdades Integradas Helio Alonso (FACHA)

Resumo

O autor siciliano Leonardo Sciascia é conhecido pelos críticos italianos como aquele que viveu para a sua arte: a literatura; e fez dela uma forma de revelar as agruras vividas pelos italianos do Sul da Itália. Ele mesmo, tendo sido neto e filho de mineradores, viu de perto o que o desejo por poder poderia gerar em um país, em uma cidade. Suas narrativas revelam muito de seus conterrâneos como personagens "à espera de um autor"[1] que as transformassem nesses seres que habitam as páginas literárias. Collura, na biografia Il maestro di Regalpetra, salienta que seus romances e contos revelam a sua existência. Com base nisso, este artigo tem como objetivo estudar duas grandes personagens sciascianas, Candido, da obra Candido overro un sogno fatto in Sicilia (Candido ou um sonho feito na Sicília); e Calogero, do conto L'antimonio (O antimônio), e o contraponto existencial entre elas e o escritor Leonardo Sciascia.


[1] Na cidade de Racamulto, onde nasceu Sciascia, há uma citação do autor que afirma serem seus conterrâneos personagens à espera de um autor, o que fez o autor siciliano, cuja inspiração para suas personagens adveio da observação de seu próprio povo.

Biografia do Autor

Anne Caroline de Morais Santos, Universidade Veiga de Almeida (UVA) e Faculdades Integradas Helio Alonso (FACHA)
Professora do curso de Direito e de Letras da Universidade Veiga de Almeida. Professora de Língua Portuguesa e de Teoria Literária da Faculdade Integrada Hélio Alonso (FACHA). Professora de Língua, Literatura e Cultura italianas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) de 2012 a 2014. Doutora em Estudos Literários pela Universidade Federal Fluminense (2017). Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela UERJ (2012). Vice-presidente do Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (CIFEFIL). Diretora de Publicações do Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (CIFEFIL) e da Revista Philologus (2015-2017). Na área de Literatura Comparada, trabalha com obras das literaturas italiana, brasileira, alemã e francesa. Atua nas seguintes áreas/temas: literatura comparada, teoria literária, romance de formação, forma literária e processo social, teoria do romance, teoria da personagem, contribuições bakhtinianas para o estudo do romance e da personagem; Leonardo Sciascia e suas personagens autobiográficas entre outros. 

Referências

AMBROISE, Claude. Invito alla lettura di Sciascia. Milano: Mursia, 1974.

___________________. Il libro nel libro. IN: FONDAZIONE Leonardo Sciascia. La Sicilia, il suo cuore: omaggio a Leonardo Sciascia. Palermo: Kalós, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

COLLURA, Matteo. Il maestro di Regalpetra: vita di Leonardo Sciascia. Milano: TEA, 2007.

COMPAGNON, A. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleonice P. B. Mourão e Consuelo F. Santiago. 2.ed. Belo Horizonte: UFMG, 2010. p. 107-111.

COUTINHO, Afrânio. Crítica e Poética. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1968.

DI GRADO, Antonio (org). Leonardo Sciascia e la tradizione dei siciliani. Caltanisseta: Salvatore Sciascia Editore, 2000.

ECO, Umberto. A definição de arte. São Paulo: Martins Fontes, 1972.

SCIASCIA, L. Candido, ovvero un sogno fatto in Sicilia. Torino: Einaudi, 1977.

____________. Gli zii di Sicilia. Milano: Adeplhi, 2009.

____________. A ciascuno il suo. Milano: Adeplhi, 2000.

____________. Le parrochie di Regalpetra. Milano: Adelphi, 1991.

TRAINA, Giuseppe. La soluzione del Cruciverba. Caltanisseta: Salvatore Sciascia Editore, 1994.

VOLTAIRE. Cândido ou o Otimismo. Trad. Roberto Gomes. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2011.

Publicado
2020-11-03
Seção
Estudos Literários