“COMO SE DEUS ESTIVESSE CUSPINDO NA GENTE”: O ESTIGMA DA EXCLUSÃO EM AMANHÃ NUMA BOA (GUÈNE, 2006)

  • Davi Gonçalves UNICENTRO
  • Kall Lyws Barroso Sales UFAL

Resumo

Propomos aqui uma análise da protagonista descendente de marroquinos do romance francês Amanhã, numa Boa (GUÈNE, 2006), para identificar como ela reinscreve a posição do outro marginalizado perante os discursos do centro multiculturalista. Assim, testamos e comprovamos a hipótese de que a narrativa se move na direção contrária à romantização, assimilação e silenciamento dos epistemes periféricos representados e rearticulados pela personagem em questão. Partindo principalmente das reflexões de Zizek (2016), esboçamos um retrato do estigma da exclusão do sujeito (i)migrante.

Biografia do Autor

Davi Gonçalves, UNICENTRO
Licenciatura em Letras (2010-UEM), Bacharelado em Tradução (2011-UEM), Mestrado em Literatura Inglesa (2014-UFSC), Doutorado em Estudos da Tradução (2017-UFSC), Professor Colaborador na UNICENTRO (Irati-PR)
Publicado
2020-03-08