Tornar-se escritora: uma reflexão sobre Louisa May Alcott e a sua reescrita de si em Little Women

  • Jailda Passos Alves Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas, Bahia, Brasil.
  • Jailma dos Santos Pedreira Moreira Professora adjunta da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), Alagoinhas, Bahia, Brasil.

Resumo

Trata-se de uma reflexão sobre o que seria tornar-se escritora no século XIX, considerando a produção literária de Louisa May Alcott, especificamente seu romance Little Women, e o contexto específico da época. Buscamos discutir sobre a produção literária de autoria feminina, através do movimento de Alcott e da personagem principal, no romance citado, em um período no qual deu-se a inserção desse público feminino nos ambientes acadêmicos. Para tanto, apresentamos um sucinto panorama sobre a ascensão da literatura, estritamente romance, tomando como base o texto de Eagleton (2006), para melhor compreendermos como e quando as mulheres puderam permear por esse espaço literário. Ainda promovemos um debate, no que diz respeito a esse processo de construção identitária da escritora, considerando os postulados de Woolf (1990), sobre o modo como estas mulheres eram vistas e a relevância de um teto e de independência financeira para as mesmas. Considerando este mapeamento, observamos, por fim, como as marcas biográficas de Alcott e o contexto em que vivia se transfiguram em Little Women, de modo que nos possibilitou perceber como a escritora encenou sua reescrita de si no seu texto-vida.

Biografia do Autor

Jailda Passos Alves, Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas, Bahia, Brasil.

Mestranda em Crítica Cultural no Programa de Pós-graduação em Crítica Cultural pela Universidade Estadual da Bahia (UNEB).

Jailma dos Santos Pedreira Moreira, Professora adjunta da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), Alagoinhas, Bahia, Brasil.

Doutora em Letras e Linguística pela UFBA e professora adjunta da Universidade Estadual da Bahia (UNEB).

Referências

ALCOTT, Louisa May. Little Women. New York: Penguin, 1994.

BHABHA, Homi K. O local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

CORREA, Priscila Kaufmann. Escritas femininas: trajetórias de vida e literatura infantojuvenil. 2017. 192f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Campinas, Campinas.

CHEEVER, Susan. Louisa May Alcott: A personal Biography. New York: Simin & Shuster, Inc., 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Felix. O que é uma literatura menor? In: Kafka por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago, 1977. p.25-42.

EAGLETON, Terry. A ascensão do inglês In: Teoria da literatura: uma introdução. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p.25-81.

FERREIRA, Helena Isabel Neves. Louise May Alcott em português analise de Mulherezinhas (1997) – uma crítica de tradução. 2010. 124f. Dissertação (Mestrado em Tradução) - Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

MOREIRA, Jailma dos Santos Pedreira. Reescrita de si: produções de escritoras subalternizadas em contexto de políticas culturais. Revista Fórum de literatura Brasileira Contemporânea. UFJR – Universidade Federal do Rio de Janeiro, ed 13, jun, 2015.

MOREIRA, Jailma dos Santos Pedreira. Apresentação - A produção de autoria feminina. Revista Pontos de Interrogação, v. 2, n. 1, jan-jun, 2012.

SCHMIDT, Rita Terezinha. Repensando a cultura, a literatura e o espaço da autoria feminina. In: NAVARRO, Marcia (Org.). Gênero e Literatura na América Latina. Porto Alegre: EDURGS, 1995.

SOUZA, Eneida Maria de. Janelas indiscretas: ensaios de crítica biográfica. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

VASCONCELOS, Sandra Guardini. Dez Lições Sobre o Romance Inglês do Século XVIII. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. Rio de Janeiro: Círculo do Livro, 1990.

Publicado
2020-06-03
Seção
Estudos Literários