UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DO NÚMERO DE ACIDENTES DO TRABALHO COM RELAÇÃO A ESCOLARIDADE E A RENDA NO BRASIL

  • Ticiane Érica Ricardo Rodrigues
  • NULL
  • Ubeneí Sousa de Farias

Resumo

AO OBSERVAR O CENÁRIO BRASILEIRO EM RELAÇÃO AOS ACIDENTE DE TRABALHO, SEGUNDO AS ESTATÍSTICAS NACIONAIS PUBLICADAS PELA PREVIDÊNCIA SOCIAL E MINISTÉRIO DO TRABALHO, VÊ-SE QUE EM 2015 HOUVE 622.379 ACIDENTES DO TRABALHO, SENDO 2.265 DELES, FATAIS. DIANTE DESSES NÚMEROS ALARMANTES, GEROU-SE A NECESSIDADE DE ANALISAR FATORES QUE PUDESSEM INFLUENCIAR NESSE QUANTITATIVO. TENDO COMO OBJETIVO PRINCIPAL VERIFICAR SE A ESCOLARIDADE E A RENDA, SÃO FATORES DETERMINANTE NA FORMAÇÃO DESSES NÚMEROS. A ANÁLISE TEVE POR BASE OS MICRODADOS DA PNAD DO ANO DE 2015, REALIZADA PELO IBGE, E DOS DADOS DO ANUÁRIO DE ESTATÍSTICA DE ACIDENTES DO TRABALHO (AEAT) DO MESMO ANO, PUBLICADO PELA PREVIDÊNCIA SOCIAL. A METODOLOGIA UTILIZADA CONSISTE EM UM MODELO ECONOMÉTRICO LINEAR, CUJA FINALIDADE É EXPLICAR A INTERAÇÃO DAS VARIÁVEIS E SUAS SIGNIFICÂNCIAS NA FORMAÇÃO DESSAS ESTATÍSTICAS. OS RESULTADOS FORNECERAM EVIDÊNCIAS DE QUE, QUANDO A RENDA AUMENTA, O NÚMERO DE ACIDENTES DO TRABALHO TAMBÉM AUMENTA, ALÉM DE RELACIONAR FORTEMENTE QUE, O TRABALHADOR COM MAIOR ESCOLARIDADE, REDUZIR DE MANEIRA SIGNIFICANTE A CHANCES DE SOFRER UM ACIDENTE DO TRABALHO, E TRAZ A INFORMAÇÃO DE QUE, A AUMENTO DA PRODUTIVIDADE INTERNA, TAMBÉM AUMENTO O NÚMERO DE ACIDENTES DO TRABALHO, MENOS QUE COM BAIXA SIGNIFICÂNCIA. CABE AINDA RESSALTAR QUE, A EDUCAÇÃO E O TRABALHO (E A RENDA PROVENIENTE), SÃO OS FUNDAMENTOS BÁSICOS PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS BRASILEIROS E PARA A CONDIÇÃO DE SOBREVIVÊNCIA DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. CONTUDO, CABE AOS EMPREGADORES POSSIBILITAR A FORMAÇÃO DE SEUS PROFISSIONAIS, TENDO ASSIM, UMA NOVA E ATUAL VISÃO DE MUNDO, EM QUE A FORÇA DE TRABALHO NÃO PODE SER DESPERDIÇADA, MUITO MENOS POR ACIDENTES ORIUNDOS DO PRÓPRIO OFÍCIO POR FALTA DE INFORMAÇÃO OU FORMAÇÃO. ALÉM DE HAVER A NECESSIDADE DE AVANÇOS POR PARTE DO GOVERNO NA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, NO CAMPO DA SAÚDE COLETIVA, E NA FISCALIZAÇÃO DO CUMPRIMENTO DA MESMA, PELOS ÓRGÃOS E ENTIDADES RESPONSÁVEL.
Publicado
2019-01-01
Seção
Encontro de Iniciação Científica – PRPPG