ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM MODELO ANIMAL AUTISTA ATRAVÉS DO USO DE ÁCIDOS GRAXOS INSATURADOS ANTIOXIDANTES E ANTIINFLAMATÓRIOS.

  • Silvia Flávia Alves de Freitas
  • Mateus Aragão Esmeraldo, Francisco José Gomes, Lissiana Magna Vasconcelos Aguiar, Paulo Roberto de Leitão Vasconcelos
  • Luciana Fujiwara Aguiar Ribeiro

Resumo

INTRODUÇÃO: O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um grupo de desordens do neurodesenvolvimento que afeta a maturação cerebral e produzem déficits sensoriais, motores, de linguagem e interação. Entre os modelos animais de TEA pesquisados, estão aqueles derivados da exposição ao ácido valpróico (VPA), onde são observadas alterações semelhantes às observadas em pessoas com TEA. A busca de alternativas para o tratamento dos TEAs levantou a hipótese de que anormalidades do metabolismo de ácidos graxos insaturados possam estar relacionadas a transtornos mentais, sendo os ômegas os mais investigados por serem considerados componentes essenciais para o desenvolvimento típico dos neurônios. OBJETIVO: Avaliar o efeito do MIX3 + AV (óleos: Ω-9/Ω-3/Ω-6) nas alterações comportamentais e locomotoras através do teste de campo aberto no modelo de TEA induzido por VPA em ratos. METODOLOGIA: O modelo de autismo foi induzido em ratos Wistar por injeção s.c. de VPA no dia pós-natal (DPN) 14, seguido de suplementação com óleos no DPN 15, por 25 dias. Para analisar efeitos do tratamento na atividade locomotora e nos padrões de ansiedade, realizou-se o teste de campo aberto no DPN 24. A ação exploratória do animal foi registrada durante 5 min. Os parâmetros analisados foram: número de quadrados atravessados com as 4 patas [crossings 1 - locomoção], tempo parado 2, número de groomings 3 (estereotipia de auto-limpeza) e rearings 4 (exploração vertical). RESULTADOS: Parâmetro 1 o grupo mix 3 + AV apresentou D.P. (49,31±2,73), onde significa maior exploração do meio; e o grupo VPA apresentou maior valores nos demais parâmetros: 2 D.P. (124,1±7,79), 3 D.P. (2,77±0,22), 4 D.P (15,89±2,45). CONCLUSÃO: Observou-se que o grupo mix3+AV apresentou menos ansiedade e melhor exploração da atividade locomotora. O grupo VPA apresentou comportamentos ansiogênico, maior tempo parado “medo” e movimentos estereotipados, característico do TEA. O projeto se encontra em andamento para finalização dos dados.
Publicado
2019-01-01
Seção
Encontro de Pesquisa e Pós-Graduação – PRPPG