HÉRNIA INCISIONAL APÓS LAPAROTOMIA: UM RELATO DE CASO

  • Ana Clara de Souza Correa
  • Daniel Hardy Melo, Eladio Pessoa de Andrade Filho, Raimundo Nonato Lira Pompeu de Saboya, Carol Leal de Miranda
  • Carolina da Silva Carvalho

Resumo

Introdução: A hérnia incisional (HI) é um achado muito comum, principalmente após laparotomia, com uma incidência de aproximadamente 15 a 20%. Nos EUA são realizadas cerca de 2 milhões de laparotomias anualmente, e mais de 100.000 cirurgias voltadas ao tratamento da HI1.No Brasil nota-se uma carência de dados epidemiológicos e etiopatogênicos acerca do referido assunto. O objetivo desse trabalho foi descrever o caso de HI de um cadáver do Laboratório de Anatomia da Universidade Federal do Ceará, Sobral. Esse achado, ressalta a prevalência e a importância clínica de estudos da parede anterolateral do abdome por acadêmicos do curso de medicina, identificando as regiões de fragilidade na parede abdominal e técnicas de suturas apropriadas. Metodologia: Durante procedimentos rotineiros de dissecação foi identificado a protrusão do omento maior (prega peritoneal) em cadáver do sexo feminino, 52 anos de idade. A herniação localizada na região mediana do hipogástrio pode ser caraterizada pela invasão da tela subcutânea do abdome. Resultado e Discussão: Próximo a incisão transversal (Pfannenstiel) observa-se resquícios de linhas de sutura, indicativo de uma provável laparotomia cesárea. A abertura da herniação localizava-se a 7,5 cm da cicatriz umbilical; 4,5 cm da sínfise púbica; 12,5 cm da espinha ilíaca anterossuperior direita; 10,5 cm da espinha ilíaca anterossuperior esquerda.O orifício da hérnia apresentava um diâmetro transverso de 2,2 cm e vertical de 1,6 cm. No Brasil, dados de pesquisas nacionais, pontuaram que a incisão mais herniogênica foi a mediana supra e infra-umbilical2,3. Recentes estudos têm destacado a importância da utilização de suturas não absorvíveis ou lentamente absorvíveis no fechamento da parede abdominal, reduzindo os riscos de herniações1,4.Conclusão: Com base nessas informações e na escassez de dados sobre essa temática envolvendo a população brasileira, estudos anátomo-clínicos se fazem necessários dentro do âmbito acadêmico.
Publicado
2019-01-01
Seção
Encontro de Iniciação à Docência – PROGRAD