O USO DO "BODY PAINT" NA DISCIPLINA DE SEMIOLOGIA MÉDICA: PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES

  • Antonio Romério Leite de Macêdo
  • NULL
  • Geison Vasconcelos Lira

Resumo

Introdução: Tendo em vista a necessidade de aprimorar as metodologias de ensino da semiologia para os alunos do quarto semestre, aplicou-se o “body paint” com o intuito de alcançar tal objetivo. O “body paint” deriva do “Body Art”, uma tendência artística que surgiu na década de 60. Nessa modalidade artística, o corpo humano se torna uma espécie de “tela viva” na qual o pintor representa sua arte. Nas aulas, essa técnica foi utilizada para desenhar as estruturas anatômicas a serem estudadas em um aluno voluntário para que os demais pudessem visualizar melhor a topografia das estruturas que estavam examinando através das manobras semiológicas. Objetivo: Analisar como os alunos avaliam o uso do “body paint” como técnica de aprimoramento do ensino da semiologia médica. Metodologia: Os monitores de semiologia participaram de uma capacitação a respeito da aplicação do “body paint” no estudo da anatomia humana. Após tal capacitação, a técnica passou a ser utilizada nas oficinas de semiologia. Ao final do semestre, foram distribuídos questionários para a turma avaliar tal modalidade de ensino nos seguintes quesitos: compreensão dos achados semiológicos, entendimento das técnicas semiológicas, satisfação quanto à maneira como foi aplicada, avaliação geral do uso da técnica e se ajudou nas práticas em enfermarias. Resultados: Ao todo, 27 alunos responderam ao questionário. Destes, 21 afirmaram que a técnica havia ajudado a compreender os achados semiológicos e 25 informaram que ajudou a entender as técnicas semiológicas. Além disso, 74% disseram estarem satisfeitos com a maneira como a modalidade foi aplicada. Dos que mostraram insatisfação, a principal crítica foi quanto à habilidade e precisão dos desenhos. Já quanto à avaliação global do uso do “body paint” nas oficinas, 92,5% julgaram como boa, muito boa ou excelente e 74% responderam que a metodologia ajudou a conhecer melhor a topografia dos órgãos nos exames clínicos feitos na enfermaria.
Publicado
2019-01-01
Seção
Encontro de Iniciação à Docência – PROGRAD