IDENTIFICAÇÃO E IMAGEM: UMA LEITURA PSICANALÍTICA DO SERIADO BLACK MIRROR

  • Priscilla Hadassa Rabelo Gomes Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e Bolsista de Extensão do Projeto “Cine Freud, Cultura e Arte”.
  • Filipe Ramalheiro Venâncio de Souza Graduando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e Bolsista de Extensão do Projeto “Cine Freud, Cultura e Arte”
  • Caciana Linhares Pereira Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora adjunta do Departamento de Psicologia da UFC. Coordenadora do Projeto de Extensão “Cine Freud, Cultura e Arte"
Palavras-chave: Psicanálise. Black Mirror. Identificação. Imagem.

Resumo

Partindo do pressuposto de que a arte testemunha o espírito de um tempo, o artigo faz uma breve exposição dos conceitos de identificação e imagem, articulando-os ao episódio Urso Branco (2013), do aclamado seriado Black Mirror e exibido no Projeto de Extensão Cine Freud, Cultura e Arte em 2017.1. A metodologia ordenou-se pela análise do episódio, pelos elementos focalizados no debate e pela pesquisa bibliográfica. A hipótese levantada é a de que o episódio expõe o apelo à imagem presente no atual funcionamento social. Deste apelo, falamos de seus desdobramentos e daquilo que nos remete à lógica de funcionamento do mito. Observamos que a crítica debordiana em torno da noção do "histórico" pode articular-se a aspectos da proposição ética da psicanálise em sua relação com a emergência do sujeito. O sujeito, aqui, situa-se numa zona de ruptura frente à lógica especular, apontando para o caráter irredutível da alteridade

Referências

AQUINO, J. E. F. Reificação e linguagem em Guy Debord. Fortaleza: Eduece/Unifor, 2006.

BENJAMIN, W. Destino e Caráter (1919). In:______. Escritos sobre mito e linguagem (1915/1921). Organização, apresentação e notas de Jeanne Marie Gagnebin; Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2013. p.89-99.

BENJAMIN, W. Para a crítica da violência (1921). In:______. Escritos sobre mito e linguagem (1915/1921). Organização, apresentação e notas de Jeanne Marie Gagnebin; Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2013. p.121-156.

BRAUNSTEIN, N. Gozo. Tradução de Monica Seincman. São Paulo: Escuta, 2007.

DAVID-MÉNARD, M. Identificação e histeria. In: MANNONI, M. et al. As identificações: na clínica e na teoria psicanalítica. Organização, tradução e prefácio Ari Roitman. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DEBORD, G. (1967) Sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000

JORGE, M. A. C. Lacan, o grande freudiano. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

MIELI, P. Espaço-tempo da identificação. In:______. Figuras do espaço: sujeito, corpo, lugar. Tradução: Yolanda Vilela. São Paulo: Annablume, 2016. p.58-62.

ROUDINESCO, E; PLON, M. Dicionário de psicanálise. Tradução Vera Ribeiro; Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

WHITE BEAR, segunda temporada: Urso branco. Criação: Charlie Brooker. Direção: Carl Tibbetts. Produção: Barney Reisz. Reino Unido, 2013. (44 min).

Publicado
2017-12-26