INTERNATO DE ENFERMAGEM NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: CONTRIBUIÇÕES NA CONSTRUÇÃO DA AGENDA PROGRAMADA DO HIPERDIA

  • Ana Jessyca Campos Sousa Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Conceição de Maria Farias Sousa Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Glênia Costa Aguiar Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Ana Suelen Pedroza Cavalcante Universidade Federal do Ceará
  • Diógenes Farias Gomes Universidade Federal do Ceará
  • Sibele Pontes Rocha Universidade Federal do Ceará
  • Mônica Elisa Tomás Vasconcelos Tibúrcio Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Andrea Linhares Cavalcante Mouzinho Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Maristela Inês Osawa Vasconcelos Universidade Estadual Vale do Acaraú
Palavras-chave: Agenda de prioridades em saúde. Estratégia Saúde da Família. Intervenção comunitária.

Resumo

O envelhecimento da população contribuiu com a expansão das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), sendo estas um relevante problema de saúde pública. Entre essas condições destacam-se a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e a Diabete Mellitus (DM), sendo a obesidade, o sedentarismo, a genética e a hereditariedade os principais fatores de risco. O objetivo do estudo é relatar a experiência da criação da Agenda Programada do Hiperdia em um CSF do interior do estado do Ceará. Trata-se de um relato de experiência desenvolvido durante o módulo Internato I do curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) localizada no interior do estado do Ceará, durante o ano de 2018. A intervenção configurou-se na criação da Agenda, que corresponde ao cronograma anual das consultas dos pacientes diabéticos e hipertensos para os profissionais enfermeiros e médicos. Após a implementação da Agenda, a equipe evidenciou resultados positivos com relação ao número de consultas realizadas, mesmo não tendo atingido 100%, a frequência dos atendimento melhoraram significativamente. A intervenção funcionou como ferramenta importante para a organização do serviço. Após sua implantação foi notória a construção de maior vínculo com os usuários e maior comparecimento as consultas.

Biografia do Autor

Ana Jessyca Campos Sousa, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Acadêmica de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú
Conceição de Maria Farias Sousa, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Acadêmica de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú
Glênia Costa Aguiar, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Enfermeira. Gerente na Estratégia Saúde da Família do Município de Sobral - Ce
Ana Suelen Pedroza Cavalcante, Universidade Federal do Ceará
Enfermeira. Mestre em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará. 
Diógenes Farias Gomes, Universidade Federal do Ceará
Enfermeiro. Mestre em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará.
Sibele Pontes Rocha, Universidade Federal do Ceará
Enfermeira. Mestranda em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará
Mônica Elisa Tomás Vasconcelos Tibúrcio, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Enfermeira da Estratégia Saúde da Família do município de Sobral - Ce
Andrea Linhares Cavalcante Mouzinho, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Enfermeira da Estratégia Saúde da Família do município de Sobral - Ce
Maristela Inês Osawa Vasconcelos, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Docente do curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú

Referências

ALBUQUERQUE, I.M.N. et al. Epidemiologia da Hipertensão e Diabetes no Município de Sobral-Ce: Contribuições para a Gestão do Cuidado. Edições UFC, p. 145-159, 2016.

ALVES, J.B. et al. Estratégias de ensino e aprendizagem no internato hospitalar de enfermagem de um currículo integrado. Rev enferm UFPE on line., Recife, n. 11, v.11, p. 4289-97, nov., 2017.

BARRETO, V.H.L. O INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PERNAMBUCO: visão de preceptores sobre o processo de ensino-aprendizagem nps cenários de prática. Tese. (Mestre Profissional em Ensino em Ciências da Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo – SP, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano de reorganização da atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde/Ministério da Saúde, 2001.

Cabral Júnior LP. Proposta de criação de agenda programada de consultas na UBS rural de Flor de Minas (MG). Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família) - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba – MG, 2014.

CAVALCANTE, B.L.L.; LIMA, U.T.S. Relato de experiência de uma estudante de Enfermagem em um consultório especializado em tratamento de feridas. Journal of Nursing and Health, v. 1, n. 2, p. 94-103, 2012.

DIAS, D.G.; STOLZ, P.V. Projeto de extensão vivências para acadêmicos de enfermagem no Sistema Único de Saúde na perspectiva do acadêmico. Journal of Nursingand Health, v. 2, n. 2, p. 440-445, 2012.

FELIPETTI, F.A; HOSHI T.A; NASSAR C.A. Prevalência de hipertensos e diabéticos cadastrados e acompanhados pelas unidades de saúde do município de Cascavel – Paraná. Revista APS, v. 19, n. 1, p.77 – 84, 2016.

Guia do internato I. Atenção Primária à Saúde. Sobral/Ce. 2018, 9 p.

IGNOTTI, B.S. et al. Estruturação do Internato de Enfermagem na percepção dos Internos. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 38, n. 4, p. 444 – 450, 2014.

IMPERATORI, E.; GIRALDES, M. Metodologia do Planeamento em Saúde – Manual para uso em serviços centrais, regionais e locais. 3ª ed. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública, 1993.

MARINHO, F.; PASSOS, V.M.A.; FRANÇA, E.B. Novo século, novos desafios: mudança no perfil da carga de doença no Brasil de 1990 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 25, n. 4, p.713-724, 2016.

MATTOSINHO, M.M.S. et al. The world of work: some aspects experienced by professional nurses recently. Acta Paulista de Enfermagem, v. 23, n. 4, p. 466-471, 2010.

Ministério da Saúde. Departamento da Atenção Básica. E-SUS AB. 2013.

O Povo Online. 41% da população adulta do Ceará possui alguma doença crônica. Ceará. Disponível em: <https://www20.opovo.com.br/app/fortaleza/2014/12/10/noticiafortaleza,3361086/41-da-populacao-adulta-do-ceara-possui-alguma-doenca-cronica.shtml>, acesso em: 01 de mai. 2018.

SILVA, J.V.M. et al. Avaliação do Programa de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus na visão dos usuários. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 68, n 4, p.626-32, 2015.

SILVA, T.G. et al. Estágio Curricular Supervisionado: relato dos desafios encontrados pelos (As) estudantes. Arquivos de Ciências da Saúde UNIPAR, v. 21, n. 2, p. 119-122, 2017.

SOBRAL. Programação e Agenda na Atenção Primária à Saúde de Sobral Macroprocessos 9 e 10. Coordenação de Atenção à Saúde. Sobral/Ce, 2018.

Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão / Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertens ao_associados.pdf, acesso em: 15 mai. 2017.

SOUZA, N.P.G. et al. Adoecimento por hipertensão arterial e Diabetes Mellitus: concepções de um grupo de pacientes hospitalizados. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 52-7, 2015.

TRINDADE, F.T. et al. Perfil clínico, social e motivos de faltas em consultas de hipertensos e/ou diabéticos. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 15, n. 2, p.496-505, 2013.

Publicado
2019-09-12