RE-EXISTÊNCIAS DECOLONIAIS FRENTE ÀS VIOLÊNCIAS:

EXPERIÊNCIAS EXTENSIONISTAS EM PERIFERIAS FORTALEZENSES

  • Aldemar Ferreira da Costa Universidade Federal do Ceará
  • Ingrid Sampaio de Sousa Universidade Federal do Ceará
  • Lena Iório Dias Universidade Federal do Ceará
  • Isabelle de Castro Rocha Sampaio Universidade Federal do Ceará
  • Jessica Silva Rodrigues Universidade Federal do Ceará
  • João Paulo Perreira Barros Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Juventudes., Violências, Subjetividades, Psicologia, Decolonialidade

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar experiências do Projeto de Extensão Re-Tratos da Juventude, no ano de 2018, em periferias de Fortaleza. Tais experiências visaram potencializar inter(in)venções que problematizassem práticas sociais institucionais junto a juventudes e seus efeitos de subjetivação em territorialidades periferizadas. Teoricamente, as ações se apoiaram no campo da Psicologia Social, em seus diálogos com estudos pós-estruturalistas e pós/decoloniais. As ações do projeto se deram pela criação de oficinas em territorialidades com altas taxas de letalidade juvenil. Nos resultados e discussões, são apresentadas ações na região do Mondubim e Grande Bom Jardim, com a participação de jovens, familiares de jovens vítimas de homicídio e trabalhadores sociais que atuam com juventudes nessas regiões.

Biografia do Autor

Aldemar Ferreira da Costa, Universidade Federal do Ceará

Graduado em Psicologia e mestrando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do VIESES.

Ingrid Sampaio de Sousa, Universidade Federal do Ceará

Graduada em Psicologia e Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do VIESES.

Lena Iório Dias, Universidade Federal do Ceará

Graduada em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Isabelle de Castro Rocha Sampaio, Universidade Federal do Ceará

Graduanda de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do VIESES.

Jessica Silva Rodrigues, Universidade Federal do Ceará

Mestre em Psicologia e Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do VIESES.

João Paulo Perreira Barros, Universidade Federal do Ceará

Professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordenador do VIESES: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação.

Referências

ALMEIDA, S. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BENTO, B. Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação?. Cad. Pagu, Campinas, n. 53, e185305, 2018 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332018000200405&lng=en&nrm=iso&gt;. Acesso em: 21 Nov. 2018.

BORGES, J. O que é encarceramento em massa? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

_____. Corpos em aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

COIMBRA, C. Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de Janeiro: Intertexto, 2001.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2005.

_____. Segurança, território, população. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2008.

_____. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GUATTARI, F. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. 3. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

MBEMBE, A. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antigona, 2014.

_____. Políticas da Inimizade. Lisboa: Antigona, 2017.

MELO, D; CANO, I. Índice de homicídios na adolescência: IHA 2014. Rio de Janeiro: Observatório de Favelas, 2017.

SALES, M. (In)visibilidade perversa: adolescentes infratores como metáfora da violência. São paulo: Cortez, 2007.

Publicado
2020-08-20