HISTÓRIAS DESMEDIDAS: REFLEXÕES SOBRE EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO COM JOVENS (IN)VISIBILIZADOS

  • Carla Jéssica de Araújo Gomes Universidade Federal do Ceará
  • Clara Oliveira Barreto Cavalcante Universidade Federal do Ceará
  • João Paulo Pereira Barros Universidade Federal do Ceará
  • Larissa Ferreira Nunes Universidade Federal do Ceará
  • Filipe Augusto Barbosa Alencar Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Juventudes, Direitos Humanos, Socioeducação, Violências, Psicologia Social.

Resumo

Este artigo objetiva relatar experiências do projeto de extensão Histórias Desmedidas de 2016 a 2018, junto a jovens, de 15 a 29 anos, em cumprimento de medida socioeducativa na cidade de Fortaleza e em situação de encarceramento. O projeto ampara-se teórico-metodologicamente no campo da Psicologia Social, em seus diálogos com estudos pós estruturalistas, da criminologia crítica e críticos à colonialidade, bem como com produções de áreas afins que tematizam criticamente juventudes, violências e políticas públicas. O projeto se operacionalizou, nestes anos, em duas frentes de ação: a primeira consistiu na realização de atividades com adolescentes e jovens em cumprimento de medida socioeducativa de meio aberto, mediante a metodologia de oficinas, enquanto a segunda se voltou à incidência técnico-política nos sistemas socioeducativo e prisional a partir da participação em comissões e comitês ligados aos monitoramentos realizados por organizações da sociedade civil atuantes da defesa de direitos humanos. As ações do projeto foram registradas a partir de diários de campo ao longo do processo e de relatórios, ao final de cada ano. Nos resultados, apresentamos a participação da equipe de extensão na facilitação de 32 oficinas com adolescentes e jovens em cumprimento de medida de liberdade assistida e prestação de serviço à comunidade, no 4º monitoramento do sistema socioeducativo realizado pelo Fórum-DCA e no Comitê Estadual de Monitoramento da Política Nacional para Mulheres Privadas de Liberdade e Egressas do Sistema Prisional. Concluímos este artigo reiterando a importância de tais experiências extensionistas para a formação em psicologia a partir de um paradigma ético-estético-político.

Biografia do Autor

Carla Jéssica de Araújo Gomes, Universidade Federal do Ceará
Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará; Integrante do VIESES: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação.
Clara Oliveira Barreto Cavalcante, Universidade Federal do Ceará
Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do VIESES: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação.
João Paulo Pereira Barros, Universidade Federal do Ceará
Professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordenador do VIESES: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação.
Larissa Ferreira Nunes, Universidade Federal do Ceará
Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do VIESES: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação.
Filipe Augusto Barbosa Alencar, Universidade Federal do Ceará
Mestrando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrante do VIESES: Grupo de Pesquisas e Intervenções sobre Violência, Exclusão Social e Subjetivação.

Referências

BATISTA, V.M. Difíceis Ganhos Fáceis. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BORGES, J. O que é encarceramento em massa? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BRASIL, Departamento Penitenciário Nacional. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN Mulher 2ª ed., 2018. – Disponível em <http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen-mulheres/infopenmulheres_arte_07-03-18.pdf>. Acesso em 23 de jan. de 2019.

CEDECA. 4 Relatório de Monitoramento do Sistema Socioeducativo do Ceará: Meio Fechado, Meio Aberto e Sistema de Justiça Juvenil. Fortaleza: FÓRUM DCA, 2017.

CEDECA CEARÁ. Análise do orçamento público do sistema socioeducativo. Fortaleza. Nota técnica Nº 02/2014.

CERQUEIRA, D. R. C. et al. Atlas da Violência. Rio de Janeiro: Fórum Brasileiro de Segurança Pública/Ipea, 2017

CERQUEIRA, D. R. C. et al. Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro: Fórum Brasileiro de Segurança Pública/Ipea, 2018. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=33410&Itemid=432>. Acesso em: 23 jan. 2019

DIÓGENES, G. Juventude, exclusão e construção de políticas públicas: estratégias e táticas. In: Mendonça Filho, M.; Nobre, M. Política e afetividade: narrativas e trajetórias de pesquisa. Salvador: EDUFBA: EDUFS, 2009.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2005.

HILLESHEIM, B.; CRUZ, L. R. Risco, vulnerabilidade e infância: algumas aproximações. Psicologia e Sociedade, v. 20, n. 2, p. 192-199, 2008.

MBEMBE, A. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antigona, 2014.

MBEMBE, A. Política da Inimizade. Lisboa: Antigona, 2017.

MELO, D. L. B; CANO, I. Índice de Homicídio na Adolescência: IHA 2012. Rio de Janeiro: Observatório de Favela, 2014.

MISSE, M. Sujeição Criminal. In: LIMA, R. ; RATTON, J.; AZEVEDO, R. (Orgs). Crime, Polícia e Justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

RODRIGUES, L.B.F. Controle penal sobre as drogas ilícitas: o impacto do proibicionismo no sistema penal e na sociedade. 2006. 273f. Tese (Doutorado em Direito) - Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo.

SALES, M. A. (In)visibilidade perversa: adolescentes infratores como metáfora da violência. São paulo: Cortez, 2007.

SCISLESKI, A. C. C.; GUARESCHI, N. M. F. (Org.). Juventude, Marginalidade Social e Direitos humanos: Da Psicologia as Políticas Públicas. 1. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

Publicado
2020-08-20