CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE SAÚDE, DESIGUALDADES SOCIAIS E VIOLÊNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

  • Larissa da Silva dos Santos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)
  • Luana Cely Karam Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).
  • Nádila da Fonseca Fraga Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).
  • Rebeca Araújo Borges Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).
  • Thiago Alexsander Oliveira Gomes Universidade Federal do Recôncavo da Bahia; Faculdade de Ciências e Tecnologia
  • Carlos Alberto Santos de Paulo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).
Palavras-chave: Saúde e Desigualdade. Violência Social. Educação em Saúde. Promoção da Saúde. Prática Interdisciplinar.

Resumo

A extensão universitária se caracteriza como a relação entre a universidade e a comunidade a qual ela está inserida. Ao assumir a perspectiva do popular, a extensão passa a exercer um papel transformista no campo da saúde, desenvolvendo valores norteadores que visam a troca de saberes de ambas as partes, caracterizando o modelo pedagógico de Educação Popular proposto por Paulo Freire. Objetivou-se, assim, expor como a extensão universitária pode contribuir para a formação de profissionais de saúde, através de uma abordagem baseada na educação popular. Este estudo trata-se de um relato de experiência de caráter descritivo e analítico. Nele foi descrito o Módulo III: Diferenças sociais: Da desigualdade à violência, pertencente ao Curso de Educação Popular em Saúde, ofertado para 22 educadores dos Espaços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (CRIAR) de um município do Recôncavo Baiano, em 2019. Para a realização do Módulo III foi feito uso de dinâmicas e exibição de vídeos, que mediaram as discussões acerca dos temas propostos: desigualdade social, saúde, privilégio e violência racial e de gênero. Os educadores demonstram resultado satisfatório. As ações extensionistas realizadas conseguiram cumprir sua missão de firmar o forte vínculo com a comunidade trabalhada, por meio da Educação Popular que suscitou uma abordagem mais efetiva. Diante disso, a Universidade foi capaz de cumprir seu papel de agente transformador da realidade.

Biografia do Autor

Larissa da Silva dos Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Estudante de Graduação do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Luana Cely Karam Pereira, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Estudante de Graduação do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Nádila da Fonseca Fraga, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Estudante de Graduação do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Rebeca Araújo Borges, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Estudante de Graduação do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Thiago Alexsander Oliveira Gomes, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia; Faculdade de Ciências e Tecnologia

Estudante de Graduação do Bacharelado em Interdisciplinar em Saúde, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e do Bacharelado em Odontologia, da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC).

Carlos Alberto Santos de Paulo, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Doutor e Mestre em Política Social pela Universidade de Brasília (UnB). Professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. 

Referências

DEL-MASSO, Maria Candida Soares et al. Extensão universitária e as demandas sociais. Revista Ciência em Extensão, v. 11, n. 1, p. 2-7, 2015. Disponivel em: <http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/1247>

JĀHĀNA, Selima. Human development report 2016: human development for everyone. United Nations Publications, 2016. Disponível em: <http://hdr.undp.org/sites/default/files/2016_human_development_report.pdf>

LEITE, Maria Francilene et al. Extensão Popular na formação profissional em saúde para o SUS: refletindo uma experiência. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, p. 1569-1578, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.04.

MELO, José Francisco de. Extensão popular / José Francisco de Melo. 2.ed. - João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. 122p. Disponível em: <http://www.ccm.ufpb.br/redepopsaude/wp-content/uploads/2016/06/Extensão-Popular.pdf>

MINAYO, Maria Cecília de S.; SOUZA, Edinilsa R. de. Violência para todos. Cadernos de Saúde Pública, v. 9, p. 65-78, 1993. Disponível em: <https://www.scielosp.org/pdf/csp/1993.v9n1/65-78/pt>

MINAYO, Maria Cecília de Souza; SOUZA, Edinilsa Ramos de. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, p. 7-23, 1999. Disponível em: <https://www.scielosp.org/pdf/csc/1999.v4n1/7-23/pt>

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE; KRUG, Etienne G. Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2002. Disponível em: <http://portal.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/doc/01_03_2010_9.48.45.b08c211d429981fb3856eaf7ec4807b1.doc>

RODRIGUES, Andréia Lilian Lima et al. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Caderno de Graduação-Ciências Humanas e Sociais-UNIT, v. 1, n. 2, p. 141-148, 2013. Disponível em: <https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/view/494/254>

United Nations Children's Fund (UNICEF). O impacto do racismo na infância. Brasília. 2010. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/br_folderraci.pdf>

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Projeto Pedagógico do Curso do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde (BIS). Portaria N° 890/2014. Cruz das Almas: 2016. Disponível em: <https://www.ufrb.edu.br/ccs/images/AscomCCS/BIS/PPC/PPC-BIS---2017.pdf>

Publicado
2019-09-12