(TRANS)PASSANDO DIÁLOGOS: ABORDANDO SEXUALIDADE, GÊNERO E SAÚDE NO AMBIENTE ESCOLAR

Palavras-chave: Educação Sexual, Atenção Primária à Saúde, Gênero e Saúde, Direitos Humanos.

Resumo

A escola possui papel central na educação sexual, sendo um relevante espaço formativo para realizar ações em saúde. Nesse sentido, o presente trabalho relata duas experiências de estudantes da saúde ao realizar ações voltadas para educação sexual e preconceitos de gênero em escolas públicas de nível fundamental, visando a promoção e defesa de direitos humanos no espaço escolar. Além disso, o artigo objetiva analisar as potencialidades e dificuldades identificadas pelos estudantes universitários durante a realização dessas ações. As duas experiências foram realizadas com o apoio de funcionários de Unidades Básicas de Saúde presentes na área de abrangência das escolas envolvidas nas dinâmicas. Ambas as atividades partiram de questões a serem problematizadas que abordavam preconceitos sexuais e de gênero observados no ambiente escolar. Após isso, foram propostas dinâmicas que buscassem a familiaridade dos estudantes com a temática, respeitando a faixa etária dos envolvidos. Em ambas as atividades foi obtida a participação ativa dos alunos das escolas públicas, bem como relatos de preconceitos e situações de homofobia vivenciados por eles no ambiente de ensino. À luz das dinâmicas, o grupo pôde concluir que espaços de discussão dessas temáticas são necessários dentro do contexto da educação básica, em que ainda constata-se relatos que evidenciam estereótipos de gênero e preconceitos sexuais. Pôde-se também observar, a partir da experiência, que os principais desafios de ensino-aprendizagem envolvidos no processo são o estabelecimento de diálogos horizontais, não centrados no professor ou profissional de saúde, que empoderem os estudantes no compartilhamento de  experiências e percepções acerca dessa temática.

Biografia do Autor

Lineker Fernandes Dias, Universidade Federal de Uberlândia
Discente do Curso de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia.
Alirio Resende Costa, Universidade Federal de Uberlândia
Residente de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).
Tais Ferreira Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia
Psicóloga pela Universidade Federal de Uberlândia.
Viviane Pereira Bernardes, Universidade Federal de Uberlândia
Discente do Curso de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia.
Rebeca Raissa Bezerra de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia
Discente do Curso de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia.
Nicole Geovana D Dias, Universidade Federal de Uberlândia
Médica de Saúde da Família e Comunidade. Docente do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Referências

BARBOSA, L. U. et al. O silêncio da família e da escola frente ao desafio da sexualidade na adolescência. In: COPETTI, J.; SOARES, R.; FOLMER, V. (Orgs). Educação e saúde no contexto Escolar: compartilhando vivências, explorando possibilidades. 2.ed. Uruguaiana: Universidade Federal do Pampa, 2018. p. 136-143.

BELTRÃO, M. E.; BARROS, S. M. de. Questões de gênero e sexualidade na educação básica: perspectivas de ensino. Humanidades & Inovação, v. 4, n. 6, dez. 2017.

BRASIL, Ministério Da Saúde. Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais: subtítulo do livro. 1 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 32 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2016. Seção 1. p. 44-46. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf . Acesso em: 15 de abril de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Passo a passo PSE programa saúde na escola: tecendo caminhos da intersetorialidade. Brasília (DF); 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Direitos Humanos e Cultura de Paz. Cadernos De Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

CARVALHO, S. B. O.; DUARTE, L. R.; GUERRERO, J. M. A. Parceria ensino e serviço em unidade básica de saúde como cenário de ensino-aprendizagem. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p.123-144, abr. 2015.

DINIS, N. F.. Homofobia e educação: quando a omissão também é signo de violência. Educar em Revista, Curitiba, n. 39, p.39-50, abr. 2011.

FRAGA, Lais Silveira. Transferência de conhecimento e suas armadilhas na extensão universitária brasileira. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 22, n. 2, p. 403-419, jul. 2017.

FRANÇA, F. F.; CAUSA, G. C.. A escola como um ambiente que (re)produz representações de gênero: como repensá-las?. Revista educação, cultura e sociedade, Sinop, v. 7, n. 1, p. 14-31, jan./jun. 2017.

FREIRE A.K.S., et al. Aspectos psicossociais da sexualidade na adolescência: diálogos e aprendizagem na escola. Semina: ciências biológicas e da saúde, v. 38, n. 1, p. 111-222, jan/jun, 2017.

GESSER, M. et al. Docência e concepções de sexualidade na educação básica. Psicologia & Sociedade, v.27, n.3, 558-568, Belo Horizonte, set./dez. 2015.

MAIA, A. L. de M. M.; MEDEIROS, I.; FERREIRA, D. G.. SEXUALIDADE: UMA NOVA ÁREA DE CONHECIMENTO. Saúde & Conhecimento-Jornal de Medicina Univag, v. 2, 2018.

MARCON, A. N.; PRUDÊNCIO, L. E. V.; GESSER, M. Políticas públicas relacionadas à diversidade sexual na escola. Psicologia Escolar e Educacional, Florianópolis, v. 20, n. 2, p.291-302, ago. 2016.

MORAES, S. P. de; BRÊTAS, J. R. S.; VITALLE, M. S. S.. Educação escolar, sexualidade e adolescência: uma revisão sistemática. Journal of health sciences, v. 20, n. 3, p. 221-230. 2018.

NOTHAFT, S. C. S. et al. Educators' perspective on adolescent sexuality: possible education practices. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 18, n. 2, p.284-289, abr/jun, 2014.

OLIVEIRA, R. N. G. de et al. Limites e possibilidades de um jogo online para a construção de conhecimento de adolescentes sobre a sexualidade. Ciência & Saúde coletiva, [S.L.], v. 21, n. 8, p. 2383-2392, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Declaração de Alma-Ata. Alma-Ata: OMS, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, 1978. Disponível em: http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/07/Declara%C3%A7%C3%A3o-Alma-Ata.pdf. Acesso em 15 de abril de 2019.

PINHEIRO, A.S.; SILVA, L.R.G. da; TOURINHO, M.B.A.C. A estratégia saúde da família e a escola na educação sexual: UMA PERSPECTIVA DE INTERSETORIALIDADE. Trabalho, Educação e Saúde, FapUNIFESP (SciELO). Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p.803-822, dez. 2017.

QUEIROZ, M. V. O. et al. Cuidado ao adolescente na atenção primária: discurso dos profissionais sobre o enfoque da integralidade. Revista Rene, Fortaleza, v. 12, p. 1036-1044. 2011.

SALGADO, R. G.; MARTINS-GARCIA, P. F. Em nome dos cuidados, da proteção e da educação: infância, corpo, gênero e sexualidade como discursos entre professoras da educação infantil. Zero-a-seis, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, v. 20, n. 37, p.112-124, 21 maio 2018.

UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Lesson Plan: International Day Against Homophobia and Transphobia. Paris (França), 2014.

VIEIRA M.P., et al . Espaço dialógico sobre sexualidade na adolescência: e agora, professor? REVASF, v. 7, n. 14, 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO regional strategy on sexual and reproductive health. Copenhague (Dinamarca), 2001. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0004/69529/e74558.pdf. Acesso em 15 de abril de 2019.

Publicado
2019-09-12