JUVENTUDE E ESPAÇOS SOCIAIS: UMA ANÁLISE CONCEITUAL

  • Tarciana Campos Universidade Federal do Ceará
  • Alexandre Barbalho Universidade Estadual do Ceará
Palavras-chave: Juventude, Comunicação, Espaços Sociais.

Resumo

O artigo analisa as concepções teóricas de Margulis e Urresti (2000), que, para pensar a juventude, vinculam questões sociais, culturais e históricas aos estudos. Dessa forma, é possível aos autores discutirem quais são as condições em que uma sociedade constrói o seu referencial do que é juventude. Os autores propõem, portanto, uma recategorização do conceito, a qual busca não isolar, mas sim considerar relacionados este conjunto de aspectos: a idade cronológica, a moratória social, a questão geracional e a moratória vital. Em vez de repetir na teoria exclusões que ocorrem no cotidiano, esses aspectos relacionados por Margulis e Urresti possibilitam reconhecer que a juventude é acessível a outras classes sociais, de forma que também classes populares têm seus jovens. Sob essa perspectiva, procuramos ainda descrever alguns aspectos dos espaços sociais por onde circulam esses sujeitos.

Biografia do Autor

Tarciana Campos, Universidade Federal do Ceará
Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará – PPGCOM/UFC.
Alexandre Barbalho, Universidade Estadual do Ceará
Professor adjunto do PPG em Políticas Públicas da Universidade Estadual do Ceará e do PPG em Comunicação da Universidade Federal do Ceará e Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia.
Publicado
2011-07-18
Como Citar
Campos, T., & Barbalho, A. (2011). JUVENTUDE E ESPAÇOS SOCIAIS: UMA ANÁLISE CONCEITUAL. Passagens, 2(1). Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/passagens/article/view/1152
Seção
Artigos