HOLOGESTOS: PRODUÇÕES LINGUÍSTICAS NUMA PERSPECTIVA MULTIMODAL

  • Mariane Cavalcante Universidade Federal da Paraíba

Resumo

Este trabalho visa mapear a emergência dos gestos produzidos em situações interativas mãe-bebê, nos primeiros dezoito meses de vida do bebê, o que denominamos de hologestos. Tais gestos articulados com a produção de fala em situações interativas diádicas (holófrases), permitem compreender a emergência da linguagem em aquisição, a partir de um envelope multimodal em que co-atuam quatro planos: olhar, prosódia, gesto, produção verbal. Para isso, trabalhamos com dados videografados de duas díades mãe-bebê, percorrendo os primeiros dezoito meses de vida da criança. Resultados indicam que aliar as holófrases aos primeiros usos gestuais na infância permite observar a emergência de certos gestos tais como emblemas e pantomimas. Estes gestos são coincidentes com as primeiras produções verbais (holofrásticas), e, num momento mais adiante, o surgimento da gesticulação – que por se relacionar ao fluxo da fala - vem aparecer por volta dos 15/18 meses, quando a criança já apresenta maior encadeamento verbal e sua produção de fala envolve blocos prosódicos maiores. Isto permite nos afastarmos de uma concepção de primitivismo gestual e de seu caráter pré-linguistico. Isto é, defendemos a perspectiva de que os gestos não guardam o lugar da fala na aquisição da linguagem, seu estatuto não seria pré-linguístico. Ao invés disso, consideramos o gesto como co-partícipe, já que ele constitui a matriz da linguagem.

Palavras-chave: Gestos; Multimodalidade; Aquisição da linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
CAVALCANTE, M. HOLOGESTOS: PRODUÇÕES LINGUÍSTICAS NUMA PERSPECTIVA MULTIMODAL. Revista de Letras, v. 1, n. 31, 11.