Política de indexação em arquivos de instituições de saúde

Palavras-chave: Política de indexação, Gestão documental, Arquivos, Instituições de saúde

Resumo

A indexação é uma operação que, para ser bem-sucedida na representação e na recuperação, depende da definição de uma política que para sua elaboração e implementação precisa avaliar o contexto da instituição mediante requisitos para a definição de elementos e variáveis influentes tanto na indexação quanto na recuperação. Entre esses elementos está o vocabulário controlado e o processo de indexação que propiciarão especificidade e/ou exaustividade. Entretanto, antes de tudo, é necessário o debate e reflexão sobre a aplicabilidade da indexação e da política de indexação na gestão documental em âmbito arquivístico de instituições de saúde. Este trabalho, de característica ensaística, propõe uma abordagem sobre as relações existentes entre as políticas de gestão documental e de indexação com o objetivo de refletir sobre a aplicabilidade da elaboração e implementação da política de indexação no âmbito das instituições de saúde pública no Brasil. O desenvolvimento da proposta de política de indexação aplicada a arquivos de instituições de saúde revela inovação do ponto de vista sistêmico à rede nacional de saúde e a necessidade de desenvolvimento de metodologias de representação da informação dentro de uma política estabelecida em consonância com as necessidades de recuperação informacional da organização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariângela Spotti Lopes Fujita, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp)
Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1992), Livre Docente (2003) em Análise Documentária e Linguagens Documentárias Alfabéticas, Professora Titular da Universidade Estadual Paulista ?Júlio de Mesquita Filho? ? UNESP no período de 2010 a 2017. Realizou atividades de ensino, pesquisa, extensão, com enfoque na Indexação e Linguagens de Indexação, além de gestão e docência na graduação em Biblioteconomia e Arquivologia da UNESP ? Campus de Marília no período de 1980 a fevereiro de 2017. Atualmente presta serviços voluntários em ensino de pós-graduação, pesquisa e extensão na Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP ? Campus de Marília. É docente permanente na Pós-Graduação na linha de pesquisa ?Produção e Organização da Informação? do Programa em Ciência da Informação da UNESP. Como Pesquisadora atua nos Grupos de Pesquisa ?Representação Temática da Informação? (líder), ?Leitura, organização, representação, produção e uso da informação ? UFPB? e "Organização do conhecimento para disseminação da informação-UFSCar". Desenvolve atividades de pesquisa na UNESP com bolsa de Produtividade em Pesquisa do CNPq nível 1C. É membro das Sociedades Científicas de sua especialidade: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação ANCIB e do Capítulo Brasileiro da International Society for KnowledgeOrganization ISKO, no Brasil e no exterior da International Society for KnowledgeOrganization ISKO. Profissionalmente atuou como Coordenadora da Coordenadoria Geral de Bibliotecas da UNESP de abril de 1999 a janeiro de 2005. Foi Diretora da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP - Campus de Marília (2008/2012); Pró-Reitora de Extensão Universitária da UNESP (2013/2017); Membro da Comissão Permanente de Avaliação da UNESP; Membro da Comissão de Contratação Docente da UNESP; Membro do Conselho Editorial de Periódicos Científicos da UNESP, Assessora do Gabinete do Reitor da UNESP para assuntos de Biblioteca, Vice-Coordenadora do PPGCI da UNESP- Campus de Marília e membro de vários órgãos colegiados locais e centrais da UNESP. Atualmente é Assessora e Presidente do Comitê de área de Comunicação, Artes e Ciência da Informação do CNPq, Supervisora do Instituto de Políticas Públicas de Marília e Presidente da Comissão Permanente de Publicações da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP. É parecerista ad hoc de agências de fomento e participa como revisora e membro de Comitês Científicos de eventos e periódicos científicos em Ciência da Informação no Brasil e no exterior.
Sonia Maria Troitiño Rodriguez, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp)
Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo, formação em Patrimônio Cultural pela Fundación Duques de Sória/Ministério de Cultura de España e em Arquivística pela Fundación Sanchez-Albornoz/Universidad de Valladolid (Espanha). Atuou como diretora do Centro de Arquivo Permanente do Arquivo Público do Estado de São Paulo, além de trabalhar prestando consultoria nas áreas de pesquisa histórica e organização de acervos para diversas instituições. Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo, tendo desenvolvido pesquisa na linha temática Historiografia e Documentação, e professora do Departamento de Ciências da Informação da UNESP-Marília nos cursos de Arquivologia e Biblioteconomia. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Arquivologia. É coordenadora do Centro de Documentação e Memória da UNESP - CEDEM. É pesquisadora dos grupos de pesquisa;Gênese Documental Arquivística, Cultura & Gênero.

Referências

BARBADILLO ALONSO, J. Apuntes de clasificación archivística. Legajos. Cuadernos de Investigación Archivística y Gestión Documental, Publicación del Archivo Municipal de Priego de Córdoba, n. 10, p. 27–50, 2007.

BARNAND AZAMORRUTIA, A. Guía para organización y control del expediente de archivo. México, DF: Archivo General de la Nación, 2002.

BRASIL. Lei 8.159, de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 09 jan. 1991.

BRASIL. Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Arquivos. Resolução nº22 de 30 de junho de 2005. Dispõe sobre as diretrizes para a avaliação de documentos em instituições de saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 4 jul. 2005, Seção 1, p. 5. Disponível em: <https://bit.ly/2TGkqiD>. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS. Política Nacional de Informação e Informática em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 56 p. Disponível em: <https://bit.ly/2A7dKAJ>. Acesso em: 18 jun. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Arquivo Nacional. Conselho Nacional de Arquivos. Portaria nº 93 de 18 de novembro de 2010. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de novembro de 2010, Seção 1, fl.1. Disponível em: <https://bit.ly/2P1Gjp9>. Acesso em: 19 jul. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso à informações previstos no inciso XXXIII do Art. 5º, no inciso II do § 3º do Art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal: altera a Lei 8.112 11 dezembro de 1990; revoga a Lei 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências, Brasília, 2011. Disponível em: <https://bit.ly/1eKDwfY>. Acesso em: 4 ago.2018.

CARNEIRO, M. V. Diretrizes para uma política de indexação. R. Esc. Bibliotecon. UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 221-241, 1985.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução CFM nº 1821. Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos dos prontuários dos pacientes, autorizando a eliminação do papel e a troca da informação identificada em saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 23 nov. 2007, Seção 1, p. 252. Disponível em: <https://bit.ly/1Xocuzn>. Acesso em: 8 ago. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS – Conarq (Brasil). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos / Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. 1.1. versão. - Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011.

CRUZ MUNDET, J. R. La gestión de documentos en las organizaciones. Editorial: Ediciones Pirámide, Madrid, 2008.

FOSKET, A. C. A abordagem temática da informação. São Paulo: Polígono, 1973.

FUJITA, M. S. L. A política de indexação para representação e recuperação da informação. In: GIL LEIVA, I.; FUJITA, M. S. L. Política de indexação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 17-28.

FUJITA, M. S. L. Política de indexação para bibliotecas: estudo de elaboração, implantação e avaliação com pesquisa-ação integral. In: CONGRESO ISKO, 8., 2017, Espana; CONGRESO ISKO, 3., 2017, Espana-Portugal, Coimbra. Tendências Atuais e Perspectivas Futuras em Organização do Conhecimento: atas do CONGRESSO ISKO, 3., 2017. Coimbra: Universidade de Coimbra, Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX - CEIS20, 2017. v. 1. p. 213-224. Disponível em: <https://bit.ly/2THWxHu>. Acesso em: 29 jun. 2018.

FUJITA, M. S. L.; GIL LEIVA, I. A avaliação da indexação por meio da recuperação da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 43, n. 1, p. 50-66, 2014.

HEREDIA HERRERA. A. ¿Qué es un archivo? Gijón Asturias: Ediciones Trea, 2007.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1974.

LANCASTER, F. W. Information retrieval systems: characteristics, testing and evaluation. New York: John Wiley & Sons, 1968.

LLANES PADRÓN, D., FUJITA, M. S. L. La representación de documentos y autoridades archivísticas: una mirada desde la perspectiva de la normalización. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 22, n. 2, p. 211-231, abr./jun. 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2OYNr5x>. Acesso em: 16 jul. 2018.

MARTÍN-POZUELO CAMPILLOS, M. P. La construcción teórica en archivística: el principio de procedencia. Madrid: Universidad Carlos III/Boletín Oficial del Estado, 1996.

MELLO E SILVA, M. C. S. (Org.) Glossário de espécie e tipos documentais em arquivos de laboratórios. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2014.

MORIN, A. Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropedagogia renovada. Trad. de Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. 232 p.

MOTA, F. R. L. Padronização da informação em saúde. In: PINTO, V. B., CAMPOS, H. H. (Org.) Diálogos paradigmáticos sobre informação para a área da saúde. Fortaleza: Edições UFC, 2013. p. 207-44.

PINTO, V. B., SILVA NETO, C. Representação indexal como mediação informacional em prontuário do paciente. In: PINTO, V. B.; CAMPOS, H. H. (Org.) Diálogos paradigmáticos sobre informação para a área da saúde. Fortaleza: Edições UFC, 2013. p. 143-70.

SANTOS, P. R. E. Arquivos de instituições de saúde: história e políticas públicas. In: BENTES PINTO, V.; SOARES, M. E. (Org.) Informação para a área de saúde: prontuário do paciente, ontologia de imagem, terminologia, legislação e gerenciamento eletrônico de documentos. Fortaleza: Edições UFC, 2010. p. 101-114.

SECCHI, L. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2.ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013, 168 p.

SIGMOND, J. P. Form, Function and Archival Value. Archivaria, [S.l.], jan. 1991. Available at:<https://bit.ly/2r4P3kw>. Acessado em: 19 jul. 2018.

THIOLLENT, M. Metodologia pesquisa ação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 1998. 108 p.

TROITIÑO, S. Apenas um arquivista: a formação do arquivo de Lívio Xavier In: TROITIÑO, S.; LUCA, T. R. (Org.). Sobre a arte de guardar Reflexões a respeito do acervo de Lívio Xavier. 1. ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2017. v.1, p. 67-89.

TROITIÑO, S.; FUJITA, M. S. L.; NEVES, D. A. B. Indexing in records management. In: INTERNATIONAL SOCIETY FOR KNOWLEDGE ORGANIZATION (ISKO), Brazil- São Paulo, UNESP University. (Org.). Knowledge Organization for a Sustainable World:Challenges and perspectives for Cultural, Scientific, and Technological Sharing in a Connected Society. Proceedings of the Fourteenth International ISKO Conference 27-29 Set. 2016, Rio de Janeiro, Brazil. 1ed. Würzburg: ERGON VERLAG, 2016. v. 1, p. 234-242.

Publicado
2018-11-26
Como Citar
FUJITA, M. S. L.; RODRIGUEZ, S. M. T. Política de indexação em arquivos de instituições de saúde. Informação em Pauta, v. 3, n. especial, p. 95-116, 26 nov. 2018.