Auditoria de repositórios arquivísticos digitais confiáveis

  • Henrique Machado dos Santos Universidade Federal do Rio Grande
Palavras-chave: Preservação digital, Repositório digital, Arquivística, Documento digital, Confiabilidade, Autenticidade

Resumo

Este estudo discute a implementação de repositórios arquivísticos em conformidade com o Sistema Aberto para Arquivamento de Informação e a necessidade de auditá-los para avaliar sua confiabilidade. Para tanto, realiza-se um levantamento bibliográfico de materiais previamente publicados, com seleção de: livros que abordam as perspectivas da Arquivística na era digital e o desafio da custódia documental confiável; publicações técnicas como as normas International Organization for Standardization e padrões de auditoria; e artigos científicos recuperados pela ferramenta de pesquisa Google Scholar, com busca temática relacionada à preservação de documentos arquivísticos digitais, repositórios digitais confiáveis, auditoria de informação e auditoria arquivística. O repositório arquivístico é o prisma da discussão, já a comparação entre os padrões de auditoria torna-se a categoria norteadora, logo, obtém-se um artigo de revisão assistemática. Dessa forma, são analisados os padrões de auditoria: Trustworthy Repository Audit & Certification: Criteria and Checklist, Catalogue of Criteria for Trusted Digital Repositories da Network of Expertise in long-term STORage, Digital Repository Audit Method Based on Risk Assessment e Audit and Certification of Trustworthy Digital Repositories. Por fim, o comparativo entre os padrões demonstra que o Audit and Certification of Trustworthy Digital Repositories é o mais indicado para auditar os repositórios arquivísticos digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Machado dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande

Bacharel em Arquivologia e mestre em Patrimônio Cultural pela Universidade Federal de Santa Maria. Arquivista da Coordenação de Arquivo Geral da Universidade Federal do Rio Grande. Integrante do grupo de pesquisa CNPq UFF Ged/A - Documentos Digitais: Gestão, Preservação, Acesso e Transparência Ativa. Tem experiência na área de Ciência da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: preservação digital, gestão do conhecimento, diplomática contemporânea, gestão eletrônica de documentos e software livre.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 15472:2007. Sistemas espaciais de dados e informações – Modelo de referência para um sistema aberto de arquivamento de informação (SAAI). Rio de Janeiro: 2007.

BARRETO, A. A. Os documentos de amanhã: a metáfora, a escrita e a leitura nas narrativas em formato digital. DataGramaZero, v. 10, n. 1, 2009, Rio de Janeiro. Disponível em: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/159. Acesso em 19 dez. 2017.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/e-arq.pdf. Acesso em: 05 ago. 2014.

CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEM (CCSDS). Audit and Certification of Trustworthy Digital Repositories (ACTDR). Magenta Book. Washington, Sep. 2011. Disponível em: http://public.ccsds.org/publications/archive/652x0m1.pdf. Acesso em: 13 nov. 2018.

CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEM (CCSDS). Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Magenta Book. Washington, Jun. 2012. Disponível em: https://public.ccsds.org/pubs/650x0m2.pdf. Acesso em: 13 mai. 2014.

DIGITAL CURATION CENTRE; DIGITAL PRESERVATION EUROPE (DCC/DPE). Digital Repository Audit Method Based on Risk Assessment (DRAMBORA). v. 1.0, fev. 2007. Disponível em: http://www.repositoryaudit.eu/download. Acesso em: 13 nov. 2014.

DOCUMENT LIFECYCLE MANAGEMENT (DLM). Forum Foundation. The European Commission: 2010. Disponível em: http://moreq.info/files/moreq2010_vol1_v1_1_en.pdf. Acesso em: 27 mai. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 14721:2012. Space data and information transfer systems: open archival information system – Reference model. Genebra, 2012.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 16363:2012. Space data and information transfer systems: audit and certification of trustworthy digital. Genebra, 2012.

KANTORSKI, G.; KROTH, M. Proposta de informatização da gestão, preservação e acesso a documentos arquivísticos de uma instituição de ensino superior. In: XV Colóquio Internacional de Gestão Universitária. Argentina: 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/136155. Acesso em 20 fev. 2018.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC, 1997.

LUZ, C. Primitivos digitais: uma abordagem arquivística. Salvador: 9Bravos, 2015.

NETWORK OF EXPERTISE IN LONG-TERM STORAGE (NESTOR). nestor Working Group on Trusted Repositories Certification: Catalogue of Criteria for Trusted Digital Repositories, Version 2. Frankfurt am Main: 2009. nestor c/o Deutsche Nationalbibliothek. Disponível em: http://files.dnb.de/nestor/materialien/nestor_mat_08_eng.pdf Acesso em 20 jul. 2019.

RESEARCH LIBRARIES GROUP; U.S. NATIONAL ARCHIVES AND RECORDS ADMINISTRATION (RLG/NARA). Trustworthy repositories audit & certification. RLG, OCLC, Feb. 2007. Disponível em: http://www.crl.edu/sites/default/files/attachments/pages/trac_0.pdf. Acesso em 08 set. 2014.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Os impactos da obsolescência tecnológica frente à preservação de documentos digitais. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 11, n. 2, p, 28-37, 2017. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/5550/4511. Acesso em: 25 mai. 2018.

SILVA, M. O arquivo e o lugar: custódia arquivística e a responsabilidade pela proteção aos arquivos. Niterói: Eduff, 2016. (Série Nova Biblioteca, 17).

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC, 2005. Disponível em: https://projetos.inf.ufsc.br/arquivos/Metodologia_de_pesquisa_e_elaboracao_de_teses_e_dissertacoes_4ed.pdf. Acesso em: 13 jun. 2014.

SAYÃO, L. F. Repositórios digitais confiáveis para a preservação de periódicos eletrônicos científicos. Ponto de Acesso, Salvador, v. 4, n. 3, p. 68-94, dez. 2010a. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/4709. Acesso em: 8 ago. 2014.

VOLPATO, G. L.; BARRETO, R. E.; UENO, H. M.; VOLPATO, E. D. S. N.; GIAQUINTO, P. C.; FREITAS, E. G. D. Dicionário crítico para redação científica. Botucatu: Best Writing, 2013.

Publicado
2019-12-27
Como Citar
MACHADO DOS SANTOS, H. Auditoria de repositórios arquivísticos digitais confiáveis. Informação em Pauta, v. 4, n. 2, p. 156-172, 27 dez. 2019.