Hipertrofia da informação sob a ótica dos conceitos de verdade e pós-verdade

  • Denise Braga Sampaio Universidade Federal da Paraíba
  • Henry Poncio Cruz de Oliveira Universidade Federal da Paraíba
  • Maria da Luz Olegário Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Pós-verdade, Informação, Fake News, Hipertrofia da informação

Resumo

Desvela as relações existentes entre verdade, pós-verdade e informação na perspectiva de conceituar a hipertrofia da informação na Ciência da Informação. Utiliza como aporte metodológico a pesquisa exploratória, bibliográfica e a análise conceitual de Walker e Avant, como forma de responder às questões: o que é hipertrofia da informação? Quais são suas características e implicações em uma sociedade dita informacional? Ampara-se nos seguintes objetivos: criar um conceito, para a Ciência da Informação, de hipertrofia da informação, e analisar seu relacionamento com a verdade e a pós-verdade. A análise mostra que a hipertrofia da informação está intimamente ligada com a pós-verdade e a constituição de fake news, ao que se notaram em páginas verificadoras de fatos (fact-cheking) classificações que se tangenciam com o conceito, comprovando sua congruência com o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ALMEIDA, I. Será que você padece de neofilia? Gaudium Press, jul. 2010. Disponível em: http://senhoradasgracas.org.br/noticias/17743/Artigo--Sera-que-voce-padece-de-neofilia-.html. Acesso em: 7 jul. 2018.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

BARRETO, P. Muniz Sodré, o ‘cara’ da comunicação no Brasil. Agência UFRJ de Notícias, Rio de Janeiro, abr. 2012. Disponível em: https://ufrj.br/noticia/2015/10/22/muniz-sodr-o-cara-da-comunica-o-no-brasil. Acesso em: 7 jul. 2018.

BAUMAN, Z. Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

BELO, F. Leitura da introdução sobre a verdade e a mentira em Nietzsche. In: BELO, F. Leituras de Aristóteles e de Nietzsche: a poética sobre a verdade e a mentira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994. p. 206-263.

BOLER, M.; DAVIS, E. The affective politics of the “post-truth” era: Feeling rules and networked subjectivity. Emotion, Space and Society, v. 27, 2018, p. 75–85. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1755458617301585. Acesso em: 13 ago. 2018.

CAMARGO, G. A. Sobre o conceito de verdade em Nietzsche. Revista Trágica: estudos sobre Nietzsche, v.1, n. 2, jul./dez. 2008. p.93-112. Disponível em: http://tragica.org/artigos/02/07-gustavo-camargo.pdf. Acesso em: 28 jun. 2018.

CAPURRO, R.; HJORLAND, B. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 1, p. 148-207, jan./abr. 2007.

CASADEI, E. B. A legitimação das redes sociais como fonte para o jornalismo sob a perspectiva dos códigos padrões de narração. Revista Ação midiática: Estudos em Comunicação Sociedade e Cultura, Curitiba, v. 2, n. 5, 2013. Disponível em: https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:qdFSSSqmJj4J:https://revistas.ufpr.br/acaomidiatica/article/download/32170/21232+&cd=5&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-b-ab. Acesso em: 25 jun. 2018.

CAVALCANTE, I.; FIRMO, E. Seis anos da greve da PM no Ceará. O Povo, Fortaleza, [2018]. Disponível em: https://especiais.opovo.com.br/6anosdagrevedapm/. Acesso em: 13 jul. 2018.

COSTA, A. H. V. da. A doutrina de Platão sobre a verdade. Ítaca, [S.l.], n. 15, out. 2010. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/Itaca/article/view/269/251. Acesso em: 28 maio 2018.

DEMO, P. Ambivalência da Sociedade da Informação. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 37-42, maio/ago. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ci/v29n2/a05v29n2.pdf. Acesso em: 30 maio 2000.

DESCARTES, R. Discurso do Método e As Paixões da Alma. São Paulo, Nova Cultural, 1987.

DUNKER, C. et al. Ética e pós-verdade. Porto Alegre: Dublinense, 2017.

FERNANDES, M. G. M. et al. Análise conceitual: considerações metodológicas. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 64, n. 6, nov./dez. 2011, p. 1150-1156. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n6/v64n6a24.pdf. Acesso em 10 jul. 2018.

FERRARI, T. Ciência do Capital e a quimérica interface homem-máquina. Ciência e engajamento, Cadernos de Ciências Sociais, n. 1, São Paulo, 2005. Disponível em: linkcomprimidotferrari. Acesso em: 7 jul. 2018.

FOUCAULT, M. Verdade e poder. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 1. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979b. p. 1-14.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GÓMEZ, M. N. G. de. Dos estudos sociais da informação aos estudos do social desde o ponto de vista da informação. In: AQUINO, Mirian de Albuquerque (org.). O campo da ciência da informação: gênese, conexões e perspectivas. João Pessoa: Editora UFPB, 2002.

GUERRA, P. Notas complexas. Mídia, complexidade e poder, nov. 2013. Disponível em: https://mediaetpotere.wordpress.com/2013/11/12/notas-complexas/. Acesso em: 7 jul. 2018.

HALL, J. E.; GUYTON, A. C. Guyton & Hall tratado de fisiologia médica. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

KLINGEL, J.; BOYD, D. “Keep It Secret, Keep It Safe”: Information Poverty, Information Norms, and Stigma. Journal of ASIS&T, v. 64, n. 5, 2013. p. 981-991. Disponível em: https://onlinelibrary-wiley.ez15.periodicos.capes.gov.br/doi/full/10.1002/asi.22800. Acesso em 19 jun. 2018.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998. [Documento eletrônico]. Disponível em: https://aprender.ead.unb.br/pluginfile.php/200850/mod_resource/content/1/Thomas%20Kuhn%20-%20A%20Estrutura%20das%20Revolu%C3%A7%C3%B5es%20Cient%C3%ADficas.pdf. Acesso em: 29 jun. 2018.

KÜNSCH, D. A. Narrativa jornalística e reconstrução do Cosmos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília. Anais... Brasília: INTERCON, 2006. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2006/resumos/R1091-2.pdf. Acesso em: 7 jul. 2018.

LE COADIC, Y. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: SP Editora Unicamp, 1990.

MARQUES, Â. C. S. Esfera pública, redes e jornalismo. Rio de Janeiro: E-papers, 2009.

MESSIAS, L. C. da S. Informação: um estudo exploratório do seu conceito em periódicos científicos brasileiros da área de Ciência da Informação. 184 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciência da Informação, Marília, 2005. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/messias_lcs_me_mar.pdf. Acesso em: 30 maio 2018.

NIETZSCHE, F. W. Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral. São Paulo: Hedra, 2007. [documento eletrônico]. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B45SVqPPbFlzblJGSXVkb3Q1bm9LdHZTT1huZ09lODB2NXlB/view. Acesso em: 28 jun. 2018.

PHILLIP, J. The genesis of infotoxin. [S.l.: s. n.] 1995. Disponível em: https://www.regainyourbrain.org/regain_articles/jeff%20phillips%20articles/phillips%20genesis%20infotoxin.htm. Acesso em: 7 ago. 2018.

POPPER, K. Conjecturas e refutações: o progresso do conhecimento científico. Brasília: Ed. Unb, 1980. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/19540339/karl-popper---conjecturas-e-refutacoes-1. Acesso em 30 jul. 2018.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. Ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RANGEL, I. S. Contando histórias, fazendo história: formação continuada com os professores da educação infantil. 241 f. 2009. Tese (doutorado) – Centro de Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2009. Disponível em: http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/nometese_31_IGUATEMI%20SANTOS%20RANGEL.pdf. Acesso em: 15 ago. 2018.

RODRIGUEZ, J. G. T. Etimología de hipertrofia. Chile: DeChile Etimologias, 20--.

SALZTRAGER, R.; LOURENÇO, F. T. As verdades em Foucault e Benjamin: uma contribuição ao campo da memória social. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 41-59, jan. 2017. ISSN 1807-1384. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2017v14n1p41/32912. Acesso em: 06 jul. 2018.

SIQUEIRA, A verdade em Nietzsche: três apontamentos para entender o conceito. Colunas tortas, maio 2014. Disponível em: http://colunastortas.com.br/3-apontamentos-sobre-a-verdade-em-nietzsche/. Acesso em: 28 jun. 2018.

TARSK, A. A concepção semântica da verdade. São Paulo: Ed. Unesp, 2007.

VILELA, A. N. de O.; IZIDORO, J. L. Os fundamentos da verdade no pensamento de René Descartes: uma relação à sua época, uma proposta à nossa época. CES Revista, [S.l.], v. 27, n. 1, p. 53-71, jun. 2015. Disponível em: https://seer.cesjf.br/index.php/cesRevista/article/view/309. Acesso em: 25 jun. 2018.

WARDLE, C. Fake news. It’s complicated. First Draft, Havard Kennedy School, 16 fev. 2017. Disponível em: https://firstdraftnews.org/fake-news-complicated/. Acesso em: 10 ago. 2018.

WATANABE, T. C.; SOARES, A. G. T. Informação e formação no pensamento de descartes: crítica e alternativa à filosofia e à educação escolástica. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 5, n. 2, p.1-22, dez. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia. Acesso em: 11 jun. 2018.
Publicado
2019-11-02
Como Citar
SAMPAIO, D. B.; OLIVEIRA, H. P. C. DE; OLEGÁRIO, M. DA L. Hipertrofia da informação sob a ótica dos conceitos de verdade e pós-verdade. Informação em Pauta, v. 4, n. especial 2, p. 9-30, 2 nov. 2019.

Artigos do(s) mesmo(s) autor(es) mais lidos