Gênero na elite científica

estudo bibliométrico da produção científica disponível na SciELO sobre o Estado de Rondônia

Autores

  • Herta Maria de Açucena do Nascimento Soeiro Universidade Federal de Rondônia
  • Alexandre Masson Maroldi Universidade Federal de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.36517/2525-3468.ip.v5i2.2020.43157.71-90

Palavras-chave:

Rondônia - Estado, Gênero na ciência, Elite científica

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo identificar e analisar com se configura a questão de gênero na elite científica presentes nos artigos científicos que publicam sobre o estado de Rondônia e tendo como fonte de dados a SciELO.Org. O aporte teórico da pesquisa foi embasado nas questões de gênero na ciência, nos Estudos Sociais da Ciência e da Ciência da Informação. Tratou-se de uma pesquisa quali-quantitativa, orientada pelos instrumentos da bibliometria, sendo exploratória e descritiva. A elaboração de indicadores bibliométricos permitiu analisar a questão de gênero, indicando que a elite científica dos autores é predominantemente masculina e que o estado de Rondônia desperta interesse principalmente em periódicos com escopo nas áreas da Ciências Biológicas e da Saúde. Desta forma, torna-se necessário discutir e incentivar a ocupação das mulheres em lugares tradicionalmente construídos para excluí-las, como a ciência. Além do mais, esta pesquisa não esgota a discussão sobre a temática.

 

Palavras-chave: Rondônia - estado. Gênero na ciência. Elite científica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Herta Maria de Açucena do Nascimento Soeiro, Universidade Federal de Rondônia

Natural de Porto Velho (RO), reside na cidade de Ariquemes (RO). Bacharela em Biblioteconomia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia, inscrita no Conselho Regional de Biblioteconomia da 11ª Região sob o número 1114/11. Atualmente bibliotecária na Faculdade de Educação e Ambiente em Ariquemes/RO. Integrante do Grupo de Estudos Multidisciplinares em Educação, História e Memória MNEMOS, na Linha de Pesquisa Bibliotecas Escolares - Espaço de Ação Pedagógica da Universidade Federal de Rondônia. Tem experiência e interesse nas áreas de pesquisa em Biblioteca Escolar, Incentivo à Leitura, Bibliometria, Estudos de Gênero na ciência e Ciência, Tecnologia e Sociedade.

Alexandre Masson Maroldi, Universidade Federal de Rondônia

Possui graduação em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Universidade Federal de São Carlos (1997), mestrado em Psicologia e doutorado em Educação pela UFSCar. Atualmente é professor adjunto II da Universidade Federal de Rondônia junto ao Departamento de Ciência da Informação e ao Programa de Mestrado em Psicologia. Tem experiência na área de Ciência da Informação e Biblioteconomia, atuando principalmente nos seguintes temas: bibliometria, análise de citações, frente de pesquisa e vida média da literatura.

Referências

BARBOSA, A. S. Implicações éticas do Efeito Mateus na ciência. Revista Mediações, Londrina, v. 21 n. 1, p. 286-316, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/20718. Acesso em: 7 jan. 2019.

BATISTA, C. G.; SOUZA, D. S. de. perfil econômico de Rondônia pós-instalação das usinas hidrelétricas do rio madeira. 19., 2017. Anais... Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo, 2017. Disponível em: http://engemausp.submissao.com.br/19/anais/arquivos/451.pdf. Acesso em: 15 dez. 2019.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo da ciência. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

CARIBÉ, R. C. V. Comunicação científica: reflexões sobre o conceito. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.25, n.3, p. 89-104, set./dez. 2015. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/23109. Acesso em: 5 nov. 2018.

CASTRO, A. A. de et al. Crescimento da economia do estado de Rondônia movimentada através do porto graneleiro de Porto Velho. 15., 2011. Anais... Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, Taubaté, 2011. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2011/anais/arquivos/RE_0756_1042_01.pdf. Acesso em dez. 2019.

ESEN, M.; SUKRU, M.; GUMUS, E. The Evolution of Leadership Research in Higher Education for Two Decades (1995-2014): A Bibliometric and Content Analysis. International Journal of Leadership in Education, Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/327588933_The_Evolution_of_Leadership_Research_in_Higher_Education_for_Two_Decades_1995-2014_A_Bibliometric_and_Content_Analysis. Acesso em: 4 jun. 2019.

FERREIRA, L. O; AZEVEDO, N.; GUEDES, M.; CORTEZA, B. Institucionalização das ciências, sistema de gênero e produção científica no Brasil (1939-1969). Hist. cienc. Saúde - Manguinhos, 2008, vol.15, p.43-71. Disponível em: http://www.SciELO.Org.br/SciELO.Org.php?pid=S0104-59702008000500003&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 7 set. 2018.

GUIMARÃES, D. T. Dicionário técnico jurídico. 19 ed. São Paulo: Rideel, 2016.

INSTITUTO OSWALDO CRUZ. Sobre a revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. 2016. Disponível em: http://www.fiocruz.br/ioc/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=37. Acesso em: 14 maio 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISA DA AMAZÔNIA. Sobre o INPA. 2014. Disponível em: http://portal.inpa.gov.br/. Acesso em: 10 maio 2019.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estrutulista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LOTKA, J. L. The frequency distribution scientific productivity. Journal of the Washington Academy of Sciences, v.16, n.12, p. 317-323, 1926.

MARCELO, J. F.; HAYASHI, M.C. P. I. Estudo bibliométrico sobre a produção científica da área da sociologia da ciência. Informação & Informação, [S.l.], v. 18, n. 3, p. 138-153, set. 2013. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/8413. Acesso em: 5 nov. 2018.

MAROLDI, A. M. Estudo bibliométrico sobre educação indígena: frente de pesquisa, vida média e obsolescência da literatura citada em teses e dissertações. 206 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federa de São Carlos, São Carlos, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/9451/MAROLDI_Alexandre_2018.pdf?sequence=5&isAllowed=y. Acesso em: 15 dez. 2019.

MARQUES, F. Hierarquia complexa: estudo mostra as dificuldades de compreender a contribuição de cada um dos autores de um artigo científico. Revista Pesquisa FAPESP, edição 184, jun. 2011. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/2011/06/19/hierarquia-complexa/. Acesso em: 15 dez. 2019.

MATIAS, F. Pioneiros: Ocupação humana e trajetória política de Rondônia. Porto Velho: Gráfica e Editora Maia Ltda, 1998.

MENEGUETTI, D. O que foi a Eco-92?. 2012. Disponível em: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/o-que-foi-a-eco-92/. Acesso em: 26 abr. 2019.

MERTON, R. K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970. Disponível em: https://csociais.files.wordpress.com/2014/05/merton_caps2_3.pdf.Acesso em: 7 set. 2018.

MERTON, R. K. Ensaios de Sociologia da Ciência. Tradução de Sylvia Gemignani Garcia e Pablo Rubén Mariconda. Rio de Janeiro: Editora 34, 2013.

OLIVEIRA, J. R. de. Ensino técnico e sustentabilidade: o papel do egresso da Escola Agrotécnica Federal de Colorado do Oeste – RO. 89 f. Dissertação (Mestrado em Educação Agrícola), Rio de Janeiro, Universidade Rural do Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/tede/146. Acesso em 15 dez. 2019.

OLIVEIRA, E. F. T. de; GRACIO, M. C. C. Indicadores bibliométricos em ciência da informação: análise dos pesquisadores mais produtivos no tema estudos métricos na base Scopus. Perspectivas em Ciência da Informação, [S.l.], v. 16, n. 4, p. 16-28, out. 2011. ISSN 19815344. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/1299/969. Acesso em: 14 jun. 2019.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS IBERO-AMERICANOS. Estudo da OEI aponta conquista das mulheres do meio científico no Brasil. 2019. Disponível em: https://oei.org.br/noticia/estudo-da-oei-aponta-conquista-das-mulheres-do-meio-cientifico-no-brasil. Acesso em: 9 maio 2019.
PERROT, M. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: EDUSC, 2005.

PRICE, D. J. De S. O desenvolvimento da ciência: análise histórica, filosófica, sociólgica e econômica. Rio de Janeiro: LTC, 1976.

RESENDE, K. de S.; QUIRINO, R. Feminização do mundo do trabalho? Mulheres em profissões tipicamente masculinas. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1500580209_ARQUIVO_Texto_completo_MM_FG_Artigofinalizado.pdf. Acesso em: 14 maio 2019.

SCHIEBINGER, B. O feminismo mudou a ciência?. São Paulo: EDUSC, 2001.

SCIELO.ORG.Sobre o SciELO.Org. 2018. Disponível em: https://www.SciELO.Org.org/pt/sobre-o-SciELO.Org. Acesso em: 1 dez. 2018.

SILVA, M. R.; HAYASHI, C. R. M.; HAYASHI, M. C. P. I. Análise bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 2, n. 1, p. 110-129, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/42337. Acesso em: 15 out. 2018.

UNICAMP. Ainda há espaço para as mulheres e meninas na ciência e tecnologia. Disponível em: https://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2019/02/11/ainda-ha-muito-espaco-para-mulheres-e-meninas-na-ciencia-e-tecnologia. Acesso em: 15 dez. 2019.

Publicado

2020-12-29

Como Citar

SOEIRO, Herta Maria de Açucena do Nascimento; MAROLDI, Alexandre Masson. Gênero na elite científica: estudo bibliométrico da produção científica disponível na SciELO sobre o Estado de Rondônia. Informação em Pauta, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 71–90, 2020. DOI: 10.36517/2525-3468.ip.v5i2.2020.43157.71-90. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/43157. Acesso em: 13 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)