Admirável mundo novo da ética da informação 2.0 em tempos de fake news

  • Maria das Graças Targino Universidade Federal do Piauí/Universidade Federal da Paraíba
  • Anderson Victor Cavalcante Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Informação. Fake News. Ética da Informação. Autoética da Informação.

Resumo

Objetiva-se a apresentar manifestações propulsoras de fake news em suas articulações com a ética da informação 2.0 na contemporaneidade. Discute a missão do ideário da ética da informação 2.0 como lócus orientador e motivador de repertórios éticos comuns e consensualmente aceitos no campo da informação, ou, em contraposição, como lócus de repertórios éticos personalistas e individualmente constituídos, na condição de ideologia da ética da informação 2.0 instaurada em tempo de fake news. Destaca patologias sociais da informação oriundas de contexto marcado por esta última plataforma ética, apresentando, após análise dos dados bibliográficos, antídotos e iniciativas que visem à valoração da ética da informação 2.0 frente às fake news. Em termos metodológicos, no que tange às demandas formalísticas, o estudo fundamenta-se em texto de V. G. Rodríguez, intitulado “O ensaio como tese”, valendo-se da hermenêutica habermasiana e subsidiando-se na abordagem de pesquisa qualitativa. Infere que o projeto ideológico subjacente ao avanço das fake news ameaça o significado da ética da informação 2.0 junto ao imaginário social. Assim, é imprescindível enfrentá-lo como fenômeno social. Para tanto, profissionais de informação, demais especialistas que lidam com notícias, Governo e governantes devem fortalecer delineamentos mais sólidos em direção da ética da informação 2.0 versus o avanço das fake news.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria das Graças Targino, Universidade Federal do Piauí/Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília e jornalista, finalizou seus estudos em nível de pós-doutorado em jornalismo junto ao Instituto Interuniversitario de Iberoamérica da Universidad de Salamanca, e Máster Internacional en Comunicación y Educación da Universidad Autónoma de Barcelona (Espanha), ano 2007. Atuou como pesquisadora junto ao referido Instituto / USAL, de março de 2010 a julho de 2011. Sua experiência acadêmica inclui, ainda, cursos em países, como Inglaterra, Cuba, México, França e Estados Unidos. Ao longo das décadas, tem escrito centenas de artigos técnico-científicos, capítulos de livros e livros nas áreas de ciência de informação e comunicação, enveredando pela literatura, com livros de crônicas, o último dos quais “Ideias em retalhos: sem rodeios nem atalhos”, de 2014. Destaque para o livro “Jornalismo cidadão: informa ou deforma”, lançado pelo Unesco. Ênfase também para a organização como coautora de trilogia alusiva a revistas científicas, editadas em coautoria com Sueli Mara Soares Pinto Ferreira pelo Senac São Paulo e Cengage Learning. Final de 2015, lançamento em coautoria com Joana Coeli Ribeiro Garcia da coletânea em dois volumes, “Desvendando facetas da gestão e políticas de informação”, Editora da Universidade Federal da Paraíba, EDUFPB. Após manter vinculação com a Universidade Federal do Piauí, por 25 anos e como professora do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFPI, entre 2011 e 2013, atualmente, é professora do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFPB e Coordenadora do Curso de Alfabetização e Letramento vinculado ao Centro de Educação Aberta a Distância / UFPI. Dentre outras atividades atuais, é membro da Comissão Editorial (permanente ou ad hoc) de diferentes periódicos nacionais e internacionais. Ademais, mantém, a cada semana, coluna de opinião no jornal O Dia, Teresina PI. Dentre as láureas conquistadas, está o Prêmio Nacional Luiz Beltrão de Comunicação (Liderança Emergente) e o Título de Cidadã Teresinense, 2015.

Anderson Victor Cavalcante, Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal da Paraíba

Mestrado em andamento em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bacharel em Arquivologia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Arquivista da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Em pesquisa, atua principalmente junto aos seguintes temas: Arquivologia; Ciência da Informação; Informação e Sociedade; Socialização da Informação; Comunicação do Conhecimento; Comunicação Científica; Ensino e Pesquisa em Ciência da Informação; Filosofia da Informação; Sociologia da Informação; Acesso e Uso da Informação; Usuários/Sujeitos da Informação; Epistemologia da Ciência da Informação

Referências

ARAGÃO, A. Notícias falsas da Lava Jato foram mais compartilhadas que verdadeiras. BuzzFeed, 22 nov. 2016. Disponível em: https://www.buzzfeed.com/alexandrearagao/ noticias-falsas-lava-jatofacebook?utm_term=.kjBGd5Dn#.geDROxW4. Acesso em: 12 jan. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE JORNALISMO INVESTIGATIVO (Abraji, Brasil). Projeto Comprova. São Paulo, 2018. Disponível em: https://projetocomprova.com.br. Acesso em: 2 jan. 2020.

CAMBOIM, L. G.; PINHO NETO, J. A. S. de; TARGINO, M. das G. Ética e inovação no contexto da sociedade da informação. Revista FSA, Teresina, v. 13, n. 3, p. 94-110, maio / jun. 2016.

CAPURRO, R. A dor e a delícia da era digital. Filosofia, Ciência & Vida, [S. l.], p. 5-13, 26 mar. 2014.

CHAUÍ, M. O que é ideologia. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2006.

CUSICK, R. The art of the lie: from Satan to Trump. New York: Trine Day, 2018. 288 p.

D’ANCONA, M. Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news. Barueri: Faro, 2018a.

D’ANCONA, M. The Tories’NHS pledge puts them on a Brexit bus to nowhere. The Guardian, Londres, 17 jun. 2018b.

DARNTON, R. A verdadeira história das notícias falsas. El País, Madrid, 11 mayo 2017. Coluna Cultura.

DELMAZO, C.; VALENTE, J. C. L. Fake news nas redes sociais online: propagação e reações à desinformação em busca de cliques. Impactum. Media & Jornalismo, Coimbra, v. 18, n. 32, 2018.

DURKHEIM, É. As regras do método sociológico. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

ECO, U. Internet, social media e giornalismo. Turim: Università di Torino, 2015. 1 vídeo (12min.).

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987a.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HABERMAS, J. Dialética e hermenêutica: para a crítica da hermenêutica de Gadamer. Porto Alegre: L&PM, 1987b.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Dom Quixote, 2000.

HABERMAS, J. Para o uso pragmático, ético e moral da razão prática. Estudos Avançados, [S. l.], v. 3, n. 7, set. / dez. 1989.

HERMOSO, B. Não pode haver intelectuais se não há leitores. Entrevistado: Jürgen Habermas. El País, Madrid, 7 mayo 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/04/25/eps/ 15 24679056_056165.html. Acesso em: 11 jan. 2020.

KEEN, Andrew. O culto do amador: como blogs, MySpace; YouTube e a pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. 207 p.

LANGIN, K. Fake news spreads faster than true news on Twitter: thanks to people, no bots. Science, mar. 2018. Disponível em: http://www.sciencemag.org/news/ 2018/03/fake-news-spreads-faster-true-news-twitter-thanks-people-not-bots. Acesso em: 8 jan. 2020.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas; Belo Horizonte: UFMG, 1999.

LAZER, D. M. L. et al. The science of fake news. Science, [S. l.], v. 359, n. 6.380, p. 1094-1096, mar. 2018.

LE COADIC, Y. F. Ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LYOTARD, J. F. A condição pós-moderna. 8. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2004.

McGUILLEN, P. How the techniques of 19th-century fake news tell us why we fall for it today. Nieman Lab, 2017. Disponível em: http://www.niemanlab.org/2017/ 04/how-the-techniques-of-19th-century-fake-news-tell-us-why-we-fall-for-it-today/z. Acesso em: 9 jan. 2020.

MARTÍNEZ AHRENS, J. As pessoas já não acreditam nos fatos. Entrevistado: Noam Chomsky. El País, Madrid, 6 mayo 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/03/06/ cultura/1520352987_936609.html. Acesso em: 1 jan. 2020.

MONTEIRO, S. B. Por que é que chamamos fake news àquilo que não é sequer notícia? 27 out. 2018. Disponível em: https://www.tsf.pt/sociedade/interior/porque-e-que-chamamos-fake-news-aquilo-que-nao-e-sequer-noticia-10078074.html. Acesso em: 4 jan. 2020.

MORETZSOHN, S. D. “Uma legião de imbecis”: hiperinformação, alienação e o fetichismo da tecnologia libertária. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.13, n. 2, p. 294-306, nov. 2017.

NIETZSCHE, F. Fragmentos póstumos. Madrid: Tecnos, 2006. v. 4.

ORIHUELA, J. L. La revolución de los blogs. Madrid: La Esfera de los Libros, 2006.

PINE, D. W. Is God dead? Is truth dead? Time, New York, 23 Mar. 2017. Disponível em: http://time.com/4709920/donald-trump-truth-time-cover. Acesso em: 2 jan. 2020.

PINHEIRO, M. N. K.; BRITO, V. P. Em busca do significado de desinformação. DataGramaZero, v. 15, n. 6, dez. 2014.

POST-truth politics: art of the lie. The Economist, Londres, 10 set. 2016. Disponível em: https://www.economist.com/leaders/2016/09/10/art-of-the-lie. Acesso em: 2 jan. 2020.

RODRÍGUEZ, V. G. O ensaio como tese: estética e narrativa na composição do texto científico. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012. 144 p.

SPINNEY, L. In Congo, fighting a virus and a groundswell of fake news. Science, v. 363, n. 6424, p. 213-214, jan. 2019. Disponível em: http://science.sciencemag.org/content/363/6424/213. Acesso em: 8 jan. 2020.

TIBURI, M. Pós-verdade, pós-ética: uma reflexão sobre delírios, atos digitais e inveja. In: DUNKER, C. et. al. (org.). Ética e pós-verdade. Porto Alegre: Dublinense, 2017. p. 95-124.

UNIVERSITY OF CAMBRIDE. Cambridge Dictionary. Cambridge, 2017. Disponível em: https://dictionary.cambridge.org/pt/dicionario/ingles/pdf. Acesso em: 6 jan. 2020.

VOSOUGHI, S.; ROY, D.; ARAL, S. The spread of true and false news online. Science, [S. l.], v. 359, n. 6380, p. 1146-1151, mar. 2018. Disponível em: http://science.sciencemag.org/content/359/ 6380/1146. Acesso em: 2 jan. 2020.

WOLF, M. Teorias da comunicação. Lisboa: Presença, 1995.

ZAFRA, J. Blogs: ¿periodismo? Participativo. In: CEREZO, J. M. (ed.). La blogosfera hispana: pioneros de la cultura digital. Madrid: Fundación France Telecom España, 2006. p. 106-117.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
TARGINO, M. DAS G.; CAVALCANTE, A. V. B. Admirável mundo novo da ética da informação 2.0 em tempos de fake news. Informação em Pauta, v. 5, n. 1, p. 33-53, 30 jun. 2020.