Cirurgia cardiovascular no estado da Bahia

avaliação do acesso pela análise de redes

Autores

  • Ludmilla Monfort Oliveira Sousa
  • Edna Maria de Araújo
  • José Garcia Vivas Miranda
  • Hernane Borges de Barros Pereira

DOI:

https://doi.org/10.36517/2525-3468.ip.v5iespecial1.2020.43514.84-103

Palavras-chave:

Rede intermunicipal, Análises de redes, Ferramenta de gestão

Resumo

O objetivo deste estudo é avaliar o acesso à cirurgia cardiovascular a partir de índices das redes no estado da Bahia. Para isso, foram selecionadas as internações por cirurgia cardiovascular no SIH-SUS, de 2008 a 2018, dos municípios da Bahia-Brasil. Os índices da rede utilizados foram: grau de entrada, grau de saída, fluxo de saída e tamanho médio da aresta de saída. Para a caracterização da macrorregião foram utilizados os seguintes indicadores: (i) taxa de internações por cirurgia cardiovascular, (ii) proporção de municípios com grau de saída igual a zero e (iii) tamanho médio da aresta de saída.A metodologia utilizada evidenciou o aumento da taxa de cirurgia cardiovascular que passou de 1,3 em 2008 para 1,97 por 10.000 habitantes em 2018; houve desconcentração do acesso às internações à este tipo de cirurgia; diminuição da quantidade de municípios sem registro de realização de cirurgia cardiovascular (24,9%) e também diminuição da distância percorrida por usuários em busca destes procedimentos (18,7%). Houve avanços no acesso à cirurgia cardiovascular no estado, com mudanças significativas no padrão do deslocamento intermunicipal durante a série histórica. Inicialmente, os melhores resultados, como a queda da proporção de municípios com grau de saída igual a zero e queda do tamanho médio da aresta de saída, estavam atrelados às macrorregiões que tem dentro de seu território geográfico um município de referência para realização destes procedimentos. A partir de 2016 houve outra mudança nos padrões de deslocamentos, onde, a queda da proporção de municípios com grau de saída igual a zero caiu, inclusive, para macrorregiões que não tem esse serviço dentro de sua macrorregião.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ludmilla Monfort Oliveira Sousa

Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Modelagem em Ciências da Terra e do Ambiente pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Edna Maria de Araújo

Doutor em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

José Garcia Vivas Miranda

Doutor em Ciencias Ambientais pela  Universidad de La Coruña (UDC).

Hernane Borges de Barros Pereira

Doutor em Engenharia Multimídia pela Universitat Politècnica de Catalunya (UPC).

Referências

AGUIAR, F. P., MELO, E. C. P., OLIVEIRA, E. X. G., et al. "Confiabilidade da informação sobre município de residência no Sistema de Informações Hospitalares - Sistema Único de Saúde para análise do fluxo de pacientes no atendimento do câncer de mama e do colo do útero", Cadernos Saúde Coletiva, v. 21, n. 2, p. 197–200, jun. 2013. DOI: 10.1590/S1414-462X2013000200015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v21n2/15.pdf>.
ALBERT, R., BARABÁSI, A.-L. "Statistical mechanics of complex networks", Rev. Mod. Phys., v. 74, n. January, p. 47, 2002. Disponível em: <papers2://publication/uuid/E678A84C-37DE-4065-99BD-75ADD6DC670D>.
AQUINO, R., OLIVEIRA, N. F., BARRETO, M. L. "Impact of the Family Health Program on infant mortality in brazilian municipalities", American Journal of Public Health, v. 99, n. 1, p. 87–93, 2009. DOI: 10.2105/AJPH.2007.127480. .
BAHIA. Resolução CIB No 127/2014. . Bahia, Comissão Intergestores Bipartite da Bahia. Disponível em: <http://www5.saude.ba.gov.br/portalcib/images/arquivos/Resolucoes/2014/RES_CIB_127.2014.pdf.> , 2014a
BAHIA. Resolução CIB No 128/2014. . Bahia, Comissão Intergestores Bipartite da Bahia. Disponível em: <http://www5.saude.ba.gov.br/portalcib/images/arquivos/Resolucoes/2014/RES_CIB_128.2014.pdf.> , 2014b
BAHIA. Resolução CIB No 157/2014. . Bahia, Comissão Intergestores Bipartite da Bahia. Disponível em: <http://www5.saude.ba.gov.br/portalcib/images/arquivos/Resolucoes/2014/RES_CIB_157.2014.pdf> . 2014c
BARATA, R. B., "Condições de Saúde da população Brasileira". In: GIOVANELLA, L., ESCOREL, S., LOBATO, L. DE V. C., et al. (Org.), Políticas e Sistema de Saúde no Brasil, 2. ed. Rio de Janeiro, FIOCRUZ, 2012. p. 143–181.
BASTIAN, M., HEYMANN, S., JACOMY, M. "Gephi: An Open Source Software for Exploring and Manipulating Networks", Third International AAAI Conference on Weblogs and Social Media, p. 361–362, 2009. DOI: 10.1136/qshc.2004.010033. Disponível em: http://gephi.github.io. Acesso em: 15 out. 2015.
BRASIL. Portaria no 1.559, de 1 de agosto de 2008. Institui a Política Nacional de Regulação do Sistema Único de Saúde - SUS. 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html.
CASA CIVIL. Decreto no 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras p. 2011. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.htm>.
CHAVES, L. D. P., JESUS, B. J., FERREIRA, J. B. B., et al. "Avaliação de resultados da atenção aos agravos cardiovasculares como traçador do princípio de integralidade", Saúde e Sociedade, v. 24, n. 2, p. 568–577, jun. 2015. DOI: 10.1590/S0104-12902015000200014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902015000200568&lng=pt&nrm=iso&tlng=en>.
DATASUS. TABWIN. Brasília: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do SUS, 2014. Disponível em: <http://datasus.saude.gov.br/informacoes-de-saude/ferramentas/tabwin>. Acesso em: 15 dez. 2014.
GUIMARÃES, R. M., ANDRADE, S. S. C. de A., MACHADO, E. L., et al. "Diferenças regionais na transição da mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil, 1980 a 2012", Revista Panamericana de Salud Pública, v. 37, n. 22, p. 83–9, 2015. Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892015000200003&lng=en&tlng=pt>.
IBGE. Página IBGE. 2018. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ba.html> Acesso em: 26 abr. 2019.
IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, 2014. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91110.pdf>.
LENTSCK, M. H., LATORRE, M. do R. D. de O., MATHIAS, T. A. de F. "Trends in hospitalization due to cardiovascular conditions sensitive to primary health care", Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 18, n. 2, p. 372–384, 2015. DOI: 10.1590/1980-5497201500020007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000200372&lng=en&nrm=iso&tlng=en>.
MENDES, E. V. "As redes de atenção à saúde", Ciências & Saúde Coletiva, v. 15, n. 5, p. 2297, 2010. DOI: 10.1590/S1413-81232010000500005. .
NETTO, P. O. B. Grafos: Teorias, Modelos, Algoritmos. 5. ed. São Paulo, Edgar Blucher, 2012.
OLIVEIRA, E. X. G., CARVALHO, M. S., TRAVASSOS, C. "Territórios do Sistema Único de Saúde: mapeamento das redes de atenção hospitalar", Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 386–402, 2004. DOI: 10.1590/S0102-311X2004000200006. .
OLIVEIRA, E. X. G., TRAVASSOS, C., CARVALHO, M. S. "Acesso à internação hospitalar nos municípios brasileiros em 2000: territórios do Sistema Único de Saúde", Cadernos de Saúde Pública, v. 20, p. S298–S309, 2004. DOI: 10.1590/S0102-311X2004000800023. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v20s2/23.pdf>.
PAIM, J., TRAVASSOS, C., ALMEIDA, C., et al. "Séries Saúde no Brasil 1. O sistema de saúde brasileiro: história , avanços e desafios", The Lancet, v. 1, p. 11–31, 2011. DOI: 10.1016/S0140-6736(11)60054-8. .
RICKETTS, T. C., RANDOLPH, R., HOWARD, H. A., et al. "Hospitalization rates as indicators of access to primary care", Health & Place, v. 7, n. 1, p. 27–38, 2001. DOI: 10.1016/S1353-8292(00)00035-6. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1353829200000356>.
RIPSA. Indicadores Básicos Para a Saúde No Brasil : Conceitos e Aplicações. Organizaçã ed. Brasília, [s.n.], 2008. Disponível em: <http://www.ripsa.org.br/2014/10/30/indicadores-basicos-para-a-saude-no-brasil-conceitos-e-aplicacoes-livro-2a-edicao-2008-2/>.
SANTOS, L., ANDRADE, L. O. M. De. "Redes interfederativas de saúde: um desafio para o SUS nos seus vinte anos", Ciencia & saude coletiva, v. 16, p. 1671–1680, 2011. .
SANTOS, L., CAMPOS, G. W. de S. "SUS Brasil: a região de saúde como caminho", Saúde e Sociedade, v. 24, n. 2, p. 438–446, 2015. DOI: 10.1590/S0104-12902015000200004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902015000200438&lng=pt&nrm=iso&tlng=en>.
SCHMIDT, M. I., DUNCAN, B. B., E SILVA, G. A., et al. "Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges", The Lancet, v. 377, n. 9781, p. 1949–1961, 2011. DOI: 10.1016/S0140-6736(11)60135-9. Disponível em: <http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0140673611601359>.
SESAB. Municípios e Regionalização. 2020a. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia. Disponível em: <http://www.saude.ba.gov.br/municipios-e-regionalizacao>. Acesso em: 31 jan. 2020.
SESAB. Observatório Baiano de Regionalização. 2020b. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia. Observatório Baiano de Regionalização. Programação pactuada e Integrada - PPI. Disponível em: <http://www5.saude.ba.gov.br/obr>. Acesso em: 30 jan. 2020.
SHI, L., STARFIELD, B. "Primary care, income inequality, and self-rated health in the United States: a mixed-level analysis", International Journal of Health Services, v. 30, n. 3, p. 541–555, 2000. DOI: 10.2190/N4M8-303M-72UA-P1K1. Disponível em: <http://ovidsp.ovid.com/ovidweb.cgi?T=JS&PAGE=reference&D=emed5&NEWS=N&AN=2000368042%5Cnhttp://baywood.metapress.com/openurl.asp?genre=article&id=doi:10.2190/N4M8-303M-72UA-P1K1>.
SILVA, S. F. Da. "Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil)", Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 6, p. 2753–2762, 2011. DOI: 10.1590/S1413-81232011000600014. .
SOUSA, L. M. O., ARAÚJO, E. M. de, MIRANDA, J. G. V. "Caracterização do acesso à assistência ao parto normal na Bahia, Brasil, a partir da teoria dos grafos.", Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. 12, 18 dez. 2017. DOI: 10.1590/0102-311x00101616. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017001205011&lng=pt&tlng=pt.> Acesso em: 30 jan. 2018.
SZWARCFITER, J. L. Grafos e algoritmos computacionais. 1. ed. Rio de Janeiro, Campus, 1984.
VIANA, A. L. D., BOUSQUAT, A., PEREIRA, A. P. C. de M., et al. "Tipologia das regiões de saúde: condicionantes estruturais para a regionalização no Brasil", Saúde e Sociedade, v. 24, n. 2, p. 413–422, jun. 2015. DOI: 10.1590/S0104-12902015000200002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902015000200413&lng=pt&nrm=iso&tlng=en>.
WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva, World Health Organization, 2014. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/148114/1/9789241564854_eng.pdf?ua=1>

Publicado

2020-03-01

Como Citar

SOUSA, Ludmilla Monfort Oliveira; MARIA DE ARAÚJO, Edna; MIRANDA, José Garcia Vivas; PEREIRA, Hernane Borges de Barros. Cirurgia cardiovascular no estado da Bahia: avaliação do acesso pela análise de redes . Informação em Pauta, [S. l.], v. 5, n. especial, p. 84–103, 2020. DOI: 10.36517/2525-3468.ip.v5iespecial1.2020.43514.84-103. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/43514. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)