Documento arquivístico de produção cultural

a NOBRADE na representação das informações orgânicas dos figurinos do espetáculo “Amor Barato” do Teatro Castro Alves

  • Alexandre da Silva Conceição Universidade Federal de Sergipe (UFS)
  • Susane Santos Barros Universidade Federal da Bahia
  • Francisco Pedroza Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Entidades coletivas de produção cultural. Documento arquivístico. NOBRADE. Representação dos acervos de figurino.

Resumo

Os figurinos possuem valores administrativos e de memória de uma entidade coletiva. São produzidos e utilizados em uma encenação para atender uma produção cultural e registram elementos de informação orgânica, a exemplo da época, do lugar, da cor, do estilo de vida, dentre outros, reproduzindo o contexto das atividades que os geraram. O objetivo desta comunicação é contextualizar os acervos dos figurinos como documentos arquivísticos. É uma investigação de natureza aplicada, com uma abordagem qualitativa, por meio de uma observação sistemática no acervo dos figurinos do Teatro Castro Alves em Salvador, Bahia, Brasil. Em relação aos objetivos é exploratória e descritiva, utiliza uma revisão bibliográfica e documental para fundamentar as análises. Os resultados revelam que no contexto de criação dos figurinos encontra-se o vínculo das informações aos princípios da proveniência e da organicidade em razão da função da entidade coletiva. Recomenda-se que esses acervos recebam tratamento arquivístico por meio das áreas e dos elementos da NOBRADE para a efetividade do acesso às informações registradas a partir das indumentárias criadas, recebidas e acumuladas pelas entidades coletivas de produção cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre da Silva Conceição, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Arquivista da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Especialista em Gestão Eletrônica de Documentos – Administração Pública (Unyleya- Grupo W pós). Bacharel em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Susane Santos Barros, Universidade Federal da Bahia

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutoranda em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), professora do Instituto de Ciência da Informação da UFBA e coordenadora editorial da Editora da UFBA.

Francisco Pedroza, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Difusão do Conhecimento pela UFBA Professor dos Programas de Pós-Graduação em Ciência da Informação (ICI/UFBA) e do Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento (DMMDC/UFBA).

Referências

ANCONA LOPEZ, A. P. Como descrever documentos de arquivo: elaboração de instrumentos de pesquisa. São Paulo: Arquivo do Estado; Imprensa Oficial do Estado, 2002. (Projeto como fazer, 6).

ARAÚJO, C. A. A. Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: o diálogo possível. Brasília: Briquet de Lemos: São Paulo: Abrainfo, 2014.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Revista Acervo. Moda e Indumentária: entre imagens e artefatos. Disponível em:http://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo/issue/view/55. Acesso em: 08 abr. 2019.

BELLOTTO, H. L. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002. (Projeto como fazer, 8).

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

BRASIL. Decreto nº 4.073, de 3 de Janeiro de 2002. Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. Brasília, 3 jan. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4073.htm. Acesso em: 23 maio. 2015.

BUCKLAND, M. K. O que é um "documento"? Jornal da Sociedade Americana para a Ciência da Informação. Tradução de Alexandre da Silva Conceição. v. 48, n. 9, p. 804-809, set. 1997. Disponível em:< http://polaris.gseis.ucla.edu/gleazer/260_readings/buckland.pdf. Acesso em: 22 mar. 2015.

CALLAS, M. G. O traje de cena como documento: estudos de casos de acervos da cidade de São Paulo. 2012. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CONCEIÇÃO, A. da S. Elementos que constituem um documento arquivístico. In: CONCEIÇÃO, A. da S. Do documento ao indumentário: o tratamento dos figurinos do espetáculo “Amor Barato”, do TCA, no contexto documental orgânico. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arquivologia) – Instituto de Ciência da Informação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISDF: Norma Internacional para Descrição de Funções. Tradução de Vitor Manoel Marques da Fonseca. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2008.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (Brasil). Resolução n.º 22. De 30 de junho de 2005. Dispões sobre as diretrizes para a avaliação de documentos em instituições de saúde.
CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (Brasil). Nobrade: Norma Brasileira de Descrição Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.


FRANÇOZO, L. de C. Como manda o figurino: lidando com o acervo do lume teatro. In: COLÓQUIO DA MODA, 9., 2013. Porto Alegre. Anais [...] Porto Alegre, 2013. Disponível em: http://coloquiomoda.com.br/anais/anais/9-Coloquio-de-Moda_2013/COMUNICACAO-ORAL/EIXO-7-FIGURINO_COMUNICACAO-ORAL/Como-manda-o-figurino-lidando-com-o-acervo-do-Lume-Teatro.pdf. Acesso em: 20 jan. 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HAGEN, A. M. M. Algumas considerações a partir do processo de padronização da descrição arquivística. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 3, 1998. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/312. Acesso em: 20 mar. 2015.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP: Unicamp, 1990.

LEAL, J. E. F.; SIQUEIRA, M. N. de. Glossário de paleografia e diplomática. Rio de Janeiro: Multifoco, 2011.

LOUSADA, M.; VALENTIM, M. L. P. A relação ente a informação orgânica e a gestão documental. In: VALENTIM, M. (org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/j4gkh/pdf/valentim-9788579831171-18.pdf. Acesso em: 13 ago. 2014.
MOTA, M. M.; SEVERINO, I. B. dos S. A cena teatral documentada: identificação arquivística e processos de criação. Manuscrítica – Revista de Crítica Genética, São Paulo, n. 34, p. 106-118, 2018.
PAES, M. L. Arquivo: teoria e prática. 4. reimp. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

OTLET, P. Documentos e documentação. 1937. Introdução aos trabalhos do Congresso Mundial da Documentação Universal, realizado em Paris, em 1937. Disponível em: http://www.conexaorio.com/biti/otlet/. Acesso em 04 nov. 2018.

RODRIGUES, A. C. Diplomática contemporânea como fundamento metodológico da identificação de tipologia documental em arquivos. 2008. Tese. (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

RODRIGUES, A. C. Identificação: uma metodologia de pesquisa para a Arquivística. In: VALENTIM, M. L. P. (org.). Estudos avançados em Arquivologia. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 197-216.

ROUSSEAU, J.; COUTURE, C. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

SALLES, C. A. Processos de criação em grupo: diálogos. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
CONCEIÇÃO, A. DA S.; BARROS, S. S.; CUNHA, F. J. A. P. Documento arquivístico de produção cultural. Informação em Pauta, v. 5, n. 1, p. 122-143, 30 jun. 2020.

Artigos do(s) mesmo(s) autor(es) mais lidos