Nas trilhas dos sujeitos discursivos

a mulher negra em foco

Palavras-chave: Análise do discurso.Mulher negra. Sujeitos LGBTQ

Resumo

Objetivo:Apresentar uma reflexão teórica articulando a análise do discurso, os sujeitos discursivos tendo como enfoque a mulher negra e os sujeitos LGBTQ.
Método: A partir de uma abordagem qualitativa, essa pesquisa se sustenta em um viés ensaístico, aplicando técnica de pesquisa bibliográfica por meio da seleção de textos que o embasaram como as teorias de analise do discurso e a obra da autora Djamila Ribeiro “O que é lugar de fala?
Resultados: Considerando o discurso do filósofo Foucault e o processo histórico dos sujeitos analisados, torna-se evidente o impacto do racismo, sofrido pelas mulheres negras, e do preconceito, enfrentado pelos indivíduos LGBTQ, e como isso afeta suas posições como sujeitos discursivos.
Conclusão: Entende-se a importância da reflexão e não repressão/controle do discurso da mulher negra e dos sujeitos LGBTQ, bem como o valor que o analista do discurso precisa destinar a voz social e histórica do analisado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Savegnago de Mira, Universidade Estadual Paulista

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Filosofia, Marília-SP (2019-2021). Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP, Faculdade de Ciências e Letras - FCLAR - Araraquara - SP (2013-2019). Atualmente é aluna regular do programa de pós-graduação (nível Doutorado) em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Filosofia, Marília-SP, facilitadora de ensino EaD na Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP), estagiária em docência na disciplina de Marketing II para o Curso de Design na Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação - FAAC - Bauru e Professora Voluntária de Álgebra no Cursinho Alternativo da Unesp de Marília (CAUM).

Mary Elizabeth Sampaio de Oliveira Farias, Universidade Estadual Paulista

Psicóloga Clínica de abordagem Junguiana, mestranda em Ciência da Informação na UNESP, campus de Marília. Pós-graduada lato sensu em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela INDEP. Graduada em Psicologia pela Universidade de Marília, em 2014, desenvolve atualmente pesquisas científicas com enfoque na Suicidologia, Informação e Conhecimento.

Jean Fernandes Brito, Universidade Estadual Paulista

Doutorando em Ciência da Informação - Área de concentração: Informação, Tecnologia e Conhecimento pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Mestre em Ciência da Informação - Área de concentração: Gestão da Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC- 2019). Bacharel em Biblioteconomia pela Unesp (2015). Aperfeiçoamento em Língua Portuguesa pela WR Educacional (2016). É Membro dos Grupos de Pesquisas Novas Tecnologias em Informação (GPNTI- Unesp), e do grupo de pesquisa Diplomática e Arquivística (UFF/Unesp). Foi bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Desenvolvimento Pessoal (CAPES) da linha de pesquisa Produção e organização da Informação (2019- 2020). No âmbito da Atuação Profissional: Atuou durante 04 anos como Professor na Universidade Aberta a Terceira Idade (UNATI) promovido pela Unesp de Marília . Foi Professor, Bibliotecário e Documentalista do Centro de Ensino Superior de Primavera (CESPRI) (2016 ) e Professor de Literatura em Língua Portuguesa na Associação Cultural e Educativa de Primavera (ACEP)- Sistema Positivo.(2016). Atuou como professor nas disciplinas de Metodologia Cientifica e Métodos Qualitativos aplicados à Ciência da Informação para os cursos de Arquivologia e Biblioteconomia no Departamento de Ciência da Informação (DCI) da Unesp de Marília. (2019-2021). Atualmente é professor facilitador de aprendizagem na Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP). Tem interesse de pesquisa nas temáticas: Arquitetura da Informação digital. Usabilidade. Experiência do Usuário. Tecnologias de Informação e Comunicação Ecologias Informacionais Complexas. Ambientes informacionais digitais. Ciência da Informação.

Tamara de Souza Brandão Guaraldo, Universidade Estadual Paulista

Doutora em Ciência da Informação pela FFC Unesp - Marília (2013). Professora permanente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da FFC Unesp (PPGCI). Professora Assistente Doutora dos cursos de Relações Públicas, Design e Radialismo da FAAC UNESP- Bauru. Vice-líder do grupo de pesquisa Comunicação, Informação e Gestão (CIG). No Doutorado contou com bolsa Capes, tendo cursado Gestão da Comunicação na Universidade Nacional de La Plata (UNLP) - Argentina, com bolsa AUGM (Associação Universitária grupo Montevidéu). Mestre em Comunicação pela UNESP (2005), com bolsa Capes, e graduada em Comunicação Social - Jornalismo, UNESP (2000). Licenciada em Programa especial de formação Docente (UNIMES, 2007). Atuou como Professora de Educação Básica I na Rede Pública Estadual de Ensino (SEDUC-SP). É pesquisadora, atuando principalmente nos seguintes temas: mediação, práticas de informação, comunicação e leitura; gestão da informação e do conhecimento; gestão da comunicação e relações públicas; análise do discurso. Possui experiência docente (Unesp, FIB, FAEF) e profissional nas áreas de Comunicação, Relações Públicas e Assessoria.

Referências

ANGERMULLER, J. A verdade na era da pós-verdade: por um Programa Forte em Estudos do discurso. Redis: Revista de Estudos do Discurso, nº 7, ano 2018 pp. 36-62.

ASSOLINI, F. E. Análise Discursiva dos Saberes e Fazeres Pedagógicos de Professores no Ensino Fundamental. 2008. Disponível em Acesso em 09 de set 2019.
BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: a experiência vivida. Tradução de Sérgio Millet. 4. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1980a.
CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. São Paulo: Pólen livros, 2019.

BRITO, J.; AFONSO, R.; MATIAS, M. Arquitetura Da Informação Com Enfoque Semiótico No Guia Gay São Paulo.Brazilian Journal of Information Science: research trends, v. 13, n. 1, p. 68-76, 29 mar. 2019.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016. Disponível em: https://goo.gl/RmjB7R. Acesso em: 15. jun. 2020.

COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Polittics of Empowerment. Nova York: Routledge, 2000.

COLLINS, Patricia Hill. Comentáriosobre o artigo de Hekman“Truth and Method: Feminist Standpoint Theory Revisited”: Ondeestá o poder? Signs, v. 22, n. 2, p. 375-381, 1997. [Tradução de Juliana Borges].

DUNKER, C. I.L.; PAULON, C. P.; MILÁN-RAMOS, J. G. Análise Psicanalítica de Discursos: Perspectivas Lacanianas. 1. Ed. – São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.

FERNANDES, C. A. Análise do Discurso - reflexões introdutórias. São Paulo, Editora Clara Luz, 2007.
FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 - 24 ed. - São Paulo: Edições Loyola, 2014 — (leituras filosóficas)

FOUCAULT, M. O Homem e o Discurso: (a arqueologia de Michel Foucault). – 3. Ed. – Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2008.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão, Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

FOUCAULT, M.. História da Sexualidade I: A vontade do saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988.

FREUD, S (1917[1916-7]). Conferências Introdutórias sobre Psicanálise. In: FREUD, S. Edição standartbrasileiras das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 18. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

FREUD, S. Estudos sobre a histeria (Vol. 2). Rio de Janeiro: Imago. 1969 (Trabalho original publicado em 1895).

GELEDES. SojournerTruth. Disponível em: https://goo.gl/1eQobC. Acesso em: 15. jun. 2020.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, v. 2, n. 1, p. 223-244, 1984.

GREENBLATT, E. The Treatment of LGBTIQ Concepts in the Library of Congress Subject Headings. In: GREENBLATT, E. Serving LGBTIQ Library and Archives Users: Essays on Outreach, Service, Collections and Access. McFarland, 2011, p. 212-228.

IPEA. Ipea apresenta dados de vulnerabilidade social por cor, sexo e domicílio. Ipea, 23 de Agosto de 2017. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=3079 Acesso em 4 de dezembro de 2019.

IPEA. Jovens e mulheres negras são mais afetados pelo desemprego. Ipea, 31 de Outubro de 2018. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=3437 Acesso em 4 de dezembro de 2019.

KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: UnrastVerlag, 2012. Disponível em: https://goo.gl/w3ZbQh

LORDE, Audre. Mulheres negras: As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a casa do mestre. Tradução de Renata. Geledes, 10 set. 2013. Disponível em: https://goo.gl/zaR3sV. Acesso em: 15. jun. 2020.

LORDE, Audre. Os usos da raiva: mulheres respondendo ao racismo. Tradução de Renata. Geledes, 19 maio 2013. Disponível em: https://goo.gl/MfpQbV. Acesso em: 15. jun. 2020.

MOTTA, M. B. Ética, sexualidade, política / Michel Foucault; organização e seleção de textos. 2. Ed. – Rio de Janeiro: Forense Universitário, 2006.

NETO, Antonio Gomes da Costas. A Linguagem no Candomblé: um estudo linguístico sobre as comunidade religiosas afro-brasileiras, 2006.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso - princípios & procedimentos. Campinas, Pontes Editora, 2015.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 4. ed. Campinas: UNICAMP, 2010. p. 59-158.

RIBEIRO, Djamila. O que é Lugar de Fala?. Belo Horizonte (MG): Letramento, 2017.
Publicado
2021-08-10
Como Citar
MIRA, B. S. DE; FARIAS, M. E. S. DE O.; BRITO, J. F.; GUARALDO, T. DE S. B. Nas trilhas dos sujeitos discursivos. Informação em Pauta, v. 6, n. 00, p. 1-16, 10 ago. 2021.