Presença das mulheres na ciência regional

novos cadernos NAEA (2010 - 2020)

Palavras-chave: Mulheres na ciência regional. Produção científica. Gênero. Conhecimento. Equidade.

Resumo

Aborda a produção de conhecimentos por mulheres e o reconhecimento feminino como contribuição para a ciência. O objetivo da pesquisa foi verificar a produção científica das mulheres na ciência numa perspectiva regional, a partir da análise da sua publicação em periódico científico, a Revista Novos Cadernos NAEA. A pesquisa é de carácter exploratória, tendo como recorte temporal o período de 2010 a 2020, os dados coletados foram organizados por meio de planilhas, cujos mapas foram representados com o auxílio do software VOSviewer. Os resultados gerais sinalizam que a produção científica neste periódico é mais evidente por homens do que por mulheres. Na particularidade dos resultados inerentes à participação das mulheres, verificou-se que temáticas como políticas públicas, sua sensibilidade e preocupação com os recursos naturais, desenvolvimento econômico, hidrelétricas, as questões do trabalho estão presentes nas abordagens dos artigos publicados pelas mulheres na ciência regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Corrêa Pinheiro, Universidade Federal do Pará

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade da Federal do Pará -UFPA.Bacharel em Biblioteconomia (2010-2014) pela Universidade Federal do Pará. Especialista em Gestão de Bibliotecas Públicas pela UNYLEYA (2018). Atualmente é Bibliotecária-Documentalista da Universidade Federal do Pará na Biblioteca Central. Atuou na Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará, no atendimento, representação descritiva e temática dos materiais informacionais adquiridos por doação ou permuta. Atuou na Direção da Biblioteca do Centro Universitário Luterano de Santarém no ano de 2016-2017. Possui experiência profissional na área de Biblioteconomia, com ênfase em representação descritiva e temática dos materiais informacionais bibliotecas universitárias, desempenhando atividades técnicas, de gestão e mediação da informação.  

Rose Suellen de Castro Lisboa, Universidade Federal do Pará

Mestranda em Ciência da Informação na Universidade Federal do Pará. Membro do Grupo de Estudos Críticos sobre Ciência da Informação e Tecnologia. Especialista em Gestão de Documentos e Informações pela AVM Faculdade integrada, graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Pará. Bibliotecária-Documentalista da Universidade Federal do Pará. Coordenadora de Planejamento e Marketing da Biblioteca Central-UFPA.

Danielly Oliveira Inomata, UFAM

Doutora (2017) e mestra (2012) em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), graduada em Biblioteconomia pela UFAM. Professora do Curso de Biblioteconomia, da Faculdade de Informação em Comunicação (FIC), da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Gestão da Informação e do Conhecimento na Amazônia (GICA/UFAM) e do Núcleo de Pesquisa em Gestão da Sustentabilidade (NGS\EGC\UFSC). É avaliadora de periódico nacional e internacional. Tem competência de atuar nas áreas de Ciência da Informação, Biblioteconomia, Gestão do Conhecimento, Gestão da Informação e Comunicação, Fluxos Informacionais e áreas relacionadas; Parque Tecnológico, Incubadora de Empresas, Empresas de Base Tecnológica e startup; Mulheres na Ciência.

Referências

ALVES, A. M. Pensar o gênero: diálogos com o serviço social. Serviço Social & Sociedade, n. 132, p. 268-286, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-66282018000200268&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 07 out. 2020.
ARAUJO, R. F. Ciência 2.0 e a Presença Online de Pesquisadores: visibilidade e impacto. Ciência da Informação em Revista, v. 1, n. 3, p. 32-40, 2014. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/1608. Acesso em: 7 out. 2020.
ARRAZOLA, L. S. D. Ciência e crítica feminista. In: COSTA, Ana Alice Alcântara; SARDENBERG, Cecilia Maria Bacellar (org.). Feminismo, ciência e tecnologia. Salvador: REDOR/NEIM-FFCH/UFPA, 2002. p.51-64. (Coleção Bahianas, 8). Disponível em: http://www.neim.ufba.br/wp/wp-content/uploads/2013/11/feminismocienciencia.pdf. Acesso em: 31 jul. 2020.

CANINO, M. V.; VESSURI, H. La universidad em femenino. Um cuadro de luces y sombras em la UCV. ARBOR Ciência, Pensamiento y Cultura, Bogota, v. 184, n. 773, p. 845-861, set/out. 2008. Disponível em: http://arbor.revistas.csic.es/index.php/arbor/article/view/229/230. Acesso em: 10 ago. 2020.
CHASSOT, A. I. A ciência é masculina? É, sim senhora!... Contexto e Educação: Unijuí, ano 19, n. 71/72, p.09-28, jan. /dez. 2004. Disponível em: https://www.saci.ufscar.br/data/solicitacao/39867_texto_a_ciencia_e_masculina.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.
CONCEIÇÃO, A. C. L. DA; ARAS, L. M. B. DE. Por uma ciência e epistemologia (s) feminista: avanços, dilemas e desafios. Cadernos de Gênero e Tecnologia, v. 8, n. 29/30, p. 10–19, 1 jun. 2014.
COSTA, A. A. A. et al. (EDS.). Feminismo, ciência e tecnologia. Salvador, Bahia: Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre Mulher e Relações de Gênero (REDOR), Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, 2002.

ELSEVIER. Gender in the Global Research Landscape. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://www.elsevier.com/__data/assets/pdf_file/0008/265661/Elsevier GenderReport_final_for-web.pdf. Acesso em: 14 maio 2020.

GAMBA, S. ¿Qué es la perspectiva de género y los estudios de género? 2008. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2020.

KELLER, E. F. Feminism and science. In: KELLER, Evelyn Fox, and
LONGINO, Helen (eds.). Feminism and Science. Oxford: Oxford University
Press, 1996. pp.28-90.

LETA, J. Mulheres na ciência brasileira: desempenho inferior?. Revista feminismos, v. 2, n. 3, 2014. Disponível em: https://cienciasmedicasbiologicas.ufba.br/index.php/feminismos/article/viewFile/30039/17771. Acesso em: 07 out. 2020.

LETA, J. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 271-284, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300016. Acesso em: 01 set. 2020.

MARQUES, M. I. B. Reflexões sobre a divisão sexual do trabalho no contexto do conhecimento científico e da docência no ensino superior. In: LOUSADA, Isabel C.; CANTARIN, Márcio Matiassi (org. As mulheres no mundo da ciência e do trabalho: reflexões sobre um saber-fazer. Curitiba: Appris, 2020. p.37-56. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=ibfRDwAAQBAJ&pg=PT37&dq=%22mulheres+na+ci%C3%AAncia%22&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwiEuc6Ku4zrAhVtK7kGHduYB34Q6AEwAHoECAYQAg#v=onepage&q=%22mulheres%20na%20ci%C3%AAncia%22&f=false. Acesso em: 08 ago. 2020.

MARTINEZ-COLLADO, A. Tendenci@s: perspectivas feministas en el arte actual. 2. ed. Murcia: Cendeac, 2008.
MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1999.
MELO, H. P. de; OLIVEIRA, A. B. A produção científica brasileira no feminino. Cadernos Pagu, n. 27, p. 301-331, 2006.
MUELLER, S. P. M. Métricas para a ciência e tecnologia e o financiamento da pesquisa: algumas reflexões. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, n. esp., 1ºsem. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/15182924.2008v13nesp1p24/1593. Acesso em 15 jun 2020.
MUELLER, S. P. M. Política de fomento para a consolidação da capacidade de pesquisa no Brasil: estudo para avaliação do programa pós-doutoral no exterior mantido pela CAPES. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2003.
NOVOS CADERNOS NAEA. Foco e escopo. Belém: NAEA, 1998-. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/about/editorialPolicies#focusAndScope. Acesso em: 30 jun. 2020.
OLINTO, G. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, v. 5, n. 1, 2011. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1667. Acesso em: 7 out. 2020.

RAMOS, R. C.; TEDESCHI, S. P. A participação das mulheres na produção científica da Unesp, campus de Rio Claro. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, v. 28, n. 1, p. 140-151, jan./jun. 2015. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/ 29079. Acesso em: 30 jun. 2020.

ROSSI, A. S. Women in science: why so few? Social and psychological influences restrict women’s choice and pursuit of careers in science. Science, n. 148, p. 1196-1202, 1965.
SCHIEBINGER, L. O feminismo mudou a ciência?. Tradução de Raul Fiker. Bauru, SP: EDUSC, 2001. 384p. (Coleção Mulher). Disponível em: https://democraciadireitoegenero.files.wordpress.com/2016/07/schiebinger-o-feminismo-mudou-a-cic3aancia.pdf. Acesso em: 08 ago. 2020.

SERRANO, Layane. Método que ganhou Nobel de Química pode ser usado para diagnosticar Covid-19. CNN, São Paulo, out. 2020. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/tecnologia/2020/10/07/microbiologista-explica-metodo-de-edicao-do-genoma-que-levou-nobel-de-quimica. Acesso em: 08 ago. 2020.

SOUZA, C. M. de. A Amazônia nas publicações científicas: mapeando temáticas e atores. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de janeiro, 2018.
TAGUE-SUTCLIFFE, J. An introduction to informetrics. Information Processing & Management, v. 28, n. 1, p. 1-3, jan. 1992.
TAVARES A. S.; PARENTE T. G. Do plural ao singular: condições de gênero e carreira científica na área de engenharias da região Norte. Novos Cadernos NAEA, Belém, v.18, n.18, p. 267-283, jan./jun. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/1837. Acesso em: 30 jun. 2020.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. PROPESP: Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação/UFPA. Belém, 2020. Disponível em: https://www.propesp.ufpa.br/arquivos/2020_Grupo_de_Pesquisa.pdf. Acesso em: 01 set. 2020.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Missão-Visão-Princípios. Belém, 2020. Disponível em: https://portal.ufpa.br/index.php/missao-visao-principios. Acesso em: 01 ago. 2020.
VAN ECK, N. J.; WALTMAN, L. VOSviewer manual. Leiden: Universiteit Leiden. 2016.
VELHO, L.; LEÓN, E. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 309-344, 1998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp. br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/4631474/2350. Acesso em: 4 jul. 2020.

ZIMAN, J. A dimensão científica da sociedade. A força do conhecimento: São Paulo: USP, 1981.
WITTER, G. P. Produção científica. Campinas, SP: Átomo. 1997.
Publicado
2021-08-10
Como Citar
PINHEIRO, C. C.; LISBOA, R. S. DE C.; INOMATA, D. O. Presença das mulheres na ciência regional. Informação em Pauta, v. 6, n. 00, p. 1-19, 10 ago. 2021.