Formação e prática profissional do/a revisor/a de textos

muito além do verbal

Palavras-chave: Textos publicitários e institucionais. Revisão de textos. Multimodalidade.

Resumo

Entre as profissões mais tradicionais, no entanto menos reguladas, da cultura e da informação está a do/a revisor/a de textos. Embora conste na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) entre as atividades da comunicação social, há pouca clareza prática sobre quem é esse/a profissional e quais suas atribuições. Antes visto como um defensor das regras gramaticais, que buscava apenas os ajustes à norma-padrão da língua, hoje o/a revisor/a de textos, além de analisar aspectos como coesão, coerência, ortografia e sintaxe, também deve observar questões de discurso e o contexto de produção, circulação e recepção dos textos. Em textos publicitários e institucionais, essa análise visa à verificação da gramática, mas, muito além disso, é observada a situação mais ampla de linguagem. Assim, o/a revisor/a se vê diante de textos com vários níveis de leitura; e necessidades relacionadas às demandas dos autores-clientes, tais como comunicar, persuadir e gerar identificação com o público. Além disso, o/a revisor/a de textos publicitários e institucionais precisa estar atento/a a aspectos multimodais das peças que revisa. Nosso objetivo aqui, então, é, com base em peças gráficas reais, refletir sobre as necessidades da formação e da prática profissional do/a revisor/a que atua em contextos organizacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessica Camila Soares, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - PPGEL

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens do CEFET-MG. Bacharel e licenciada em Letras pela PUC Minas e especialista em Revisão de Textos também pela PUC Minas.

Ana Elisa Ribeiro, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - PPGEL

Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens do CEFET-MG. Doutora em Linguística Aplicada pela UFMG. Bacharel e licenciada em Letras pela UFMG.

Referências

BARRETO, R. M. Criatividade em propaganda. São Paulo: Summus Editorial, 1982.

BOLL, J. Universidade faz outdoor do curso de “Pegadogia” e viraliza na web. Gazeta do Povo, 21 nov. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 dez. 2019.

CARISTINA, J. A vírgula faz toda diferença! Intervalo legal, 12 set. 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 dez. 2019.

CARRARA, J. Erro de português da Sadia também grita nas embalagens. Bendito Português, 13 nov. 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2019.

COELHO NETO, A. Além da revisão: critérios para revisão textual. 3 ed. Brasília: Editora Senac, 2013.

FIGUEIREDO, C. Redação publicitária: sedução pela palavra. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

GONÇALEZ, M. C. Publicidade e propaganda. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2009.

MACHADO, C. O manual de sobrevivência do revisor iniciante. Belo Horizonte: Moinhos, 2018.

MUNIZ JR., José de S. A intervenção textual como atividade discursiva: considerações sobre o laço social da linguagem no trabalho de edição, preparação e revisão de textos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 32, 2009, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Intercom, 2009. Disponível em: 2009/resumos/R4-1079-1.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2019.

MUNIZ JR., José de S. O trabalho com o texto na produção de livros: os conflitos da atividade na perspectiva ergodialógica. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade de São Paulo, 2010.

NASCIMENTO, Lourdes da Silva do. Revisor de textos: concepções e formação do profissional em Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens). Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, 2014.

OLIVEIRA, Risoleide Rosa Freire de. Um olhar dialógico sobre a atividade de revisão de textos escritos: entrelaçamento dizeres e fazeres. 173 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada; Literatura Comparada). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.

RIBEIRO, Ana Elisa. (In)distinções entre as atividades do preparador e do re¬visor de provas na produção de livros. In: RIBEIRO, Ana Elisa. Em busca do texto perfeito. Divinópolis, MG: Artigo A, 2016. (Coleção Questões contemporâneas de edição, preparação e revisão textual)

ROCHA, H. Um novo paradigma de revisão de texto: discurso, gênero e multimodalidade. 246 f. 2012. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

RODRIGUES, Daniella L. D. I. (Org.) Revisão de textos: entre a teoria e a prática. Cadernos CESPUC, n. 26, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020.

SALGADO, Luciana Salazar. Ritos genéticos no mercado editorial - autoria e práticas de textualização. Tese (Doutorado em Estudos de Linguagem). Universidade Estadual de Campinas, 2007.

SALGADO, Luciana Salazar; PENTEADO, Ana Elisa de Arruda. (Orgs.) Mediação editorial: o que é? Quem faz? Bragança Paulista, SP: Margem da Palavra, 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020.

SEVERINO et al. A história da publicidade brasileira. Revista Eletrônica de Comunicação, Franca, v. 6, n. 1, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2019.

SOBRAL, A.; BARBOSA, V. Sobre tipos de revisão textual e suas redes enunciativas: uma proposta bakhtiniana. In: RODRIGUES, Daniella Lopes D. I.; ASSIS, Juliana A. No ritmo do texto: questões contemporâneas de edição, preparação e revisão textual. Divinópolis (MG): Artigo A, 2019. p. 17-39.

VERISSIMO, L. F. Cuidado com os revizores. In: COELHO NETO, A. Além da revisão: critérios para revisão textual. 3 ed. Editora SENAC: Brasília, DF, 2013. p. 68-69.
Publicado
2021-05-30
Como Citar
SOARES, J. C.; RIBEIRO, A. E. Formação e prática profissional do/a revisor/a de textos. Informação em Pauta, v. 6, n. especial, p. 159-175, 30 maio 2021.