Um estudo comparativo das práticas de colecionismo filatélico brasileiro por meio das redes e mídias na internet

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36517/2525-3468.ip.v7i00.2022.77971.1-19

Palavras-chave:

Colecionismo, Internet, Filatelia

Resumo

Apresenta o resultado final da pesquisa desenvolvida no âmbito do Grupo METIC (ex-Imago e humanidades Digitais), vinculado ao Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco. Teve como objetivo comparar as práticas de colecionismo filatélico brasileiro por meio das redes e mídias sociais digitais na Internet. De natureza exploratória, a pesquisa utilizou como procedimento metodológico a revisão bibliográfica e documental da literatura especializada nos campos da Biblioteconomia, Cultura Material e Filatelia. Foram identificadas e selecionadas 3 redes sociais de relacionamento na Internet (Facebook, Instagram e Twitter) e 1 rede social de nicho na Internet (Spotify), utilizadas por colecionadores filatélicos no Brasil. A pesquisa caracterizou e comparou os dados da amostra. Concluiu que o colecionismo filatélico é também digital, ao passo que colabora para o entendimento da utilização das redes e mídias sociais digitais na Internet pelos colecionadores filatélicos. Além disso, apontou esses ambientes digitais como locus de preservação da memória, de conexão interpessoal e institucional, de relacionamento entre objetos colecionáveis e interagentes e, por fim, de ressignificação das ações que envolvem o colecionismo de selos e documentos postais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Maria Ferreira Ribeiro, UFPE

Graduanda em Biblioteconomia pela UFPE.

Diego Andres Salcedo, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Comunicação. Professor no Dep. de Ciência da Informação da UFPE. Coordenador do Grupo de Pesquisa METIC/CNPq.

Referências

ALMEIDA, C. A. de; VASQUEZ, P. K. Selos postais do Brasil. São Paulo: Metalivros, 2003.

BRIET, S. O que é a documentação. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 2016.

CHENG, D. Liderando ranking do Ibope, aplicativos de redes sociais são usados por 75% dos internautas. MoneyTime. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2HWWztv. Acesso em: 14 jul. 2020.

DUPAS, G. Ética e poder na sociedade da informação: de como a autonomia das novas tecnologias obriga a rever o mito do progresso. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2001.

FONTOURA, W. A Hora e a vez das mídias sociais. Boombust. 2008. Disponível em: https://bit.ly/30EFOK7. Acesso em: 14 jul. 2020.

GREISDORF, Howard; O’CONNOR, Brian. Structures of image collections: from Chauvet-Pont-d’Arc to Flickr. Ohio [EUA]: Libraries Unlimited, 2008.

HIRWADE, M. A.; NAWLAKHE, U. A. Postage stamps and digital philately: worldwide and Indian scenario. The International Information and Library Review. n. 44, p. 28-39, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2IrCSYC. Acesso em: 14 jul. 2020.

LE GOFF, J. História e memória: escrita e literatura. Campinas: Unicamp, 2003.

LEMOS, A. Cibercultura: tecnologia e vida social na vida contemporânea. Porto Alegre: Sulinas, 2002.

MANOVICH, L. The language of new media. Cambridge: MIT, 2001.

MONTEIRO, S. D.; CARELLI, A. E. Algumas reflexões filosóficas sobre a memória no ciberespaço. In: SILVA, T. (Org.). Interdisciplinaridade e transversalidade em Ciência da Informação. Recife: Néctar, 2008, p. 1-40.

O’REILLY, T. O Que é web 2.0: padrões de design e modelos de negócios para a nova geração de software [on-line]. 2006. Disponível em: https://bit.ly/3njW25c. Acesso em: 14 de jul. de 2021.

PRIMO, A. F. T. Interação mútua e interação reativa: uma proposta de estudo. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 12, p. 81-92, jun., 2000. Disponível em: https://bit.ly/3sz8nrd.

PRIMO, A. O que há de social nas mídias sociais? Reflexões a partir da teoria ator-rede. Contemporânea: comunicação e cultura, Salvador, v. 10, n. 3, p. 618-641, 2012. Disponível em: https://bit.ly/31cqWmP. Acesso em 14 de jul. de 2020.

SALCEDO, D. A.; GOMES, I. M. A. M. A visibilidade da ciência nos selos postais comemorativos. E-Compós, Brasília, v. 12, n. 1. p. 1-16, jan./abr., 2009. Disponível em: https://doi.org/10.30962/ec.263.

SALCEDO, D. A. A ciência nos selos postais comemorativos brasileiros: 1900-2000. Recife: EDUFPE, 2010.

SALCEDO, D. A. Pernambuco nos selos postais: fragmentos verbovisuais de pernambucanidades. Recife: o autor, 2011.

SALCEDO, D. A.; ALVES, R. Mídia social nas bibliotecas universitárias: o caso do Twitter nas Universidades Católica e Federal Rural de Pernambuco. Páginas A&B, Lisboa, v. 3, n. 9, p. 12-27, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.21747/21836671/pag9a2. Acesso em: 14 de jul. de 2020.

SALCEDO, D. A. Espelhos de papel: pelo estatuto do selo postal. 255 p. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. 2013. Disponível em: https://bit.ly/2Y2p0t2. Acesso em: 15 de jun. 2021.

SALCEDO, D. A.; BEZERRA, V. C. A. A gênese do Repositório Filatélico Brasileiro: uma experiência interdisciplinar nas Humanidades Digitais. Informação & Sociedade: Estudos, v. 28, n. 3, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/38295. Acesso em: 11 de out. 2021.

SALCEDO. D. A. Humanidades Digitais, Memória e Filatelia: uma aplicação prática para a Web. IN: PIMENTA, R.; ALVES, D. Humanidades digitais e o mundo lusófono. Rio de Janeiro: FGV, 2021. p. 330-348.

SILVA, A. M. da. A informação: Da compreensão do fenômeno e construção do objeto científico. Porto: Edições Afrontamento. 2006.

SILVA, A. M. da; RIBEIRO, F. Das Ciências documentais à Ciência da Informação: ensaio epistemológico para um novo modelo curricular. Porto: Afrontamento. 2002.

VANHOUTTE, Edward; BRANDEN, Ron. Describing, transcribing, encoding and editing modern correspondence material: a textbase approach. Lit. Linguistic Comput. n. 24, 2009, p. 77-98. Disponível em: https://bit.ly/3dhoYGp. Acesso em: 14 de jul. de 2020.

VIRILIO, Paul. O espaço crítico e as perspectivas do tempo real. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2005.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

RIBEIRO, Carolina Maria Ferreira; SALCEDO, Diego Andres. Um estudo comparativo das práticas de colecionismo filatélico brasileiro por meio das redes e mídias na internet. Informação em Pauta, [S. l.], v. 7, n. 00, p. 1–19, 2022. DOI: 10.36517/2525-3468.ip.v7i00.2022.77971.1-19. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/77971. Acesso em: 15 jun. 2024.