Informações solicitadas no agendamento de visitas escolares em websites de museus brasileiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36517/2525-3468.ip.v8i0.2023.83051.1-16

Palavras-chave:

Educação não formal, Necessidade informacional, Sistema de informação

Resumo

Museus podem contribuir com os processos de ensino-aprendizagem dos seus públicos, principalmente quando colaboram com instituições de ensino que atuam na educação formal. O agendamento de visitas escolares a museus é uma atividade da gestão museal que pode servir de ponto de partida para essa colaboração entre museus e escolas na promoção do aprendizado. Entretanto, poucos trabalhos anteriores investigaram o agendamento de visitas escolares a museus. Neste contexto, este trabalho investigou as informações solicitadas no agendamento de visitas escolares em websites de 12 museus brasileiros através do método de análise de conteúdo. Foram identificadas 45 informações sobre responsável, instituição, grupo de visitante e visitas. Destas, 21 delas foram recorrentes em pelo menos três museus diferentes. As informações identificadas neste trabalho podem servir de base para o desenvolvimento e o aprimoramento futuro de sistemas de informação de apoio à gestão museal, em particular os digitais, de modo a favorecer a comunicação e a colaboração entre museus e escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Hugo Ferreira Paiva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Bacharel em Design pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Bruno Santana da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Informática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Referências

AMARAL, M. P. F.; SILVA, B. S.; BESSA, O. F. M. Aplicativo para sondagem de públicos em museus. Design e Tecnologia, v. 11, p. 116-138, 2021.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERNARDI, A. M. D. et al. Programa Vamos ao Museu?: Educação e Cultura. Cadernos do Ceom, v. 34, n. 54, p. 211–226, 2021.

BOYLAN, Patrick John. (Org.) Como gerir um museu: manual prático. Brodowski, São Paulo: Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari, Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, 2015.

BRAGA, J. L. M. Desafios e perspectivas para educação museal. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 6, n. 12, 2017.

BRASIL. Ministério da Cultura. Bases para a Política Nacional de Museus: memória e cidadania. Brasília, DF, 2003.

CAZELLI, S.; VERGARA, M. O passado e o presente das práticas de educação não formal na cidade do Rio de Janeiro. In: Encontro de História da Educação do Estado do Rio de Janeiro, Niterói – Rio de Janeiro. CD-ROM do I EHEd-RJ, 2007.

CRETTON, A. A.; PINTO, D. Programas Educativos em Museus: um estudo de caso. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 1, n. 2, p. 134–134, 2012.

CURY, M. X. Políticas públicas museais e a promoção de programas de educação em museus: Os públicos no plural. Cadernos do Ceom, v. 34, n. 54, p. 183–202, 2021.

DAHMOUCHE, M. S.; PIRES, A. M. G.; CAZELLI, S. O Museu Ciência e Vida Investiga Seu Público: Professores. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 22, 2020.

DAMICO, J. S.; MANO, S. M. F.; KÖPTCKE, L. S. O público escolar do Museu da Vida: origem geográfica das escolas visitantes (1999-2008). Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz / Casa de Oswaldo Cruz / Museu da Vida, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. Editora Atlas, 2019.

GOMES, A. O. Ação educativa em museus do Ceará. Cadernos do Ceom, v. 22, n. 30, p. 397–410, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS (IBRAM). Política Nacional de Educação Museal (PNEM). Brasília, DF, 2017.

KÖPTCKE, L.S. Público, o X da questão? A construção de uma agenda de pesquisa sobre os estudos de público no Brasil. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 1, n. 1, p. 209-235, 29 abr. 2012.

KRIPKA, R. M. L.; SCHELLER, M.; BONOTTO, D.L. Pesquisa documental na pesquisa qualitativa: conceitos e caracterização. Revista de investigaciones UNAD, v. 14, n. 2, p. 55-73, 2015.

LIMA, P. G. S.; AMARAL, M. P. F.; SILVA, B. S. Desenvolvimento e Avaliação de Usabilidade de Software para Pesquisa de Públicos no Museu Câmara Cascudo. Ergodesign & HCI, v. 9, p. 19-33, 2021.

LIMA, R. G. G. R.; KÖPTCKE, L. S. A relação entre Ciência da Informação, curadoria de exposições e educação em museus: uma reflexão. Museologia e Patrimônio, v. 11, n. 1, p. 218-234, 2018.

MACHADO, S. C. B. Entre o museu e a escola: reflexões acerca da experiência de implantação da disciplina de educação patrimonial e ambiental na rede municipal de ensino do município de Maracajá-SC. Cadernos do Ceom, v. 22, n. 31, p. 157–176, 2009.

MANO, S. M. F.; DAMICO, J. S. O que dizem os ausentes: um estudo qualiquantitativo sobre visitas agendadas e não realizadas no Museu da Vida 2002-2011. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz / Casa de Oswaldo Cruz / Museu da Vida, 2013.

MARANDINO, M. Interfaces na relação museu-escola. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 18, n. 1, p. 85–100, 2001.

MUÑOZ, J. G. Experiências educativas de integração comunitaria: Abordagens da cultura imaterial dos povos originários venezuelanos. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 9, n. 18, p. 42–55, 2020.

PAIVA, V. H. F. Projeto de Artefato Digital para Agendamento de Visitas Escolares a Museus. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Design) – Departamento Acadêmico de Design, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2022.

POULOT, D. Museu e museologia. Autêntica, 2013.

REGO, T. C. Vygotsky: Uma Perspectiva Histórico-Cultural Da Educação. Rio de Janeiro: Editora Vozes Limitada, 2013.

REIS, M. A. G. S. Museus e os modos de educar para a liberdade: asas ou gaiolas?. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 10, n. 20, p. 144–157, 2021.

REIS, M. A. S.; PINHEIRO, M. R. Para uma pedagogia do museu: algumas reflexões. Museologia e Patrimônio, v. 2, n. 1, p. 36–46, 2009.

SANTOS, S. S. Espaços Educativos Científicos: Formal, Não Formal e Informal. Revista Areté | Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 9, n. 20, p. 98–107, 2016.

SANTOS, T. S.; GERMANO, M. G. Relação Museu Escola: Influências da Escola nas Abordagens Museais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 2, p. 971–1003, 2020.

SILVA, B. S.; MEDEIROS, C. M. L. A diversidade do público escolar que visita o Museu Câmara Cascudo. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 10, n. 20, p. 191-208, 2021.

SILVA, B. S.; PAIVA, V. H. F. Oportunidades de melhoria no processo de agendamento de visitas escolares no Museu Câmara Cascudo. Ponto de Acesso, v. 16, n. 1, p. 156-174, 2022.

SILVA, M. C.; SILVA, J. Z. Perfil dos visitantes do museu de anatomia veterinária da FMVZ/USP: primeiros estudos. Museologia & Interdisciplinaridade, Brasília, v. 3, n. 6, p. 257-276, abr. 2015.

SILVA, M. H. F.; COELHO, P. A. Tecnologia e mediação interativa: uma perspectiva museológica contemporânea sistematizada na psicologia da educação. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 10, n. Especial, p. 68–92, 2021.

TRILLA, J. La educación fuera de la escuela: ámbitos no formales y educación social. Barcelona: Grupo Planeta (GBS), 2003.

Publicado

2023-10-17

Como Citar

PAIVA, Victor Hugo Ferreira; SILVA, Bruno Santana da. Informações solicitadas no agendamento de visitas escolares em websites de museus brasileiros. Informação em Pauta, [S. l.], v. 8, p. 1–16, 2023. DOI: 10.36517/2525-3468.ip.v8i0.2023.83051.1-16. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/83051. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos