O PROEJA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE CURRICULAR DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

  • Sâmmya Faria Adona Universidade Estadual de Roraima(UERR) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR)
Palavras-chave: Ensino, Formação Profissional, Zona Rural

Resumo

O presente trabalho teve como objeto de pesquisa a análise da inclusão da disciplina de educação física na matriz curricular do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA – em uma escola da zona rural de Boa Vista - Roraima. Os objetivos da pesquisa foram: conceituar as bases que fundamentam o currículo da educação física escolar na perspectiva da educação do campo e dos alunos do PROEJA; compreender de que maneira a disciplina de educação física pode se tornar significativa para o aluno do PROEJA dentro da realidade do campo; e relatar sobre a aplicabilidade da inclusão da disciplina de educação física no currículo do PROEJA da referida instituição. Quanto aos procedimentos metodológicos, utilizou-se a etnometodologia como método, por se considerar mais adequada para avaliar uma situação em determinado momento que ocorre em um grupo social; evidenciando quais as influências derivadas de experiências práticas e teóricas. Esse processo metodológico é de natureza qualitativa, constituído por uma pesquisa documental, bibliográfica e de campo, onde foram realizadas entrevistas com gestores da instituição de ensino e a aplicação de questionários com os alunos do PROEJA. Os resultados da pesquisa apresentam especificidades da compreensão dos alunos e gestores em relação à educação física, seus conteúdos e sua prática no âmbito escolar.

Biografia do Autor

Sâmmya Faria Adona, Universidade Estadual de Roraima(UERR) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR)
Mestre em Educação. Especialista em Planejamento, Implantação e Gestão em Educação EAD, Especialista em Docência Superior, Especialista em Assessoria de Comunicação e Novas Tecnologias. Licenciada em Pedagogia, Educação Física e graduada em Comunicação Social - Jornalismo.

Referências

RROYO, M. G. Educação de jovens – adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, L. (Org.). Diálogos na educação de jovens e adultos. São Paulo: Autêntica, 2005.

BRASIL. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, MEC/SECAD, 2002.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Parecer 16/1999. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação física Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF 1997.

BRASIL. Decreto nº 5.478, de 24 de junho 2005 (Revogado). Institui, no âmbito das instituições federais de educação tecnológica, o Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA. Diário Oficial da União. Poder Executivo. Brasília, DF, 27 de junho de 2005.

BRASIL. Decreto nº 5.840, de 13 de julho 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Poder Executivo. Brasília, DF, 14 de julho de 2006.

BRASIL. MEC. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, dez. 2013.

BOIAGO, D. L.; OLIVEIRA, C. M. Bases legais para uma educação do e no campo e as experiências educativas de uma escola de agroecologia na região norte do Paraná. IX ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em Educação na Região Sul. Caxias do Sul. Universidade de Caxias do Sul, 2012.

CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise (Orgs.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

DARIDO, S.C. Os conteúdos da Educação Física escolar: influências, tendências dificuldades e possibilidades. Perspectivas da Educação Física escolar. UFF, v.2, n.1, p. 5- 25, 2001.

DE MARCO, A. Educação Física ou Educação Motora? In: Pensando a Educação Motora. Campinas: Papirus, 1995. p. 27-35.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GARFINKEL, H. Studios en Etnometodología. Barcelona: Anthropos, 2006.

GERHARDT, T; SILVEIRA, D. T. (Org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2009. (Série Educação a Distância).

RORAIMA. Ministério da Educação. Universidade Federal de Roraima - UFRR. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão –CEPE. Resolução 006/2008 – Regimento Interno da Escola Agrotécnica – EAGRO/UFRR. Boa Vista - RR, 2008.

SILVA, T. T. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SOUZA FILHO, M. S. A Educação Física e o processo de inclusão dos alunos do PROEJA no IFRN – Uma experiência pedagógica no campus Zona Norte de Natal RN, 2009 In GUIMARÃES, Cristina;

VALDEZ, G. (Org.). Dialogando PROEJA: algumas contribuições. Campos dos Goytacazes (RJ): Essentia Editora, 2009.

TOURAINE, A. Poderemos viver juntos? Iguais e Diferentes. Petrópolis: Vozes, 1999.

VEIGA NETO, A. De Geometrias, Currículo e Diferenças IN: Educação e Sociedade, Dossiê Diferenças-2002.

Publicado
2017-07-31
Como Citar
Adona, S. F. (2017). O PROEJA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE CURRICULAR DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Revista Labor, 1(17), 13-26. https://doi.org/10.29148/labor.v1i17.11884
Seção
Artigos