ARTICULANDO DISCURSO COM TRABALHO: REFLEXÕES BAKHTINIANAS E VIGOTSKIANAS DA CANÇÃO “CONSTRUÇÃO”

  • Mariana Aguiar Alcântara de Brito UNIVERSIDADE DE FORTALEZA- UNIFOR CENTRO UNIVERSITÁRIO 7 DE SETEMBRO - UNI7 DOUTORANDA EM PSICOLOGIA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ-UFC
  • Veriana de Fátima Rodrigues Colaço Professora Doutora do Departamento de Psicologia e dos Programas de Pós-Graduação em Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará – UFC
  • Cássio Adriano Braz de Aquino Professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará - UFC
Palavras-chave: Mundo do Trabalho, Psicologia Social do Trabalho, Discurso e Trabalho

Resumo

Este artigo pretendeu discutir as categorias discurso e trabalho através da canção “Construção”, de autoria de Chico Buarque de Hollanda, partindo das contribuições do circulo dialógico de Bakhtin e do arcabouço da concepção materialista histórico dialética, representados aqui por autores da psicologia, como Vygotsky e Clot. A canção analisada faz parte de um contexto sócio histórico da realidade brasileira caracterizada pela ditadura militar e pela forte censura. A canção é emblemática da vertente crítica das composições do autor, configurando-se como um testemunho doloroso das relações aviltantes entre o capital e o trabalho. Contribuições acerca da noção de sujeito, do social como constitutivo do humano e de sentidos foram discutidas a luz dos referenciais citados. A análise da canção “Construção” apontou caminhos interventivos na emergência de um discurso crítico capaz de reverberar em poder de agir.

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade no mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2010.

BAKHTIN, M. A cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de Fraçois Rabelais. Trad. M. Lahud & Y.F. Vieira. São Paulo: Hucitec, 1999.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. M. Lahud & Y.F. Vieira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. M. Lahud & Y.F. Vieira. São Paulo: Hucitec, 2002.

BARROS, J. P. P. Constituição de "sentidos" e "subjetividades": aproximações entre Vygotsky e Bakhtin. Estudos Contemporâneos da subjetividade - ECOS. São Paulo. V.2 N.1, p.133-146, 2012 a. Disponível em: http://www.uff.br/periodicoshumanas/index.php/ecos/article/view/724 . Acesso em 24 de novembro de 2015.

BARROS, J.P.P. Contribuições de Vigotski e Bakhtin para o conceito de "social" na psicologia. Pesquisas e práticas psicossociais. São João Del Rei,V.7 N.1, p.121 – 129, Janeiro – Julho, 2012b. Disponível em: http://www.ufsj.edu.br/revistalapip/revista_volume_7_numero_1.php. Acesso em: 24 de novembro de 2015.

BORSOI, C. Os sentidos do trabalho na construção civil: o esforço alegre sem a alegria do esforço. In: Vozes (Ed.).In: CODO, W. (Org.). Saúde mental e trabalho: leituras. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 309-324.

CECCON, R. F. et al. Suicídio e trabalho em metrópoles brasileiras: um estudo ecológico. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l], v. 19, n. 7, p.2225-2234, jul. 2014. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014197.09722013.

CHAMIE, M. A "práxis" de construção. In: FERNANDES, R. Chico Buarque do Brasil: textos sobre as canções, o teatro e a ficção de artista brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

CLOT, Y. Vygotski: para além da psicologia cognitiva. Trad. Luci Banks Leite. Pró-posições. V. 17, n. 2, 50, p.19-30, Maio – Agosto, 2006. Disponível em: http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/50_dossie_clot_y.pdf. Acesso em 24 de novembro de 2015.

CLOT, Y.A função psicológica do trabalho. Trad. Adail Sobral. Petrópolis: Vozes, 2007.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira e Marlene Machado, Zicca Viana. Belo Horizonte: Artefactum, 2010 a.

CLOT, Y. O diálogo em desenvolvimento: M. Bakhtin no trabalho. In: PAULA, L.; STAFUZZA, G. O. Circulo de Bakhtin: diálogos in possíveis. São Paulo: Mercado de Letras, v.2, 2010b.

COSTA, N. B. Práticas discursivas: exercícios analíticos. Campinas: Pontes, 2005.

COSTA, N.B. Um artista brasileiro: paratopias buarqueanas. In: FERNANDES, R. Chico Buarque do Brasil: textos sobre as canções, o teatro e a ficção de um artista brasileiro. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2004. p. 34-43.

COSTA, N.B. O objeto e o sujeito na pesquisa da canção: uma reflexão bakhtiniana sobre a análise do discurso literomusical. In: COSTA, N.B. (Org.). O charme dessa nação: música popular, discurso e sociedade brasileira. Fortaleza: Expressão gráfica e editora, 2007. p. 17-25.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Trad. Luiz Alberto Bonjardim. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas editora, 2006.

DRUCK, G. Unrestrained outsourcing in Brazil: more precarization and health risks for workers. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro [s.l.], v. 32, n. 6, p.1-9, 2016. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00146315.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem (1876). Trad. José Américo, 2005 http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/F_ANGELS.pdf. Acesso em 28 de fevereiro de 2017.

FERNANDES, R. Cronologia. In: FERNANDES, R. Chico Buarque do Brasil: textos sobre as canções, o teatro e a ficção de um artista brasileiro. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2004. p.25-33.

HOLLANDA, C. B. Pedro Pedreiro. In: BUARQUE, C. Chico Buarque de Hollanda. [Vinil]. Rio de Janeiro: RGE 1966.

HOLLANDA, C.B. Construção. In: BUARQUE, C. Construção. [Vinil]. Rio de Janeiro: Phonogram Philips 1971.

KOGAWA, J. M. M. O discurso-arte de Chico Buarque: poder sobre o sujeito brasileiro. Revista Uruguaiana - Revista acadêmica multidisciplinar. Paraná: Universidade Estadual de Maringá, p. 1-11, 2007.

LIMA, M. E. A. Contribuições da clínica da atividade para o campo da segurança no trabalho. Revista brasileira de saúde ocupacional. São Paulo. 32 (115), p. 99-107, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbso/v32n115/09.pdf. Acesso em 24 de novembro de 2015.

MARX, K. O capital. Rio de janeiro, civilização brasiliense, 1971. vol 02.

SILVA, A. V. O protesto na canção de Chico Buarque. In: FERNANDES, R. Chico Buarque do Brasil: textos sobre as canções, o teatro e a ficção de um artista brasileiro. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2004.

VIGOTSKY, L.S. Teoria e método em Psicologia. Trad. Claudia Berlinet. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. Trad. Jefferson Luiz Camargo. 2. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VIGOTSKY, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Trad. José Cipolla Neto. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Publicado
2017-07-31
Como Citar
de Brito, M. A. A., Rodrigues Colaço, V. de F., & de Aquino, C. A. B. (2017). ARTICULANDO DISCURSO COM TRABALHO: REFLEXÕES BAKHTINIANAS E VIGOTSKIANAS DA CANÇÃO “CONSTRUÇÃO”. Revista Labor, 1(17), 158-171. https://doi.org/10.29148/labor.v1i17.18911
Seção
Artigos