CARGA DE TRABALHO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO SUPERIOR: O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIDA

Autores

  • Francisco Hercílio de Brito Filho Universidade de Fortaleza - UNIFOR
  • Regina Heloisa Mattei de Oliveira Maciel Universidade de Fortaleza - UNIFOR
  • Jean Mari Felizardo Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7)

DOI:

https://doi.org/10.29148/labor.v1i17.18913

Palavras-chave:

Carga de Trabalho, Docência, Educação Superior, Ergonomia

Resumo

As vivências de trabalho dos professores, assim como dos trabalhadores em geral, dependem fundamentalmente das relações entre as exigências e as condições de realização do trabalho, denominadas genericamente de carga de trabalho, que é derivada do contexto e das características da organização do trabalho. A avaliação da carga de trabalho permite ampliar o grau de compreensão acerca da percepção das condições do próprio trabalho, dos riscos e dos constrangimentos dele decorrentes. O presente artigo caracteriza-se como um estudo metodológico com o objetivo de construir um instrumento de medida da carga de trabalho de professores de instituições de educação de nível superior. Com a finalidade de atender ao objetivo, a pesquisa utilizou técnicas de observação da atividade docente para a construção do “Questionário da Carga de Trabalho Docente de Nível Superior”, o CATRA-DNS, que, ao final do presente estudo, foi composto por 39 itens, distribuídos em 3 fatores denominados físico, cognitivo e psíquico, tornando-se apto para ser submetido a processo de validação.

Biografia do Autor

Francisco Hercílio de Brito Filho, Universidade de Fortaleza - UNIFOR

Doutorando em Psicologia pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Mestre em Administração pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Psicólogo pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordenador dos cursos de graduação e pós-graduação em Administração do Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7).

Regina Heloisa Mattei de Oliveira Maciel, Universidade de Fortaleza - UNIFOR

Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Applied Psychology Ergonomics pela University Of Wales Institute Of Science And Techonology. Graduada em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professora titular da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Coordena o Núcleo de Estudos sobre o Trabalho e o Laboratório de Estudos sobre o Trabalho (LET) do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UNIFOR.


Jean Mari Felizardo, Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7)

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Especialista em Logística Empresarial pela Pontíficia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Especialista em Gestão da Aprendizagem pela Universidade Positivo (UP). Administração pela Universidade Positivo (UP). Professor do Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7).

Referências

ABRAHÃO, J.; SZNELWAR, L.; SILVINO, A.; SARMET, M.; PINHO, D. Introdução à ergonomia: da prática à teoria. São Paulo: Blucher, 2009.

ALVAREZ, D. Cimento não é concreto, tamborim não é pandeiro, pensamento não é dinheiro! Para onde vai a produção acadêmica? Rio de Janeiro: Myrrha, 2004.

AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, A. R. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. p. 35-53.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2010.

ANTUNES, R.; PRAUN, L. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 123, 2005, p. 407-427.

BIANCHETTI, L. O processo de Bolonha e a intensificação do trabalho na universidade: entrevista com Josep M. Blanch. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, v. 31, n. 110, 2010, p. 263-286.

BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. “Reféns da produtividade”: sobre produção de conhecimento, saúde dos pesquisadores e intensificação do trabalho na pós-graduação. In: Anais da 30ª Reunião Anual da ANPEd. Rio de Janeiro: ANPEd. 2008.

BORSOI, I. C. F. Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de ensino superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 2012, p. 81-100.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: ANPEd, 24, 2003, p. 5-15.

CODO, W. Educação, carinho e trabalho: burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar à falência da educação. Petrópolis: Vozes, 2002.

CONISHI, R. M. Y.; GAIDZINSKI R. R. Nursing Activities Score-NAS como instrumento para medir carga de trabalho de enfermagem em UTI adulto. Rev Esc Enferm USP. 41(3), 2007, p. 346-354.

CORREA, F. P. Carga mental e ergonomia. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Florianópolis, UFSC. 2003.

ESTEVE, J. M. Mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. São Paulo: EDUSC, 1999.

FACCHINI, L. A. Uma contribuição da epidemiologia: o modelo de determinação social aplicado à saúde do trabalhador. In: BUSCHINELLI, J. T.; ROCHA, L. E.; RIGOTTO, R. M. (Orgs.). Isto é trabalho de gente?: vida, doença e trabalhador no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 40-59.

FEITOSA, M. C.; LEITE, I. R. L.; SILVA, G. R. F. Demanda de intervenções de enfermagem a pacientes sob cuidados intensivos: nas nursing activities score. Escola Anna Nery UFRJ. 16(4), 2012, p. 682-688.

FONSECA, C. C. O. P. O adoecer psíquico no trabalho do professor do ensino fundamental e médio da rede pública no estado de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Florianópolis: UFSC. 2001.

GRECO, R. M.; OLIVEIRA, V. M.; GOMES, J. R. Cargas de trabalho dos técnicos operacionais da escola de enfermagem da Universidade de São Paulo. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 95/96(25), 1999, p. 59-75.

LAURELL, A. C.; NORIEGA, M. Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Hucitec, 1989.

LEMOS, J. C. Cargas psíquicas no trabalho e processos de saúde em professores universitários. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, UFSC. 2005.

LOPES, M. C. R. “Universidade produtiva” e trabalho docente flexibilizado. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(1), 2006, p. 35-48.

LOUSADA, E. G. Entre trabalho prescrito e realizado: um espaço para a emergência do trabalho real do professor. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, PUC-SP. 2006.

MANCEBO, D.; LOPES, M. C. R. Trabalho docente: compressão temporal, flexibilidade e prazer? Revista de Educação Pública, 13(24), 2004, p. 138-152.

MAUÉS, O. A reconfiguração do trabalho docente na educação superior. Educar em Revista, (Esp. 1), 2010, p. 141-160.

MONTEIRO, L. M.; SPIRI, W. C. Indicadores de qualidade e carga de trabalho uma revisão integrativa em enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem (REME), 20(e936), 2016, p. 1-8.

MORESI, E. A. D. Manual de metodologia da pesquisa. Brasília: UCB, 2003.

MOTA, D. D. C. F.; PIMENTA, C. A. M. Avaliação e mensuração de variáveis psicossociais: desafio para pesquisa e clínica de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, 8(3), 2007, p. 309-314.

PASQUALI, L. Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Revista de Psiquiatria Clínica, 25(5), 1998, p. 206-213.

_____. Instrumentos psicológicos: manual prático de elaboração. Brasília: LamPAM, 1999.

_____. Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. v. 1. Petrópolis: Vozes, 2003.

_____. Validade dos testes psicológicos: será possível reencontrar o caminho? Psicologia, Teoria e Pesquisa, 23(Esp.), 2007, p. 99-107.

_____. Psicometria. Revista da Escola de Enfermagem USP, 43(Esp.), 2009, p. 992-999.

PASQUALI, L.; MOURA, C. F.; FREITAS, L. C. O. Instrumentação psicológica: fundamentos e práticas. Porto Alegre: Artmed, 2010.

PRIMI, R.; MUNIZ, M.; NUNES, C. H. S. Definições contemporâneas de validade de testes psicológicos. Avanços e polêmicas em avaliação psicológica, 1, 2009, p. 243-265.

QUEIJO, A. F.; PADILHA, K. G. Nursing Activities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP. 43(n esp.), 2009, p. 1009-1016.

REGO, T. C. Produtivismo, pesquisa e comunicação científica: entre o veneno e o remédio. Educação e Pesquisa, 40(2), 2014, p. 325-346.

SCHWARTZ, Y. Le langage en travail. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Travail et ergologie: entretiens sur l’activité humaine. Toulouse: Octarès, 2003. p. 131-148.

SELIGMANN-SILVA, E. Desgaste mental no trabalho dominado. São Paulo: Cortez, 2011.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TENFEN, W. O processo de (des)qualificação do professor. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, UFSC, 1992.

WENZEL, R. L. O professor e o trabalho abstrato: uma análise da (des)qualificação do professor. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, UFSC, 1991.

WISNER, A. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: FUNDACENTRO, 1994.

Downloads

Publicado

2017-07-31

Como Citar

DE BRITO FILHO, Francisco Hercílio; MACIEL, Regina Heloisa Mattei de Oliveira; FELIZARDO, Jean Mari. CARGA DE TRABALHO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO SUPERIOR: O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIDA. Revista Labor, [S. l.], v. 1, n. 17, p. 118–142, 2017. DOI: 10.29148/labor.v1i17.18913. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/18913. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.